Hiroyuki Sanada na minissérie Xógum

Créditos da imagem: Divulgação

Séries e TV

Artigo

Deslumbrante, Xógum evoca Game of Thrones para fazer um épico com pés no chão

Minissérie do Star+ prepara o terreno para um drama de guerra colossal

Omelete
4 min de leitura
28.02.2024, às 18H29.
Atualizada em 28.02.2024, ÀS 18H46

À primeira vista, Xógum: A Gloriosa Saga do Japão nada tem a ver com produções de fantasia a la Game of Thrones. Situada no Japão do século 17, a nova minissérie do Star+ é um drama que mantém os pés no chão ao respeitar os registros históricos de uma época na qual as nações eram dominadas por guerras e religião - sem o uso de dragões cuspidores de fogo ou magos com o poder de ressuscitar pessoas.

Embora não se lave nas águas dos contos fantásticos, Xógum tem tudo a ver com as obras de George R.R. Martin. Segunda adaptação do best-seller escrito por James Clavell, a minissérie ilustra uma história épica envolvendo política, religião, traições e guerra - todos elementos essenciais que ajudaram a fazer Game of Thrones um marco da cultura pop.

Já disponíveis na plataforma, os dois primeiros episódios dão apenas um vislumbre de uma narrativa que parece aumentar em escala a cada cena. A trama começa com um navio inglês liderado pelo piloto protestante John Blackthorne (Cosmo Jarvis), que deixou a Europa com a missão de encontrar (e conquistar) o tão famoso império oriental que ajudou Portugal a aumentar o seu poder econômico e bélico. Antes uma armada com dezenas de navios, a companhia de Blackthorne chega à costa japonesa com apenas 12 tripulantes prestes a sucumbir para a fome e a sede.

Resgatados por soldados de um pequeno vilarejo, o grupo liderado por Blackthorne logo percebe que a realidade em terras japonesas não será fácil. Não apenas pela população local os verem como bárbaros, mas também pela grande influência portuguesa entre eles. Ao chegarem ao Japão, os colonizadores de Portugal fortaleceram o comércio entre os reinos e os apresentaram ao cristianismo, estreitando os laços políticos com a perigosa influência religiosa.

O maior problema, no entanto, é que o grupo de Blackthorne aportou no Japão em um dos momentos mais tensos da história do país: Taiko, o governante local, morreu recentemente, deixando um herdeiro muito jovem para governar. Ciente da situação, o antigo mandatário formou um conselho com cinco senhores regentes para atuarem como governantes interinos, mas as tensões entre eles ameaçam eclodir uma guerra total.

No centro desta disputa política está o lorde Yoshii Toranaga (Hiroyuki Sanada), herói de guerra e estrategista que ficou responsável pela criação do jovem herdeiro Yaechiyo (Sen Mars). Considerado o mais próximo de assumir a posição de novo xogum, Toranaga é mal visto por seus pares, que sob a liderança do ambicioso lorde Ishido Kazunari (Takehiro Hira), armam um complô para prendê-lo e executá-lo.

As semelhanças entre Toranaga e Ned Stark (Sean Bean) é apenas um dos ingredientes que fazem de Xógum um épico nos moldes de Game of Thrones. Os episódios iniciais funcionam como a semente de um conflito de larga escala prestes a explodir, e cada peça do tabuleiro é essencial para a definição de quem sairá vencedor no final.

Em desenvolvimento desde 2018, a minissérie é uma das grandes favoritas a se tornar a principal produção do ano. A primeira adaptação, lançada em 1980, foi um marco de sua geração ao vencer três Emmys, entre 14 indicações. A responsabilidade parece enorme, mas o meticuloso trabalho dos showrunners Rachel Kondo e Justin Marks mostra que o remake está no caminho certo ao não entregar tudo de bandeja ao espectador. Cada detalhe e informação importa, tornando-se impossível assistir à atração com o celular na mão.

Sem grandes sequências de ação neste início, Xógum hipnotiza pela construção de um mundo que, apesar de ter existido séculos atrás, apresenta problemas que são atuais em 2024. O preconceito e a xenofobia entre os povos dão o tom da relação entre Blackthorne e seus “aliados-rivais” japoneses e portugueses. Embora doa na espinha do espectador brasileiro ver os atores da série usando o vocabulário inglês para se referir ao português, ver uma produção com tamanha qualidade se sobrepõe a qualquer birra que isso possa causar.

No que depender de seus episódios iniciais, Xógum: A Gloriosa Saga do Japão chega para ser a nova série imperdível do streaming. Com drama, humor e um visual deslumbrante, há ingredientes o bastante para agradar a todos.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.