Séries e TV

Artigo

Objetos Cortantes | Nova série da HBO trata do psicológico em trama sombria

Obra de Gillian Flynn com direção de Jean-Marc Vallée segue ritmo investigativo

Julia Sabbaga
07.07.2018
18h00
Atualizada em
08.07.2018
11h05
Atualizada em 08.07.2018 às 11h05

Apesar de parte da audiência esperar um drama como Big Little Lies, e outra parte aguardar um suspense como o longa Garota Exemplar, a nova série da HBO, Objetos Cortantes, segue uma narrativa totalmente diferente. A nova promessa do canal para o segundo semestre de 2018 traz Jean-Marc Vallée, revelação na direção de Big Little Lies, comandando a história de Gillian Flynn, autora de Garota Exemplar, mas caminha em um passo mais próximo a True Detective, envolto por um clima noir que remete à Jessica Jones.

O livro de estreia de Flynn, lançado em 2006, é um relato sombrio que explora comportamentos complexos e bizarros do ser humano. Contando a história de Camille Preaker, uma repórter forçada por seu editor a retornar à sua cidade natal para investigar um assassinato e o desaparecimento de duas adolescentes, Flynn descreve a sua primeira protagonista feminina transtornada. Camille lida com seus traumas através da auto depreciação, e aos poucos revela suas causas principalmente pela relação com sua mãe, Adora. Na investigação dos crimes de Wind Gap, a protagonista se aprofunda nas turbulências de uma comunidade aparentemente pacata e analisa as cruéis realidades de sua própria família.

Na produção da HBO, o primeiro (e possivelmente o maior) acerto está no elenco. Com Amy Adams no papel principal e Patricia Clarkson como a matriarca da família, Objetos Cortantes de cara envolve pelo peso de suas estrelas. Grandes nomes de suas gerações, Adams e Clarkson carregam as cenas com o apoio de Chris Messina, Matt Craven e a ótima Sophia Lillis, no papel da jovem Camille.

Durante os dois primeiros episódios, o público acompanha os passos na investigação de Camille em Wind Gap e seu confronto inicial com o misterioso passado de sua família. Ao retratar a conexão da protagonista com os complexos personagens da cidade, dois outros nomes do elenco se destacam; Elizabeth Perkins rouba a cena como a desajustada Jackie, e a iniciante Eliza Scanlen, meia-irmã de Camille, brilha no papel da adolescente ambígua, o foco em potencial da temporada de oito episódios.

Logo de início, a série estabelece um ritmo desapressado, focando mais na construção dos relacionamentos do que nos desenvolvimentos de seu suspense. A produção faz um ótimo trabalho em apresentar aos poucos as mais profundas camadas de Camille, enquanto investiga também os níveis da cidade, como se cada um dos aspectos que constroem a personagem fosse atribuído a um trauma de sua infância. Neste sentido, Objetos Cortantes promete ser uma série muito mais centrada no psicológico, com as pequenas intrigas de sua comunidade funcionando como uma extensão da dimensão humana.

Jean-Marc Vallée, mais uma vez, traz o forte desejo de caracterizar suas personagens através da música e, assim como fez em Big Little Lies, raramente usa trilha sonora como pano de fundo. Camille é embalada constantemente por suas próprias escolhas musicais, mecanismo que serve para entregar nas mãos da protagonista o controle de parte de sua narrativa. No desenrolar da trama, porém, a série vai saindo das mãos de Camille, e deve continuar mais neste sentido em seus próximos episódios.

O desafio de agora em diante é engrenar em um ritmo que crie mais empatia por seus personagens. Por mais que a produção explore camadas, ela não conseguiu, até o segundo capítulo, criar um envolvimento real com nenhum de seus protagonistas, em grande parte pelo clima noir, que foca mais na apatia humana do que em suas forças. Se o drama fracassar em estabelecer uma relação com sua audiência, pode se tornar entediante, apesar do potencial do elenco e de seus papéis.

Objetos Cortantes é uma aposta curiosa da HBO e grande parte do seu valor está no ineditismo. Ao invés de se apoiar no sucesso recente, a emissora inova ao trazer um gênero completamente diferente, que pode desapontar quem espera um novo Big Little Lies. Com quase nenhum humor e muito peso na escuridão, Objetos Cortantes se direciona para um universo mais perturbador que, se não pecar pela vagarosidade, pode engatar em um ótimo thriller psicológico.

Objetos Cortantes estreia em 8 de julho, às 22h, na HBO.