O dia em que conhecemos Stan Lee

Créditos da imagem: Gage Skidmore/Flickr/Divulgação

HQ/Livros

Artigo

O dia em que conhecemos Stan Lee

Uma carta de amor ao mestre dos quadrinhos

Marcelo Forlani
12.11.2018
21h45
Atualizada em
13.11.2018
11h48
Atualizada em 13.11.2018 às 11h48

Toda vez que estamos conversando no Omelete e precisamos exemplificar uma notícia bombástica, nós usávamos a seguinte manchete: "Stan Lee morreu".

Este dia, infelizmente, chegou.

Claro que não usávamos este exemplo porque queríamos que isso acontecesse, mas sim porque sabíamos que a perda seria enorme.

Stanley Martin Lieber, nascido em 28 de dezembro de 1922, em Nova York, tem em uma lista enorme de personagens criados, entre eles Homem-Aranha, Quarteto-Fantástico, Hulk, Homem de Ferro, os X-Men, Demolidor, Pantera Negra, os Vingadores e mais alguns quilômetros de super-heróis do universo Marvel, do qual é impossível falar sem citar seu nome, ao lado de diversos outros quadrinistas igualmente icônicos, como Jack Kirby e Steve Ditko.

Forlani Sta Lee
Acervo pessoal

Em 2000, no ano que colocamos o Omelete no ar, tive a sorte de conhecer pessoalmente Stan Lee. Era a minha primeira viagem para o exterior. Estava na Califórnia junto com o meu amigo Fabio Yabu. Com a maior cara de pau do mundo, ele mandou um email para o Stan Lee falando que ele tinha criado um universo de quadrinhos chamado Combo Rangers e queria mostrar ao mestre. E recebeu uma resposta positiva, dizendo que poderíamos ir!

Super atencioso, Stan Lee nos recebeu, conversou um tempão, viu os gibis e, no final, nos deixou tietar, com fotos e alguns mimos.

Este carinho com os fãs eu vi se repetir inúmeras vezes depois, nas comic cons de San Diego e Nova York em que o vi passando pelos centro de convenções, em sessões de autógrafos e fotos.

Super midiático, Stan Lee foi um prolífico editor da Marvel durante os anos 60 e 70 e a partir dos anos 80 começou a olhar para uma nova mídia: as telas da TV e cinema. Foi assim que ele conseguiu se eternizar recentemente ao fazer participações especiais nos filmes da Marvel nos cinemas. Ele esteve lá ao lado do Homem-Aranha, do Hulk, chegou até a ir para Asgard e para o espaço, ao lado dos filmes solo ou nos blockbusters como Os Vingadores (2012).

Suas pontas eram sempre celebradas pelos fãs. Era aquele momento em que olhávamos um para o outro, dávamos uma pequena cotovelada no vizinho e sorríamos, pois sabíamos que só estávamos ali no cinema por causa dele.

Bom, como diz a manchete na capa do Omelete, "Stan Lee morreu". Mas, ei, estamos falando do universo Marvel. Aqui os heróis não morrem de verdade. Já estamos esperando pela sua volta, Stan!