Cena de Entrevista com o Demônio (Reprodução)

Créditos da imagem: Cena de Entrevista com o Demônio (Reprodução)

Filmes

Artigo

Entrevista com o Demônio | Entenda polêmica do filme com inteligência artificial

Diretores admitiram ter usado IA durante criação de alguns gráficos incluídos no filme

Omelete
5 min de leitura
04.07.2024, às 06H00.

Tudo começou com um review no Letterboxd - e sim, a gente sabe que nenhuma história boa começa desse jeito. Postado em março, o comentário do usuário based gizmo indicava o uso de inteligência artificial em alguns gráficos que aparecem no filme Entrevista com o Demônio, uma produção independente estrelada por David Dastmalchian (O Esquadrão Suicida) que estava causando frisson na pequena - mas vocal - comunidade do cinema de horror alternativo. Dias depois, a Variety estava falando do assunto, e subitamente o uso da IA pelos diretores Colin e Cameron Cairnes virou tema quente na cinefilia por um tempo.

Mas, afinal, o que aconteceu, e o que isso significa para o cinema? Com a chegada de Entrevista com o Demônio nos cinemas brasileiros, o Omelete te explica essa história, em todos os detalhes, a seguir.

Onde Entrevista com o Demônio usou inteligência artificial?

Gráfico visto em Entrevista com o Demônio (Reprodução)
Gráfico visto em Entrevista com o Demônio (Reprodução)

Na trama de Entrevista com o Demônio, acompanhamos um capítulo inteiro do programa de auditório fictício Night Owls, exibido nos anos 1970 e comandado por Jack Dorsey (Dastmalchian). No episódio em questão, um especial de Halloween, ele pretende trocar “um dedo de prosa” com uma menina possuída pelo diabo - além de receber algumas outras atrações apropriadamente sinistras, é claro.

Para nos imergir no universo do programa, o filme aposta alto em cenários, figurinos, penteados, vinhetas e artes gráficas que remetem aos anos 1970. É aí que entram as ilustrações realizadas com a ajuda da inteligência artificial: sempre que Night Owls passa por um intervalo comercial, Entrevista com o Demônio nos mostra um gráfico diferente, com temática de Halloween e a mensagem voltamos já!” (we’ll be right back!”).

O usuário do Letterboxd que fez seu review em março identificou falhas típicas de imagens produzidas por IA nestas ilustrações, e argumentou não só que as artes em questão quebravam a ilusão setentista da trama, como também que a equipe de Entrevista com o Demônio havia privado um artista de seu trabalho ao realizá-las digitalmente. “Fiquem mais bravos com isso, se vocês realmente têm paixão pelo cinema”, escreveu ele.

O que dizem os diretores de Entrevista com o Demônio?

Cena de Entrevista com o Demônio (Reprodução)
Cena de Entrevista com o Demônio (Reprodução)

Em sua primeira resposta oficial à polêmica, naquela mesma matéria da Variety, os irmãos Cairnes admitiram ter experimentado com a inteligência artificial no processo de criação de três imagens estáticas utilizadas no filme, acrescentando que o resultado inicial gerado pela IA foi editado extensivamente pelo nosso incrível time de design de produção e design gráfico, que trabalhou intensamente para criar a estética setentista que sonhávamos para o filme. Nós nos sentimos sortudos por poder trabalhar com uma equipe tão talentosa e apaixonada por seu trabalho, que nos ajudou a dar vida a este filme. Mal podemos esperar para que todos vocês possam ver o resultado nos cinemas”, completaram.

A resposta diplomática foi expandida em uma entrevista para o próprio Letterboxd, na qual Colin Cairnes definiu Entrevista com o Demônio como um produto do tempo em que foi feito, do tempo em que foi finalizado, e do orçamento que tinha para ser finalizado”. O cineasta se referia ao fato de que o longa de terror fechou sua pós-produção em março de 2023, a tempo da estreia no festival SXSW, nos EUA - e dois meses antes do WGA, o sindicato de roteiristas de Hollywood, iniciar uma greve movida, em grande parte, pela necessidade de normas mais rígidas sobre o uso da inteligência artificial no cinema.

Cairnes também afirmou que o uso da IA não significou que um artista deixou de ser contratado, citando o nome do ilustrador Lukas Ketner como o responsável por realizar a maior parte dos gráficos do filme - o site oficial do artista não lista essa colaboração, embora ele seja parceiro do astro de Entrevista com o Demônio, David Dastmalchian, em outro projeto (a história em quadrinhos Count Crowley).

Nós demos empregos para muitas pessoas, muito talentosas, que trabalharam duro porque amavam a ideia deste filme - e que, com certeza, vão voltar a colaborar conosco no próximo que fizermos. Também fomos honestos sobre as três imagens que criamos, com muita edição e modificação, através da inteligência artificial”, comentou o diretor. Não sei se faríamos isso de novo, e não só por razões éticas - é um trabalho desnecessário. Você não tem ideia de por quantas iterações passamos antes de chegar às que usamos no filme.

E o que isso significa para o cinema?

Cena de Resistência (Reprodução)
Cena de Resistência (Reprodução)

Em sua entrevista com o Letterboxd, Colin Cairnes chegou a dizer que a inteligência artificial está sendo usada, de uma forma ou de outra, em absolutamente todas as grandes séries e filmes que você está assistindo hoje em dia. E ele está essencialmente correto.

Invasão Secreta, da Marvel, usou IA para fazer sua sequência de abertura. Resistência, épico sci-fi sobre os perigos da inteligência artificial, usou IA como ferramenta de captura de performance. A Warner vai recriar a voz da lendária cantora Edith Piaf em uma nova cinebiografia usando a IA. Cidade de Deus vai ser restaurado para um relançamento nos cinemas com a ajuda da IA. E esses são só os casos assumidos - dentro dos armários hollywoodianos, todo mundo sabe que a inteligência artificial é uma ferramenta utilizada para preencher etapas de pré e pós-produção, prever resultados comerciais, e por aí vai.

As greves simultâneas dos roteiristas e atores, que abalaram Hollywood no segundo semestre do ano passado, buscavam proteger os direitos trabalhistas dos profissionais que representavam diante dessa nova realidade. Milhares de outros trabalhadores do cinema e de dezenas de outras áreas, no entanto, continuam tendo que lidar com o uso desregulado da IA no ambiente de trabalho. É tênue a linha entre a inteligência artificial como ferramenta de facilitação da rotina, até como parte intencional de um processo criativo, e o abuso dessa ferramenta para cortar custos e precarizar funções.

No grande contexto das coisas, portanto, me parece que Entrevista com o Demônio é peixe pequeno - e, ainda além disso, que os Cairnes utilizaram a inteligência artificial como ponto de partida para um processo criativo que absolutamente não deve ser creditado a ela. Enquanto o humano continuar no banco do motorista, e a arte tomar precedência ao comércio, me parece que tatear essa linha da IA no mundo da criatividade é inevitável e, se quisermos um dia entender como ela se integra aos nossos processos, até necessário.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.