How I Met Your Mother

Créditos da imagem: How I Met Your Mother/Divulgação

Séries e TV

Lista

5 temas de How I Met Your Mother que ficaram datados

Série tem uma legião de fãs, mas alguns momentos não envelheceram muito bem

Camila Sousa
16.04.2020, às 16H06

Não há dúvidas de que How I Met Your Mother é uma série querida por muitos fãs. Tanto que a entrada do seriado no Amazon Prime Video foi comemorada pelos brasileiros, após anos sem a produção em um serviço de streaming.

No entanto, ainda que a história de Ted, Marshall, Robin, Lily e Barney seja divertida, ela tem algumas situações que até podiam soar engraçadas na época, mas não envelheceram muito bem. Listamos abaixo 5 temas do seriado que ficaram datados para os dias atuais.

Ted e a “mulher perfeita”

Divulgação

No início, a busca de Ted Mosby (Josh Radnor) pela “mulher perfeita” para sua vida até parece interessante. Afinal, ao contrário de seu amigo Barney (Neil Patrick Harris), o arquiteto quer ter uma família e filhos. O problema é forma com que Ted faz isso.

Uma das coisas que mais incomoda sobre o personagem é sua insistência quando acredita que encontrou sua “escolhida”. Há várias mulheres (como Robin) que dizem claramente que não desejam um relacionamento naquele momento, mas Ted insiste com a justificativa de que “quem ama não desiste nunca”. Por isso não é surpresa quando a maioria dessas relações dá errado e deixa os dois lados machucados.

Ao buscar a “mulher perfeita” dessa forma, Ted também criava uma idealização para quem seria sua “escolhida”. Ou seja, ao invés de conhecer alguém aos poucos, incluindo suas qualidades e defeitos, Ted queria que sua amada fosse impecável em todos os aspectos. Como isso é claramente impossível, ele ficava decepcionado com coisas triviais, como o fato de Stella nunca ter visto Star Wars, por exemplo. 

E claro que não dá para esquecer quando Ted pediu para Robin se livrar de seus cachorros, porque eles eram presentes de ex-namorados dela e ele sentia ciúmes.

Personagens gordos

Divulgação

Há vários episódios em que a série faz piadas com personagens gordos, mas há três momentos que se destacam. O primeiro é como Robin (Cobie Smulders) trata sua colega de trabalho Patrice (Ellen D. Williams). A “brincadeira” de estar irritada o tempo todo com a personagem funciona até certo ponto, afinal Robin não é obrigada a gostar da colega e essa irritação gratuita é a grande piada de tudo.

O que incomoda é que o alvo de tal humor seja uma personagem que foge dos padrões dos demais. Patrice é uma das únicas personagens acima do peso mostradas em How I Met Your Mother e grande parte de sua história é servir como alívio cômico. Ao fazer isso, a série só contribui para o estereótipo de que os personagens gordos servem apenas para o humor, sem o desenvolvimento de outras narrativas. 

A segunda situação é quando Ted, em sua já citada busca incessante por um amor perfeito, termina com uma garota porque ela era gorda no passado. E o terceiro, no episódio The Rough Patch, mostra que Robin e Barney estão engordando após assumirem um relacionamento e isso, entre outras coisas, é visto como um grande problema. Ted fica preocupado de o namoro dos dois não estar indo muito bem e o que há no meio disso são “brincadeiras” de gosto duvidoso e Neil Patrick Harris usando uma roupa para parecer gordo. 

Ranjit e personagens asiáticos

Divulgação

A forma como a série mostra personagens de outras etnias também é problemática. Começando por Ranjit (Marshall Manesh), um personagem que é fofo e querido por todos, mas retratado quase como uma caricatura. No episódio de Ano Novo da primeira temporada, por exemplo, Ted aluga uma limusine para passar a virada com os amigos e quem a está dirigindo é ninguém menos do que o Ranjit. Em certo ponto da noite, Robin reclama que seu namorado estava fechando um negócio naquele dia e diz “quem trabalha na véspera de Ano Novo?”, ao que Ranjit responde limpando a garganta no banco da frente com risadas ao fundo.

Ao fazer isso, especialmente em uma série ambientada nos EUA, How I Met Your Mother deixa implícito como imigrantes precisam aceitar empregos que outras pessoas não querem (como dirigir na noite de Ano Novo) e usa isso como escada para um momento que seria de humor. Vale lembrar que, em certo momento, o namorado de Robin pára de trabalhar e a encontra para passar o Ano Novo, mas Ranjit continua trabalhando até o final da noite. 

A produção também errou bastante no episódio Slapsgiving 3: Slappointment in Slapmarra, da nona temporada, em que os personagens se vestem como chineses, novamente utilizando de estereótipos para criar momentos “cômicos”. Na época (2014), o capítulo gerou tanta polêmica que a hashtag #HowIMetYourRacism foi utilizada por vários fãs nas redes sociais e os criadores se desculparam, afirmando que tentaram fazer uma homenagem “boba e imatura” aos filmes de Kung Fu. “Mas ofendemos pessoas ao longo do caminho. Sentimos muito e agradecemos a todos que falaram para nos conscientizar disso”, disse o cocriador Carter Bays.

Homossexualidade

Divulgação

Ao longo da série há várias “piadas” sobre homossexualidade, desde brincadeiras sobre o fato de Ted “ser muito feminino”, até a fetichização de personagens lésbicas, como quando duas garotas estão se beijando no bar e Barney fica tirando fotos.

Mas o pior momento é no episódio I Heart NJ, da quarta temporada, em que o personagem de Harris se veste de mulher e afirma que, dessa forma, vai conseguir realizar o sonho de ficar com uma lésbica. Ted fica um pouco incomodado, mas o resto do grupo ri da cena. 

Há uma questão ainda mais profunda sobre isso na série, que é o fato de Neil Patrick Harris ser um ator gay interpretando um personagem hétero. Em uma indústria em que astros muitas vezes têm medo de assumir a sexualidade, pois provavelmente serão sempre os “personagens gays” das produções, é um ponto positivo que a série tenha feito exatamente o oposto. Ainda assim, ao colocar momentos tão questionáveis sobre sexulidade exatamente nos diálogos de Harris, a produção quase desperdiça esse ponto positivo.

Imagem das personagens femininas

Divulgação

Esse tópico poderia ter vários itens, mas há três que exemplificam bem como a série trata suas personagens femininas. A primeira é a Teoria da Sereia. Segundo Barney, todo homem eventualmente sentirá atração por uma mulher com quem convive muito. A forma de explicar isso é que, inicialmente, tal mulher teria a imagem de um peixe-boi e, aos poucos, se tornaria uma sereia, uma miragem, assim como os marinheiros começam a imaginar quando estão muito tempo em alto mar. 

O exemplo mostrado no episódio The Mermaid Theory é com Marshall (Jason Segel), que precisa sair correndo quando sua secretária se torna uma sereia, como se ele não fosse capaz de controlar sua atração. O capítulo vai além e mostra o “medo” de Marshall em, eventualmente, deixar de ver Robin como um peixe-boi, já que ela é a melhor amiga de sua esposa. Ao explicar sua teoria, Barney ainda acrescenta que uma mulher que virou sereia pode voltar a ser o peixe-boi caso fique grávida e depois pode voltar a ser sereia com a amamentação.

O primeiro problema aqui, é claro, é colocar que homens e mulheres não podem ter relações que não caminhem para uma atração física. Com a Teoria da Sereia, How I Met Your Mother quer mostrar que todo homem, em algum momento, tem segundas intenções em suas relações com mulheres. Curiosamente, no entanto, a série não mostra o outro lado, de como mulheres enxergam suas relações com homens. Isso contribui para uma visão de que os homens “só pensam naquilo” e “não conseguem se controlar” quando sentem alguma atração física. A teoria, no fim das contas, é ruim tanto para as mulheres, mostradas sempre como um objeto de desejo e com essa necessidade de “tomar cuidado com homens”, quanto para os homens, retratados como seres sem controle sobre os próprios instintos.

Além disso, há um preconceito que soa até estranho em relação à gravidez, levando em consideração que Lily tem um filho durante a série. Quando diz que uma mulher se torna indesejável quando engravida, Barney cria um grande tabu sobre esse momento da vida de muitas mulheres, indicando que a maternidade chega carregada de pressões estéticas. De certa forma, isso até leva de volta ao tópico sobre personagens acima do peso, já que essa é uma das características da gravidez. E depois há algo que já aconteceu em outros filmes e séries e ainda é um tabu na sociedade: a amamentação. 

Para Barney, a mulher é indesejável na gravidez, mas volta a ser desejável quando tem o filho (ou seja, possivelmente está mais magra) e amamenta, sexualizando um momento entre mãe e filho que se trata somente de alimentar a criança. O problema disso, novamente, é normalizar problemas que existem na sociedade. Há vários relatos de mães que são impedidas de amamentar seus bebês em espaços públicos, porque o ato é visto como sexualizado e que “provoca” os homens.

A segunda teoria de Barney é a de Crazy Eyes. No episódio Swarley, Ted e Barney explicam que a nova pretendente de Marshall tem os “olhos de louca”, ou seja, ela tem um “indicador futuro de instabilidade mental”. Ao fazer isso, a série contribui para o estereótipo da mulher louca e descontrolada, que costuma ser só uma mulher que gosta de provar seus pontos. Na série, a personagem é interpretada por Morena Baccarin e grande parte de suas ações tem uma explicação depois. Novamente, o que mais incomoda é que o seriado não mostra o outro lado quando se trata de narrativas que estereotipam personagens femininas. Se existem as Crazy Eyes, não existem os homens assim também?

E, por fim, há a tática do Cara Peladão, ou Naked Man, no original. A ideia é, durante um encontro, ficar sem roupa quando a mulher sai da sala, para que ela se surpreenda ao voltar, ache engraçado durma com o cara. Segundo os personagens, essa tática funciona duas entre três vezes.

Por si só isso já é bastante problemático, afinal, ficar nu na frente de uma pessoa sem o consentimento dela é bastante questionável. Mas a trama do episódio piora muito quando comparamos como homens e mulheres são tratados nesse contexto. Mitch, o homem que apresenta o conceito do Cara Peladão é visto como um “visionário”, alguém que encontrou um jeito novo de conquistar mulheres. E não é só Barney que acha isso. Ted também fica positivamente surpreso quando Mitch explica sua tática. 

Enquanto isso, quando Robin revela que o plano deu certo e ela dormiu com Mitch, Marshall a chama repetidas vezes de “vadia” por ter caído no plano. Ou seja, o homem que conquista é parabenizado, mas a mulher conquistada é julgada.

Bônus: Tecnologia

Divulgação

O último item é algo comum para séries de várias épocas: a tecnologia. Exibido originalmente entre 2005 e 2014, o seriado mostrou seus personagens usando celulares antigos, que aos poucos foram substituídos por modelos mais novos. Ainda assim, alguns momentos ficam datados, como quando Barney manda duas imagens para o celular de Ted, um modelo antigo de flip, para demonstrar que está de olho nele.

Assim como a tecnologia evoluiu após 15 anos da estreia da série, o pensamento sobre várias questões mudou também. How I Met Your Mother, assim como várias outras produções, é um produto de sua época e não há problema nenhum em gostar dos personagens e se divertir com a produção. O importante apenas é ter em mente que há vários temas que ficaram no passado, assim como os celulares de flip, para abrir espaço para algo melhor.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.