Segunda Chamada celebra equipe liderada por mulheres: “Faz muita diferença”

Créditos da imagem: Débora Bloch em Segunda Chamada (Globo/Maurício Fidalgo)

Séries e TV

Artigo

Segunda Chamada celebra equipe liderada por mulheres: “Faz muita diferença”

Durante filmagens atrapalhadas pela pandemia, liderança feminina foi essencial para colocar série no ar

Caio Coletti
13.09.2021
13h47

Em mais de 30 anos de carreira na televisão, Débora Bloch nunca esteve em uma equipe tão dominada por mulheres quanto a de Segunda Chamada. Falando em coletiva de imprensa acompanhada pelo Omelete, a atriz contou por que isso faz a diferença, e comentou a evolução da indústria do entretenimento do país desde sua estreia nas telinhas, em 1980.

Ao longo da minha carreira, eu fui vendo as mulheres ocupando espaços onde elas não estavam. Quando eu comecei a trabalhar na TV, não tinha nenhuma diretora mulher, nem me lembro de autoras mulheres nos meus projetos. As mulheres foram chegando nesses lugares depois, e isso fez muita diferença para nós, atrizes”, disse. “Ter mulheres escrevendo e mulheres dirigindo faz vir um outro olhar, que coloca as personagens femininas em um outro lugar. São mulheres mais diversas, em lugares mais diversos, é um outro tipo de protagonismo”.

No caso de Segunda Chamada, as principais mulheres por trás das câmeras são as criadoras e roteiristas Júlia Spadaccini e Carla Faour, que por suas vezes chamaram a diretora Joana Jabace para completar a equipe. “Desde que pensamos na série, queríamos muito chamar uma diretora mulher para estar do nosso lado”, revelou Júlia. “Acho que isso tem uma força de reparação, de certa forma, porque são tantos anos em que [as mulheres foram discriminadas], se você for ver a história da dramaturgia, em todos os meios”.

Acho que estamos fazendo uma revolução, porque as mulheres estão cada vez mais em lugares onde podem ter voz, colocar suas temáticas, seu ponto de vista, seu olhar. É uma sorte termos esse olhar que é, sim, feminino, porque nós temos vivências diferentes [dos homens]”, completou a roteirista. Carla, sua parceria na criação, emendou explicando como temas como aborto, maternidade e feminicídio - este último especialmente na segunda temporada - surgem naturalmente durante a criação das histórias de Segunda Chamada.

Cena de Segunda Chamada (Globo/Fábio Rocha)

O curioso é que eu e Júlia não decidimos: ‘Ah, vamos falar sobre assuntos femininos’. Não, esses temas surgem porque estão presentes na nossa vida, então eles naturalmente vão para a ficção”, comentou. “Esse é um diferencial [de ter autoras mulheres]: os temas femininos, que às vezes não chegavam nas telas, agora chegam com mais facilidade, de forma mais orgânica”.

Joana Jabace elaborou a forma como essas ideias saem do papel. “Nosso trabalho, de diretor ou diretora, é muito subjetivo. A gente coloca o que a gente é, o tempo todo, no trabalho .[...] O fato de eu ser mulher faz diferença por isso, porque são as minhas experiências femininas que estão ali”, disse. “Eu nunca tentei fazer disso um panfleto, acho que a série nem precisa ou carece disso, mas é um olhar de uma diretora mulher, fazendo um texto de duas autoras mulheres”.

As mulheres de Segunda Chamada ressaltam que isso não significa que o input criativo dos homens da equipe (atores, diretores de episódios etc) não é bem-vindo, ou que profissionais de um gênero ou outro são inerentemente melhores ou piores. “Eu já trabalhei com diretores homens maravilhosos, e autores homens maravilhosos. Não estou dizendo que é melhor, mas é diferente”, comentou Débora. “É interessante olhar, ao longo da minha trajetória, como isso foi se transformando, e como é prazeroso estar em uma equipe liderada por mulheres… inclusive para os homens”.

Filmagens na pandemia

Cena de Segunda Chamada (Globo/Fábio Rocha)

A segunda temporada de Segunda Chamada começou suas filmagens em fevereiro de 2020, apenas dois meses depois do fim da exibição da primeira. A produção, encomendada a toque de caixa pela Globo graças ao sucesso dos episódios iniciais, foi obrigada a parar em março, como toda a indústria do entretenimento, por causa da pandemia do coronavírus - e só voltou em novembro, ainda hesitantemente, acompanhando o relaxamento e endurecimento das medidas restritivas em São Paulo, onde Segunda Chamada é gravada, durante todo o período de incerteza da crise sanitária.

Esses obstáculos levaram a uma reformulação da estrutura da temporada, que inicialmente estava prevista para 12 capítulos, e acabou saindo com apenas 6. As roteiristas garantem que conseguiram contar tudo o que pretendiam inicialmente neste tempo mais limitado, resultando em episódios mais “intensos” do que os originais. Como Débora Bloch definiu: “Não tem como não ter se transformado depois dessa pandemia, porque foi algo muito forte na vida de todos nós. [...] Sobretudo nessa questão de olhar para o outro, de entender nossa responsabilidade no mundo, de repensar como a gente está vivendo”.

Falando sobre o desafio de gravar na pandemia, a diretora Joana Jabace detalhou o protocolo de segurança da Globo. Além do uso de máscara obrigatório no set e da higienização rigorosa antes e depois das gravações, toda a equipe passava diariamente por testes rápidos de covid-19 (os de antígeno), enquanto dois testes adicionais por semana (estes de PCR) eram administrados nos atores e naqueles que trabalhavam em contato direto com eles - afinal, eram os únicos que não podiam usar máscaras durante a gravação das cenas.

Cena de Segunda Chamada (Globo/Fábio Rocha)

A pandemia ainda está aí, principalmente no Brasil, mas hoje temos uma diferença em relação ao ano passado: a gente sabe que, com um bom protocolo, conseguimos filmar”, comentou Joana, apontando que Segunda Chamada não teve nenhum caso de covid-19 registrado entre a equipe. A gente brincava que era mais seguro estar no set do que em casa, por causa da rigidez das medidas de proteção”.

A crise sanitária também significa que uma possível terceira temporada de Segunda Chamada está longe da cabeça da equipe. “Tomara [que tenhamos] - mas, como eu disse, entregamos os episódios finalizados da segunda temporada [dois dias antes da estreia], após dois anos de produção, então talvez seja cedo para começar a pensar na terceira. Mas tomara que sim”, torceu Joana.

A segunda temporada de Segunda Chamada está disponível para streaming no Globoplay.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.