Séries e TV

Artigo

Lembra Desse? Speed Racer - A série original

Conheça (ou relembre) a história, os personagens e os principais momentos da famosa série animada

Alexandre Nagado
21.05.2008, às 00H00
ATUALIZADA EM 02.11.2016, ÀS 15H02
ATUALIZADA EM 02.11.2016, ÀS 15H02

O Japão, apesar de toda a tecnologia automobilística que desenvolveu, nunca teve um grande piloto de corridas nascido em seu território. Mas não foi por falta de inspiração, pois o corredor de ficção mais famoso do planeta veio exatamente de lá. É o piloto Go Mifune, conhecido no mundo todo como Speed Racer.

Em abril de 1967, estreou no Japão a série Maha Go Go Go, da Tatsunoko Production. O título original é um trocadilho bilíngüe, pois "go" significa "cinco" em japonês e, escrito do mesmo jeito, é o verbo "ir" em inglês. Go também é o nome original do piloto (daí o "G" em sua camisa). Já "Maha" é a maneira como os japoneses falam "mach", que é a unidade de medida da velocidade do som. A produção, com animação bastante econômica e limitada, tinha carisma de sobra, bons personagens, ângulos de cena arrojados, histórias com temáticas variadas e uma trilha sonora charmosa. Desenvolvido em uma época de grande criatividade, o animê foi contemporâneo de séries como A princesa e o Cavaleiro, Ultra Seven, Super Dínamo, Robô Gigante, Fantomas e Shadow Boy. Fez um sucesso razoável em seu país, mas nada comparável à receptividade que encontraria no ocidente.

Speed Racer - Pops

None
Pops

Speed Racer - Corredor X

None
Corredor X

Speed Racer

None

Speed Racer - Mach 5

None
Mach 5

Speed Racer

None
Speed Racer

Speed Racer - Gorducho e Zequinha

None
Gorducho e Zequinha

Speed Racer - Trixie

None
Trixie

Speed Racer

None

Speed Racer - Mamãe

None
Mamãe

Exportado para os EUA em 1968, ganhou seu famoso título e os personagens tiveram seus nomes adaptados para padrões ocidentais. Nascia assim o fenômeno Speed Racer, que se tornaria sucesso em diversos países, inclusive no Brasil, onde foi exibido na extinta TV Tupi (anos 70), TV Record (anos 70 e 80), MTV (anos 90) e, mais recentemente, no Cartoon Network e Boomerang.

O astro da série é um jovem piloto de corridas que viaja ao redor do mundo para competições de um tipo de fórmula especial, com carros sport e protótipos. Como muitas provas envolvem terrenos acidentados e perigosos, o pai dele, o engenheiro Pops Racer, projeta uma série de acessórios permitidos para aumentar a segurança do filho. Entre uma corrida e outra, o intrépido Speed Racer e sua equipe se envolvem em aventuras perigosas, seja por causa de pilotos desleais, seja colaborando com a polícia para resolver casos complicados.

Os personagens (nomes originais entre parênteses)

Speed Racer (Go Mifune) - Jovem, impulsivo e destemido piloto de corridas. Com seu carro Mach 5, é um dos melhores corredores do mundo. Hábil lutador e com forte senso de justiça, acaba chamando a atenção de um policial, chamado apenas de Inspetor, que lhe pede ajuda em diversos casos. Entre uma corrida e outra, Speed enfrenta ladrões, assassinos e criminosos.

Trixie (Michi Shimura) - Valente, invocada e ciumenta, mas também sonhadora e delicada, Trixie representa o tipo de heroína recatada da década de 1960, que nem beijava o namorado. Mas ela também estava à frente de seu tempo, pois em geral era ela quem salvava o amado dos perigos. Capaz de pilotar carros e helicópteros, manusear armas de fogo e sair no braço com marmanjos com o dobro do seu tamanho, seu único medo é perder Speed para outra garota.

Pops Racer (Daisuke Mifune) - Arrojado engenheiro, projetou o Mach 5 e o equipou com diversas engenhocas para garantir a segurança de Speed. Carrega a culpa de ter incentivado a carreira automobilística que quase custou a vida de seu filho mais velho, Rex. Bom de briga e sem papas na língua, Pops também é um pai superprotetor e corujão.

Gorducho (Kunio) - O intrometido, chorão e estabanado caçula que é o terror de qualquer irmão mais velho. Gorducho e seu mascote Zequinha, um macaco, adoram se esconder no porta-malas do Mach 5 para acompanhar as aventuras de Speed.

Rex, o Corredor X (Kenichi) - Após um grave acidente do qual escapou ileso, Rex discutiu feio com o pai e fugiu de casa para nunca mais ser visto. Secretamente, tornou-se o temido Corredor X, que age como agente especial e, sempre que pode, protege o irmão Speed. Sua identidade somente é revelada em um dos últimos episódios.

Zequinha ou Chim Chim (Sanpei) - Mais que um macaco de estimação, era praticamente um irmão do Gorducho, usando roupas iguais às dele e acompanhando ele em tudo, inclusive na gulodice.

Mamãe (Aya Mifune) - A mãe de Speed nem teve nome no ocidente. Era chamada apenas de "mamãe" e seu papel raramente ia além de cozinhar, torcer pelo filho e se preocupar com as encrencas em que sua família se metia.

Sparky (Sabu) - O jovem mecânico da equipe de Speed é bastante dedicado e preocupado com o bem-estar de todos. Por seu excesso de zelo, chegou até a ser agredido por Speed em um episódio.

Correndo em outras mídias

Na época da série foi realizada a versão em mangá, assinada por Tatsuo Yoshida, um artista dono de um traço expressivo e dinâmico e um dos criadores do estúdio Tatsunoko. Diversas outras versões em quadrinhos foram produzidas nos EUA e lançadas no Brasil, mas o mangá original somente seria lançado por aqui em 2002, pela Editora Conrad.

O sucesso da franquia nos EUA também gerou lá uma nova série animada nos anos 90, com 13 episódios e que chegou a ser lançada no Brasil. Uma outra animação, dessa vez realizada pela própria Tatsunoko, foi lançada no Japão em janeiro de 1997, mas não passou nem perto da popularidade da série clássica. Projetada para 52 episódios, acabou sendo cancelada após 34, mas ainda assim foi lançada nos EUA com o título Speed Racer X e também foi exibida no Brasil, via Cartoon Network.

Um outro projeto derivado foi o site Speedracerlives.com, que em 2006 mostrou aventuras on-line com os personagens clássicos envelhecidos, junto com uma nova geração em curtas animados e uma nova linha de produtos. Tratava-se de outra produção estadunidense. Autorizada, mas sem a participação do estúdio original. Nos EUA e no ocidente em geral, Speed Racer é até mais cultuado do que em seu país de origem. Com o filme dos irmãos Wachowski, subiu a um novo patamar como ícone pop, um título que já o acompanha há mais de 40 anos.

Equipamentos Especiais do Mach 5
Confira o que cada um dos botões do volante do Mach 5 acionava:

A - Autojack: Os macacos automáticos não apenas suspendem o carro para manutenção e reparos. Se acionados com o carro em movimento, permitem que o veículo salte. O ruído "chyok chyok..." é inconfundível.
B - Belt tire: Uma cinta que envolve cada pneu, permitindo rodar em terrenos escorregadios.
C - Cutter: Duas serras horizontais que se projetam para a frente, podendo abrir caminho entre árvores.
E - Evening eye: Faróis poderosos para uma boa visão noturna.
D - Defenser: Cobertura superior da cabine à prova de balas, também veda o carro por completo.
F - Frogger: Periscópio e reserva de oxigênio para incursões submarinas.
G - Gizmo robot: Dispara o pombo-robô, um mensageiro útil para apontar a localização do Mach 5.

Além disso, ainda tem o botão H - Homming unit. Localizado entre os assentos, tem um joystick que controla o pombo.

Episódios Memoráveis












  • "O carro mamute" (episódios 7 e 8): Em uma corrida especial, os mais exóticos modelos podem ser inscritos, o que permite a entrada do gigantesco Carro Mamute. Suspeita-se que o veículo vá transportar uma grande carregamento de ouro roubado para fora da fronteira de seu país. Speed entra na corrida em busca de mais uma vitória e se vê encarando uma perigosa quadrilha.
  • "A corrida alpina" (eps. 9, 10 e 11): Uma corrida entre montanhas é o desafio ideal para a ousada Equipe Acrobática. Com acessórios especiais, seus carros conseguem realizar saltos incríveis. Em uma cena antológica, Gorducho e Zequinha vão espionar o treino secreto deles em um local sinistro.
  • "Carro a jato" (eps. 20 e 21): O lendário e perigoso motor GRX é reencontrado em um cemitério e planejado para ser usado em corridas, mas sua velocidade é tão grande que leva seus pilotos a desmaiarem. Speed não resiste ao desafio de tentar controlar o GRX, apesar dos alertas de seu pai. Para agüentar o tranco, ele inala uma droga que lhe causa posteriormente fobia de velocidade.
  • "A quadrilha" (eps. 31 e 32): No Japão, um grupo de terroristas com técnicas ninja e carros especiais planeja matar um importante membro do governo. Agindo infiltrado entre os assassinos, o Corredor X recebe a ajuda de Speed e os irmãos enfrentam os criminosos em sua base móvel, um submarino com cabeça de dragão.

(Obs.: A série teve diferentes dublagens e na MTV foi exibida em 1993 com legendas. Os títulos se referem à primeira versão em português.)

A Tatsunoko Production

Em 1962, os irmãos Tatsuo, Kenji e Toyoharu Yoshida (com o pseudônimo de Ippei Kuri) criaram a Tatsunoko Production como um estúdio de mangás. O fundador e presidente Tatsuo só resolveu entrar no ramo de animação ao ver Astro Boy (Tetsuwan Atom, de 1963), obra da Mushi Productions, de Osamu Tezuka, o pai do moderno mangá. E assim, investiram tudo o que tinham para produzir o Ás do Espaço (Uchuu Ace, 65), que foi exibido também no Brasil até o início da década de 1970.

Mesmo com o sucesso mundial de Speed Racer, em seu país eles só ganharam o prestígio de grandes mestres em 1970, com A abelhinha Hutch (Konchuu Monogatari Minashigo Hutch).

Em 1982, a série Macross uniu batalhas espaciais, robôs estilo Transformers, romance e música pop numa obra que marcou época. Adaptado nos EUA como Robotech, virou outro sucesso mundial e gerou diversas continuações. Além disso, o estúdio também produziu os animês Pinóquio (1971), Zillion (87) e Shurato (89), que obtiveram boa repercussão no Brasil. Mas talvez o maior sucesso local da Tatsunoko seja a série do quinteto de super-heróis Gatchaman, que estreou em 1972 e gerou diversos seriados, alguns já vistos no Brasil com os títulos de G-Force (não confundir com o próximo filme da Disney), Eagle Riders e Batalha dos Planetas.

Ficha técnica
Título original: Maha Go Go Go
Estréia no Japão: 02/04/1967 (TV Fuji)
Número de episódios: 52
Criação: Tatsuo Yoshida
Roteiro: Jinzo Toriumi (coordenador)
Trilha sonora: Nobuyoshi Koshibe
Direção geral: Hiroshi Sasagawa
Realização: Tatsunoko Production







Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.