Mindhunter: entenda os Assassinatos de Crianças de Atlanta, foco da 2ª temporada

Créditos da imagem: Mindhunter/Netflix/Divulgação

Séries e TV

Artigo

Mindhunter: entenda os Assassinatos de Crianças de Atlanta, foco da 2ª temporada

Apesar de um suspeito preso, caso nunca foi oficialmente fechado

Julia Sabbaga
16.08.2019
16h05

A segunda temporada de Mindhunter estreia hoje na Netflix e traz foco em uma série de assassinatos que aconteceram em Atlanta entre os anos de 1979 e 1981. Conhecidos como os "Assassinatos de Crianças de Atlanta", o caso diz respeito à morte de ao menos 20 garotos, 2 garotas e seis jovens, todos negros. 

O primeiro assassinato aconteceu em 1979, quando dois garotos - Edward Hope Smith, 14, e Alfred James Evans, 13 - desapareceram, com um intervalo de quatro dias entre os sumiços. Em 28 de julho, eles foram encontrados em áreas próximas, um morto por um tiro e outro estrangulado. Os dois assassinatos foram apenas o início de uma série de mortes, com mais dois garotos, um de 14 e um de 9 anos, encontrados ainda em 1979. 

Em 1980, foram mais 13 crianças foram assassinadas e encontradas em áreas abandonadas ou remotas de Atlanta, todas entre as idades de 9 a 16 anos. As investigações continuavam sem nenhum suspeito, enquanto novas vítimas eram sequestradas antes de mortas por tiro, estrangulamento, esfaqueamento ou golpes na cabeça. Os repetidos crimes causaram um clima de pânico em Atlanta, que viveu com um toque de recolher todos os dias, e diversas famílias retiraram suas crianças da escola. 

Os assassinatos continuaram até 1981, quando as primeiras vítimas adultas - Michael McIntosh, 23; John Harold Porter, 28; Jimmy Ray Payne, 21 - começaram a ser encontradas. 

Em abril de 1981, a polícia capturou um suspeito que estava perto de um rio, possivelmente dispensando um corpo. Wayne Williams, de 23 anos, foi preso depois que as autoridades encontraram fibras de carpete e pelos de cachorro consistentes com evidências achadas nos corpos das vítimas. 

A investigação e questionamento de Williams em julgamento foi auxiliado pelo agente John E. Douglas, personagem que inspirou Mindhunter. Depois de 11 horas de tribunal, Williams foi considerado suspeito pelo juri, apesar de sempre manter sua inocência e nenhuma evidência do caso tenha sido realmente conclusiva.

Williams permanece preso até hoje. Em março deste ano, a prefeita de Atlanta, Keisha Lance Bottoms, anunciou que as autoridades reabririam o caso para aperfeiçoar a investigação. 

A segunda temporada de Mindhunter estreou hoje, dia 16, na Netflix