Cena de O Simpatizante (Reprodução)

Créditos da imagem: Cena de O Simpatizante (Reprodução)

Séries e TV

Lista

10 séries e minisséries de diretores de cinema consagrados

O Simpatizante, de Park Chan-wook, não é a única da seara

Omelete
1 min de leitura
04.05.2024, às 06H00.

O Simpatizante está conquistando o público semana a semana na HBO, mas pudera: a série é cocriada por Park Chan-wook, o magistral cineasta sul-coreano conhecido por filmes como Oldboy, A Criada e Decisão de Partir. Além de assinar os roteiros ao lado de Don McKellar, Park assina a direção dos três primeiros capítulos da série - e isso faz a diferença, viu? Quem conferiu o faro visual e o ritmo impecável dos episódios em questão sabe do que eu estou falando.

Mas o diretor Park não é o primeiro grande autor de cinema a se arriscar na telinha (na verdade, esta não é nem a primeira série dele, como bem sabem os fãs da ótima The Little Drummer Girl). Abaixo, reunimos outras produções televisivas de cineastas mais conhecidos por suas contribuições ao cinema.

The Knick (2014-2015)

De: Steven Soderbergh.

Onde ver: Disponível na Max.

A afinidade de Park pela televisão só é superada pela de Steven Soderbergh (Onze Homens e um Segredo, Traffic, Magic Mike), que achou na telinha e no streaming um espaço mais receptivo às suas inovações de formato. O filho primogênito desse casamento foi The Knick, um drama hospitalar bem diferente de Plantão Médico e Grey’s Anatomy, estrelado por Clive Owen como um cirurgião em atividade durante momento pivotal para grandes descobertas da medicina, o início do século XX. Soderbergh voltou à TV em Mosaic (2018) e Círculo Fechado (2023), ambas também disponíveis no catálogo da Max.

We Are Who We Are (2020)

De: Luca Guadagnino.

Onde ver: Disponível na Max.

Em alta pelo sucesso de Rivais nos cinemas, Luca Guadagnino (Me Chame Pelo Seu Nome, Suspiria) iluminou os primeiros meses da pandemia de covid-19 com o lançamento da sua série We Are Who We Are. Uma narrativa de ritmo hipnotizante sobre um grupo de adolescentes (incluindo o sempre brilhante Jack Dylan Grazer) se descobrindo em uma base militar na Itália, a produção tem um final lindo de morrer, uma performance musical (!) de Francesca Scorsese (!!), e uma atuação tipicamente cativante da brasileira Alice Braga (!!!). Quem precisa de mais?

Top of the Lake (2013-2017)

De: Jane Campion.

Onde ver: Disponível na Max.

Anos antes de finalmente vencer o Oscar, por Ataque dos Cães, Jane Campion (O Piano) escalou uma Elisabeth Moss pré-The Handmaid’s Tale para este thriller atmosférico sobre o desaparecimento de uma adolescente grávida em uma cidade remota na Nova Zelândia. É, como de costume para a cineasta, uma obra sanguínea e cheia de entrelinhas complexas, atuada com garra por gente do calibre de Moss, Peter Mullan e Holly Hunter. Quatro anos depois da conclusão, Top of the Lake voltou para uma segunda temporada que até adicionou Nicole Kidman a essa equação.

Muito Velho Para Morrer Jovem (2019)

De: Nicolas Winding Refn.

Onde ver: Disponível no Prime Video.

Outro cineasta que encontrou uma casa acolhedora na TV foi o dinamarquês Nicolas Winding Refn (Drive, Demônio de Neon), que nunca exatamente se encaixou em Hollywood com seu lado provocador e suas tendências visuais caleidoscópicas. Em Muito Velho Para Morrer Jovem, enquanto isso, ambos os elementos caíram muito bem. Esse neo noir de elenco estrelado (Miles Teller, Jena Malone, Nell Tiger Free, John Hawkes) se mostrou vital o bastante para render a Refn uma segunda produção televisiva: Copenhagen Cowboy, que saiu em 2023 pela Netflix.

Now Apocalypse (2019)

De: Gregg Araki.

Onde ver: Disponível na MGM+.

Se você não conhece Gregg Araki (Geração Maldita, Mistérios da Carne), bom… você não sabe o que está perdendo. Ícone do novo cinema queer dos anos 1990, o cineasta trouxe a sua sensibilidade deliciosamente vulgar para Now Apocalypse, série totalmente fora da caixinha sobre um grupo de amigos em Los Angeles lidando com uma invasão alienígena muito mais… ahmexcitante do que o costume. Tristemente cancelada ainda no primeiro ano, a produção segue sendo uma pérola que merece ser descoberta.

Twin Peaks (1990-2017)

De: David Lynch.

Onde ver: Temporadas originais somente em mídia física, O Retorno no Paramount+.

Muito antes dessa moda de diretores de cinema fazendo séries, David Lynch (Veludo Azul, Duna) foi para a telinha e fez história com Twin Peaks. O mistério surrealista sobre uma cidadezinha assombrada pelo assassinato da jovem e linda Laura Palmer (Sheryl Lee) teve duas gloriosas temporadas nos anos 1990 - a maior parte delas sem o criador Lynch na direção. Mas, quando o revival aconteceu, em 2017, o cineasta adotou uma abordagem mais direta, assinando ele mesmo cada um dos capítulos. O resultado, apontaram os críticos e os fãs, foi uma obra-prima.

Sense8 (2015-2018)

De: Lana & Lilly Wachowski

Onde ver: Disponível na Netflix.

Se, no cinema, o idealismo e o formalismo das irmãs Wachowski nunca realmente decolou depois de Matrix (embora Speed Racer siga sendo uma obra-prima injustiçada), na TV elas reuniram uma multidão de fãs com Sense8. A produção de ficção científica sobre um grupo de indivíduos espalhados pelo mundo que dividem uma conexão psíquica única escancarou a narrativa de inclusão, empatia, amor e liberdade sexual pregada pelas Wachowski, e de quebra impulsionou a carreira de astros como Bae Doona, Jamie Clayton, Tuppence Middleton e Max Riemelt.

Ela Quer Tudo (2017-2019)

De: Spike Lee.

Onde ver: Disponível na Netflix.

Spike Lee (Faça a Coisa Certa, Infiltrado na Klan) dirigiu 19 episódios de televisão - e muito menos gente do que deveria assistiu. Ela Quer Tudo ficou abaixo do radar de grandes hits da Netflix quando foi lançada, entre 2017 e 2019, mas a verdade é que a expansão do longa de 1986 do próprio Lee, sobre uma mulher e os três casos de amor que ela se vê equilibrando, é tão vívida e interessante quanto qualquer filme do cineasta. E DeWanda Wise é uma superestrela nata.

The Get Down (2016-2017)

De: Baz Luhrmann.

Onde ver: Disponível na Netflix.

Outro cineasta um pouco extravagante demais para os gostos da Hollywood contemporânea, Baz Luhrmann (Moulin Rouge!, Romeu + Julieta) teve um grande retorno às telonas com Elvis, mas antes se refugiou no streaming com The Get Down. Tipicamente musical e tipicamente agridoce em suas histórias de amor, a série acompanha o nascimento do hip hop, da disco music e do punk na Nova York dos anos 1970. Justice Smith, Shameik Moore, Yahya Abdul-Mateen II e Jaden Smith tiveram grandes papéis aqui.

Devs (2020)

De: Alex Garland.

Onde ver: Disponível no Star+.

Pois é, o cara responsável por Guerra Civil e Ex Machina, entre outros filmes que polarizaram discussões nos últimos anos, fez uma baita minissérie. Devs é Alex Garland em seu melhor: uma narrativa propulsiva, com personagens belamente coloridos e interpretados (Sonoya Mizuno precisa de mais papéis, Hollywood!), cheia de questionamentos urgentes. Abordando inteligência artificial e livre arbítrio com um escopo poético de tirar o fôlego, a produção merece muito ser descoberta pelos fãs do diretor.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.