Tudo que você precisa saber antes de assistir ao prequel de Família Soprano

Créditos da imagem: Divulgação

Séries e TV

Artigo

Tudo que você precisa saber antes de assistir ao prequel de Família Soprano

Preparamos uma lista com os acontecimentos essenciais da série para entender o novo longa The Many Saints of Newark.

Henrique Haddefinir
08.11.2021
09h13
Atualizada em
08.11.2021
09h37
Atualizada em 08.11.2021 às 09h37

A série The Sopranos (Família Soprano) é conhecida por fãs como um clássico, o drama que primeiro trouxe à TV o que ficou conhecido como o “protagonista atormentado e sem caráter”. Para aqueles que olham para a televisão com um olhar mais técnico, The Sopranos foi a série que “mudou a roda”. Até antes dela, a televisão não tinha a fama que tem hoje; ela era considerada superficial e pasteurizada, com séries que repetiam fórmulas e viviam a partir das expectativas de anunciantes.

Quando a HBO decidiu começar a investir em dramaturgia, ela chamou David Chase para criar The Sopranos e Darren Star para criar Sex and the City. A partir daí, com um número de episódios menor (porém, mais longos), sem intervalos e com um ritmo textual muito mais embasado em questões psicológicas, a televisão mudou. O mafioso Tony Soprano (James Gandolfini) era um homem com um passado, uma família e ataques de ansiedade. No trabalho, ele intimidava e matava pessoas. 

A chegada da série na TV demarcou o que agora se chama de Terceira Era de Ouro da Televisão. Ela teve seis temporadas (a última dividida em duas), dezenas de prêmios, um lugar de honra na história da TV e a triste perda de seu astro, James Gandolfini, seis anos depois que a série acabou. Foi tanto sucesso que na onda de retornos da televisão americana, o máximo que David Chase topou fazer foi um longa, um prequel chamado The Many Saints of Newark, que tem o filho de Gandolfini vivendo na juventude o papel que foi do pai.

Se você quer assistir ao filme, mas maratonou a série há muito tempo e esqueceu de quase tudo, a gente está aqui para te ajudar. Abaixo temos uma lista de resumos do que aconteceu na série e que é importante saber para sentir o filme como ele merece. Se você quiser relembrar tudo com mais detalhes, o número dos episódios seguirá depois de cada informação. Com a série toda disponível no HBO Max, a gente te sugere relembrar o máximo possível ou – para os dispostos a serem novos fãs – descobrirem a tão poderosa e trágica vida dos Sopranos.

Vamos lá.

Papai Tony 

Aqueles que já conhecem a série vão lembrar disso rapidamente, mas vale a pena dar alguns detalhes de como ela começa e onde estão os personagens nesse momento. Tony é um membro importantíssimo da organização criminosa que envolve as famílias de seu núcleo. Ele é casado com Carmela (Edie Falco) e tem dois filhos adolescentes. Logo no episódio piloto, ele demonstra uma fascinação absurda por uma família de patos selvagens que procria em sua piscina. Quando essa família vai embora, ele tem o primeiro ataque de pânico e vai parar no consultório psiquiátrico da Dra Melfi (Lorraine Bracco), às escondidas, já que em sua posição não pode demonstrar fraquezas. Demora muito tempo na série para entendermos a relação entre os ataques de ansiedade de Tony e seu passado, mas a discrepância entre sua natureza humana e a crueldade de seu trabalho fica muito clara logo nesse começo. E é possível ver durante a série - em flashbacks que em parte se repetem no filme The Many Saints of Newark - que uma parcela do problema é hereditária. No episódio 3X13 da série, o filho de Tony, AJ (Robert Iler), tem seu primeiro desmaio na frente dos pais.

Tony Boss

Tony não é o chefe ainda quando a ação começa, mas Jackie Aprile Jr, o “boss em exercício” morre de câncer e a posição precisa ser ocupada. Logo Corrado Junior, irmão do pai de Tony, é eleito para o cargo, enquanto, em segredo, Tony é quem acaba sendo escolhido para dar as cartas de verdade. Isso é MUITO IMPORTANTE, porque grande parte das explosões comportamentais dentro do universo da série serão promovidas pelo acúmulo de ressentimentos. Tudo isso pode ser visto no episódio 1X04, um episódio importante também porque é nele que Tony percebe o poder da terapia sobre suas decisões e que seus filhos falam sobre o pai ser mafioso pela primeira vez.

Amado Filho Tony

Durante a primeira temporada, a personalidade narcisista e sombria de Livia (Nancy Marchand), mãe de Tony, aparece com força total. Ele, no entanto, se recusa a admitir para qualquer pessoa que ela tem defeitos e a protege envolta em uma imagem do passado. Essa relação conturbada vai ser tópico das sessões com Melfi durante muito tempo. Mas, no episódio 1X13, o último da primeira temporada, Tony descobre, estupefato, que sua própria mãe armava sua morte ao lado de Tio Júnior. É uma virada brutal, da qual Livia escapará com um derrame e Junior com a prisão. Contudo, tio e sobrinho ainda se enfrentariam mais tarde. Anos mais tarde, no episódio 6X01, Junior atira em Tony no estômago num momento de aparente demência. O ferimento é grave, deixa Tony à beira da morte e ele chega a vislumbrar o outro lado; e como teria sido se tivesse escolhido outro caminho para a própria vida.

Uncle Tony

Também é no episódio 4 da primeira temporada que Tony e seu “sobrinho” Christopher (Michael Imperioli) tem seu primeiro desentendimento. É um desentendimento que também estabelece uma relação paternalista entre os dois; e que será muito importante para entender os eventos do prequel. Christopher é filho de Dickie Moltisanti, primo de Carmela, na verdade. Ele cresceu idolatrando a figura do pai mafioso e seu maior sonho era que fosse aceito como membro da “família” e acolhido cada vez mais como “filho” de seu primo Tony (chamando-o de tio, inclusive). Tony era, supostamente, a pessoa preferida de Dickie. Christopher também nunca soube como o pai foi assassinado, até que no episódio 4X01 da série, Tony oferece a ele a chance de se vingar do assassino, levando o sobrinho até o lugar onde estaria o homem que Chris procurou tanto a vida toda. Os fãs da série nunca souberam se a história contada por Tony nesse episódio era verdadeira; e o prequel The Many Saints of Newark responde essa pergunta.

Tony e seu sobrinho, Cristopher
Divulgação

Tony, Irmãozinho Querido

A chegada da irmã mais velha de Tony, Janice (Aida Turturro) na série acontece no episódio 2X01, logo no começo da segunda temporada. Poderíamos citar vários episódios em que Janice mostra todo seu poder de desastre, mas nenhum episódio deixa tão clara a dinâmica da Família Soprano do que no episódio 7X01 (ou o primeiro da sexta temporada, parte 2). É um episódio todo focado apenas em Tony, Carmela, Janice e o marido Bobby (Steve Schirripa). Eles vão até uma cabana no lago passar um fim de semana e lá, em um jogo de Monopoly regado de muito álcool e piadas insensíveis, a força da ira e do desrespeito que constituem o sangue dos Sopranos vem à tona numa sequência impressionante. É um dos melhores episódios da história da televisão.

Tony, O Personagem

Para entender o tamanho do buraco em que se transforma a relação entre Tony e Christopher, alguns episódios são emblemáticos. E essa relação é importante, porque só vamos entender as raízes dela no filme. Pois bem, durante cinco anos, Christopher namorou Adriana (Drea de Matteo), uma das personagens mais amadas do público. Durante as temporadas, Chris acabava sempre sentindo como se Tony não tivesse por ele a mesma consideração que ele dedicava ao tio. Além disso, como se pode ver no episódio 2X05, ele chegou a tentar uma carreira como ator tendo aulas de interpretação. A relação entre ele e Tony foi se deteriorando, até o ponto em que Tony e Adriana sofreram um acidente de carro, no episódio 5X05; e rumores de que ela estava fazendo sexo oral no chefão na hora do acidente começaram a se espalhar. Quase imediatamente a esse evento, Adriana se revela como informante do FBI e pede ao amado para fugir com ela. Christopher decide contar a verdade à Tony e Adriana termina assassinada, no episódio 5X12. A realidade de ter escolhido Tony à mulher que amava passa a perseguir Christopher, que se associa a um estúdio de filmes B e produz um longa contando sua história do ponto de vista do horror. No episódio 7X02 (ou o segundo da sexta temporada parte 2), Tony assiste a uma versão caricata de si na tela do cinema e a tensão entre ele e Chris vai se tornando irreversível.

Tony: Inimigo Íntimo

O episódio 7X06 (ou o sétimo da sexta temporada parte 2) começa como um episódio absolutamente comum. Tony e Chris dirigem voltando de um compromisso de trabalho e um acidente acontece. O carro capota algumas vezes, mas Tony consegue sair sem ferimentos graves. Christopher também sobrevive, mas está com ferimentos mais profundos. Ele pede ao tio, ao homem que viu como pai por anos, ao homem que escolheu ser leal até o fim, ao homem que era o ser humano mais querido por seu pai quando ele era vivo, que ligue para a emergência. Tony até abre o celular para pedir socorro, mas muda de ideia e vê ali, naquele momento, a chance de se livrar do fedelho cheio de juventude, cheio das mulheres mais lindas, petulante, perigoso e que ainda havia tirado sarro do chefe da família num filme de quinta categoria que nem nos cinema estreou. Ele, então, aperta as narinas de Christopher e o sufoca. Christopher, filho de Dickie Moltisanti, o homem que Tony mais amou na vida (mais que o próprio pai), é asfixiado e morre engasgado no próprio sangue.

Don’t Stop Believing

Durante o filme The Many Saints of Newark, algumas cenas e flashbacks são reproduzidos de histórias que ouvimos serem contadas na série. Tudo isso é fan service e não interfere no entendimento do espectador. O mais importante é saber como era a relação de Tony com a família, com a mãe e com o sobrinho Christopher. Esses são os elementos que guiam sua juventude. Mas, o último episódio da série – "Made in America" – precisa ser visto na íntegra, não tanto por como se fecham os ciclos dos personagens (já que não veremos uma continuação), mas porque é necessário ter em mente o destino que encontra Tony quando ele entra na lanchonete Holsten’s, na sequência final da série. O filme que conta sua juventude também fala sobre o impacto de pequenas decisões ou tristes coincidências que acabam responsáveis pelo efeito borboleta de toda uma vida. Nosso conselho é: assista ao último episódio, preste toda atenção do mundo nesta última cena e depois veja o filme. É assim que a genialidade de David Chase te domina mais uma vez. 

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.