Os 50 anos de Scooby-Doo

Créditos da imagem: Divulgação/Warner Bros.

Séries e TV

Notícia

Os 50 anos de Scooby-Doo

Como Frank Sinatra e a violência na TV ajudaram a criar um dos maiores desenhos animados de todos os tempos

Gabriel Avila
13.09.2019
18h57

Há exatos 50 anos, em 13 de setembro de 1969, foi ao ar o primeiro episódio de Scooby-Doo, Where Are You!, série animada que trazia um cachorro e seus amigos adolescentes investigando misteriosos casos em aventuras que misturam horror e comédia. Cinco décadas depois, o “cachorro idiota e os garotos enxeridos” já estrelou vários desenhos animados, ganhou filmes em live-action, HQs e protagonizou encontros inusitados com grandes ícones da cultura pop. Muito celebrado por equilibrar comédia e mistério com pequenos toques de horror, o desenho tem uma grande importância por dar nova vida às animações, que viviam um período tumultuado.

A violência se tornou um assunto muito debatido nos EUA no final da década de 1960. Graves acontecimentos como a Guerra do Vietnã e o crescimento da criminalidade fez com que a sociedade passasse a se prestar mais atenção em como a cultura abordava esse polêmico assunto. A discussão chegou aos desenhos animados, citando diversos exemplos sobre como a programação poderia afetar as crianças, como assistir à protagonistas fumando e bebendo (Tom e Jerry), praticando racismo (Pernalonga) e por fim a violência. Um dos estúdios mais prejudicados foi Hanna-Barbera, que teve diversos de seus programas, como Space Ghost e Herculoides, cancelados no ano de 1968 devido a acusações de serem entretenimento vazio, que só mostram super-herois lutando contra vilões. Em busca de um novo sucesso, a empresa decidiu criar um programa cujo enredo envolveria mistérios, investigações e pessoas vestidas como monstros.

A ideia original era surfar na popularidade do desenho A Turma do Archie, sucesso da concorrente Filmation, que acompanhava a rotina da The Archies, uma banda formada por adolescentes. Fred Silverman, um executivo da Hanna-Barbera, deu a ideia de criar uma animação baseada em uma banda que resolvia mistérios em suas horas vagas. Para emplacar um sucesso, ele procurou o próprio Joseph Barbera, que não conseguiu desenvolver uma história e transferiu a responsabilidade de criar uma nova atração aos roteiristas Joe Ruby e Ken Spears e o designer Iwao Takamoto. O primeiro resultado foi Mysteries Five (Os Cinco Misteriosos em tradução livre), que acompanhava uma banda formada por cinco adolescentes e seu cachorro Too Much (Demais em tradução livre). Originalmente o animal seria um Cão Pastor, mas por medo de comparações com Marmanduke, sua raça foi trocada para dogue alemão. Uma série de modificações foram feitas, como cortar um dos personagens, mudança na personalidade dos que continuaram e por fim o título se tornou Who's S-S-Scared? (Quem tem m-m-m-edo? em tradução livre). Após mais algumas reformulações para adicionar comédia, a atração estava próxima de ser aprovada até que Frank Sinatra cruzou o caminho da animação.

Durante o início da produção, Fred Silverman estava em um voo quando ouviu a canção "Strangers in the Night", de Frank Sinatra. No fim da faixa, o cantor começa a cantarolar "doo-be-doo”. Com a melodia em sua mente, o executivo decidiu renomear o cachorro para Scooby-Doo, e por consequência a série se tornou Scooby-Doo, Where Are You!. Em seu primeiro episódio, Scooby e Salsicha voltam do cinema por uma sombria estrada quando avistam uma caminhonete abandonada cuja única ocupante era uma armadura vazia. Curiosos a respeito de quem seria o veículo, Fred descobre que a carga pertence a um museu cujo pesquisador, Jameson Hyde White, está desaparecido e conhecem a lenda do Cavaleiro Negro, uma armadura que ganha vida na lua cheia. Decididos a encontrar Hyde White, o grupo tem diversos encontros com o Cavaleiro até descobrir que se tratava do Sr. Wickles, o curador do museu, que contrabandeava obras de arte e sequestrou o professor por medo de que ele denunciasse seus golpes.

Divulgação/Warner Bros.

A primeira aparição do grupo trouxe várias das características que tornou a atração tão querida, como um grupo de personagens divertidos, trocadilhos, piadas sobre comida e o temperamento medroso de Scooby Doo. Desde então, os personagens estrelaram diversos derivados como O Pequeno Scooby-Doo, e novas séries que vão até os dias atuais. A turma voltou a ganhar grande destaque em 2016, quando a DC Comics passou a publicar Scooby Apocalypse, uma HQ que modernizou a turma ao adicionar uma trama tecnológica e apocalíptica ao clima de horror da franquia. Ao longo de seus 50 anos, a atração segue angariando fãs, provando que resolver mistérios através da comédia não sai de moda.