Foto de See

Créditos da imagem: See/Apple/Divulgação

Séries e TV

Artigo

See | Série com Jason Momoa inova ao apresentar futuro distópico intrigante

Produção mostra que humanos não são mais capazes de enxergar

Camila Sousa
06.11.2019
19h17

Há muitas décadas o cinema e a TV apostam em histórias com futuro pós-apocalíptico. Com isso, o gênero ficou saturado, com várias produções que repetem revoluções de máquinas, regimes totalitários e etc. Logo, é interessante quando aparece um série como See, do streaming Apple TV+ e com Jason Momoa no elenco. A trama é situada dois séculos após um vírus matar grande parte da humanidade. Quem sobrou ficou cego e, desde então, a habilidade de enxergar deixou de existir entre os humanos. Aliás, a visão se tornou um tabu sobre o qual é proibido falar.

Com isso, ao invés de um futuro cheio de tecnologias, See apresenta uma sociedade tribal. Após tanto tempo, as pessoas já se adaptaram a um novo estilo de vida sem a visão e voltaram para a natureza, retirando o sustento da terra e se estabelecendo em áreas que oferecem proteção. Para quem tem deficiência visual ou conhece alguém que tenha, alguns pontos são reconhecíveis. Sem a visão, por exemplo, todos os outros sentidos se tornam mais aguçados. A humanidade usa agora a audição, o tato e o paladar para sobreviver. A comunicação é feita em colares com contas e nós, que lembram muito o braile. 

As cenas de ação, em que Momoa naturalmente se sobressai, também são interessantes de assistir. O som é o principal aliado e os ataques são mais lentos e estratégicos. Saber onde o inimigo está e esconder sua própria localização é a chave para não perder alimentos e territórios. Embora isso esteja bem resolvido na série, há alguns momentos que incomodam. Os cenários naturais de See são deslumbrantes e isso torna cenas em computação gráfica extremamente destoantes. Elas não são muitas, mas o uso da tecnologia é muito óbvio e incomoda.

O outro ponto não é exatamente um defeito, mas um questionamento. Os personagens da série ainda mantém alguns trejeitos nos olhos, como piscadas e mexidas. Pelo que foi apresentado até agora, eles não são capazes nem de perceber pontos de luz, o que causa estranheza sobre tais movimentos. No entanto, a realidade mostrada pela série é tão distante, que não é possível afirmar com certeza se isso está errado ou não. 

Há uma realeza na sociedade de See, comandada pela rainha Kane (Sylvia Hoeks), a maior interessada em manter a visão como tabu. Até o terceiro episódio, suas reais intenções não ficam claras e a atuação de Hoeks é exagerada e fora do tom. Será interessante ver o desenvolvimento da personagem para saber se há algum motivo para isso, ou é apenas um problema do roteiro.

Visão e conhecimento

A problemática de See começa com a apresentação de Jerlamarel (Joshua Henry), única pessoa no mundo capaz de enxergar. Por isso, ele é tido como um herege e caçado por capangas da rainha Kane. O perigo aumenta quando ele tem dois filhos, que também têm a visão. Pelo que foi apresentado até agora, Jerlamarel é um dos únicos que sabe como era a sociedade antes do vírus mortal e seu objetivo é fazer com que todos conheçam como era esse mundo. Para concluir tal objetivo, ele dá livros para que os filhos aprendam a ler e saibam sobre história, ciência, matemática, etc.

Tal motivação abre espaço para vários questionamentos ainda não revelados. Por que ele tem tal desejo? E por qual motivo a realeza dessa realidade tem medo da verdade? See indica que há uma conspiração muito maior para afastar o conhecimento das pessoas, para que elas continuem acreditando que seu modo de vida é o único que existe. Indo além, há a dúvida sobre como os filhos de Jerlamarel vão utilizar sua visão. Enquanto a capacidade é vista como um milagre por alguns, ela também pode ser usada para o mal, caso algum deles deixe essa sensação de “poder” tomar conta de suas decisões.

O papel de Jason Momoa na série não é exatamente de protagonismo, mas tem sua importância. Ele é o chefe do grupo em que os filhos de Jerlamarel nascem e por isso tem contato direto com os jovens que podem enxergar. Ele cumpre a função de ser o comandante do local e, como dito acima, apresenta um modo de batalha interessante de assistir. Pelo que foi apresentado até agora, ele tem um papel interessante em todas as conspirações que estão acontecendo e Momoa entrega bons momentos de atuação ao lado das crianças e das mulheres mais velhas do grupo, consideradas mais sábias do que os demais.

See só teve três episódios até agora, mas é uma série que promete momentos interessantes. Ainda que a temática de “esconder o conhecimento para ter poder” seja ligeiramente repetida, a forma que a Apple escolheu para contar a história abre espaço para algo inédito. No meio de tantos lançamentos e streamings, é sempre bom quando alguma produção traz um cenário inédito, com muito para ser explorado.