Turma da Mônica | Mauricio de Sousa celebra série com história 100% original

Créditos da imagem: Daniela Toviansky/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Turma da Mônica | Mauricio de Sousa celebra série com história 100% original

Mauricio de Sousa, Daniel Rezende e grande elenco falam sobre o lançamento da série live-action em coletiva de imprensa

Omelete
4 min de leitura
20.07.2022, às 12H47
ATUALIZADA EM 20.07.2022, ÀS 13H04
ATUALIZADA EM 20.07.2022, ÀS 13H04

Trabalhar em uma adaptação literária na telona nem sempre é um sinônimo de bom fruto. São muitos os elementos envolvidos, afinal, estamos falando de um roteiro que faça jus à obra, e uma direção e um elenco que consigam ser fiéis àqueles personagens, enfim, existem vários ingredientes nessa balança. Mas o que pode ser mais arriscado (e ousado) é fazer uma história completamente original com esses mesmos personagens, sem ter uma inspiração exata em uma trama já existente. Ainda mais quando falamos de uma história tão presente no imaginário coletivo da cultura de um país.

Este é o ótimo caso de Turma da Mônica: A Série, nova produção live-action do universo de Mauricio de Sousa, que estreia no Globoplay na próxima quinta-feira (21). Diferentemente dos filmes antecessores, a série traz uma história completamente original, mas que ainda se mantém muito fiel e respeitosa às graphic novels. Por meio de oito episódios, a trama mostra a história da chegada de Carminha Frufru (Luiza Gattai) ao bairro do Limoeiro, que traz consigo um grande mistério a ser resolvido no decorrer da temporada. Além dela,quem também chega é Denise (Becca Guerra), vista como a maior fofoqueira e investigadora da região.

"Antes da pandemia a gente filmou Lições. A Mônica de Sousa foi visitar o set com a gente e ela fez essa provocação que nós tínhamos que continuar com eles e ela teve essa ideia de fazer uma série", conta o diretor-geral da série, Daniel Rezende, ao Omelete, antes de detalhar os desafios que roteiristas da série enfrentaram.

"Existia dentro da sala de roteiro esse desafio de criarmos pela primeira vez no mundo live-action uma história 100% original”, relembra, apontando que a isso se somaram outras questões – essas, dos personagens. “No Laços e no Lições, nós acompanhamos o crescimento deles, já na série, a primeira coisa que eu falei com a sala de roteiro é que eu queria que a Carminha mudasse para o bairro do Limoeiro e que ela representasse esse mundo externo dessas crianças que já entraram na pré-adolescência, que estão saindo ali da infância e estão chegando na adolescência. E ela representa esse padrão, esse padrão que a sociedade cobra de todos nós, principalmente dos adolescentes. Então era isso que eu tinha colocado de uma forma como a premissa da série".

Amadurecimento

Divulgação

Seja na TV ou no cinema, nem sempre vemos atores que representam exatamente a idade de seus personagens. Um hábito que já ficou bem perpetuado e viciado dentro dos moldes Hollywoodianos é o de pegar atores que já são bem mais velhos para interpretar papéis de adolescentes, por exemplo. Mas dentro do universo de Turma da Mônica acontece algo fascinante: temos a chance de acompanhar o envelhecimento e amadurecimento do elenco dentro das telonas.

"Eu acho que é muito bonito porque a gente cresceu muito com os nossos personagens”, conta Gabriel Moreira, o Cascão. “No Laços, em Lições, e agora na série, a gente tinha a idade dos nossos personagens. E eu acho muito legal, porque os nossos problemas, as nossas barreiras, os personagens também enfrentam. Na maioria das vezes, pela semelhança na idade."

Além da clara diferença quanto ao amadurecimento dos personagens, outra grande distinção sentida pelo elenco dessa vez foi quanto ao formato narrativo e à preparação para as filmagens. "No Laços eles não leram o roteiro, no Lições eles leram o roteiro mas não decoraram, e agora como era uma série, com outra proposta – eram três diretores, duas equipes de filmagens –, nós trabalhamos com roteiro. Dessa vez foi um outro processo para eles, mas tinha o preparador de elenco que desconstruía tudo, já que ele trabalhava com eles o entendimento de cada cena, e não a decoração de cada fala", explica Daniel.

Uma coisa é certa: Mauricio de Sousa está bem feliz com o resultado das últimas adaptações à grande tela. "Essa é uma emoção que começou faz tempo, mas muito tempo… com um lápis e um papel, quando eu ainda estava aprendendo a ler, aprendendo a rabiscar e tudo mais, sonhando com coisas parecidas com isso. Esse é o começo de um processo. Eu acho que nós temos um grande caminho pela frente, para ser explorado, para passar mensagens, diversão, entretenimento, e logicamente passar cultura. Estou muito feliz da vida, afinal de contas são os meus filhotes", diz o quadrinista.

A especulação que fica é sobre a possibilidade de desenvolver outras histórias. Conforme o elenco protagonista vai amadurecendo, é normal que apareça a dúvida sobre a possibilidade de uma adaptação para Turma da Mônica Jovem. Quanto a isso, tanto Daniel, como Mônica de Sousa não fazem nenhuma confirmação, mas ela deixa claro que esta se trata de uma outra marca, que terá uma outra produção, ocorrendo em um outro tempo, e ainda complementou dizendo que "tem assuntos acontecendo" – ou seja, resta esperar e torcer pela confirmação de novas histórias que façam jus ao universo fantástico de Mauricio de Sousa.

Os oito episódios de Turma da Mônica: A Série chegam ao Globoplay na quinta-feira (21).

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.