Avatar (Divulgação)

Créditos da imagem: Divulgação

Séries e TV

Lista

Guia de Avatar: conheça as dobras de elementos e suas origens

Dominadores de água, terra, fogo e ar desenvolveram suas habilidades de formas diferentes

Omelete
7 min de leitura
07.02.2024, às 19H53.
Atualizada em 07.02.2024, ÀS 20H10

Com a chegada da série live-action de Avatar: O Último Mestre do Ar, os fãs da obra ganharam uma nova oportunidade de se reconectar com Aang e o rico universo criado por Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko. A obra, assim como suas nuances, vai muito além do que é mostrado na primeira temporada e possui desdobramentos que podem dar um nó na sua cabeça. Um exemplo disso é a origem das dobras elementais, que podemos chamar de a “magia” do universo Avatar.

Habilidade de controle elemental que é base para o mundo da franquia, a dobra é também uma grande influência por trás do desenvolvimento de seus personagens. Ao longo das animações, cada nome tinha um estilo de dominação próprio que combinava — ou, às vezes, contrastava — com sua personalidade, com as duas se desenvolvendo de forma paralela e proporcional.

O mundo de Avatar tem até uma mitologia própria a respeito das dobras e suas origens. No início de tudo, a humanidade vivia nas costas de tartarugas-leões gigantes, grandes o bastante para carregarem cidades em suas costas. Enquanto isso, a terra era dominada por animais e espíritos, que não gostavam nada da presença de humanos. Para conseguirem visitar a floresta para caçar e colher madeira, os humanos precisavam de dons dados pelas tartarugas-leões.

Um dia, um homem recebeu o dom de dominação de fogo de uma dessas tartarugas e viajou o mundo para conhecer outras civilizações, mas no caminho, acabou interferindo na eterna briga entre o bem e o mal. Para consertar seu erro e devolver o equilíbrio ao mundo, ele precisou coletar o poder de todas as quatro tartarugas, sendo o primeiro humano a dominar água, fogo, terra e ar. Esse homem foi Wan, o primeiro na linhagem Avatar.

Entretanto, apesar de bonita, essa história não explica alguns pontos, como, por exemplo, o treinamento para dominar as dobras, a cultura de cada civilização que habitava as costas das tartarugas-leões, nem as variações que essas dobras ganharam ao longo do tempo. Nessa lista, vamos trazer cada um desses detalhes. Confira:

Água

Divulgação

Um dos elementos mais versáteis, a água proporciona uma das dobras mais impressionantes do universo Avatar. Os dobradores de água podem usar suas habilidades para atacar, defender e até curar pessoas. Como aprendemos durante o desenvolvimento de Katara, integrante do time Avatar e provavelmente a maior usuária desse elemento em todo o universo da série, a dobra da água permite utilizar todos os estados da água, além de convertê-los entre si.

Todos os elementos possuem dobradores originais e, no caso da água, temos a lua. Movimentando as marés através de seu campo gravitacional, o satélite natural do planeta mostrou à humanidade como controlar o elemento. Por esse motivo, é na lua cheia que os poderes dos dobradores de água se intensificam. Sem as tartarugas-leões, essas comunidades agora ficam divididas entre os polos, nas Tribos da Água do Norte e do Sul e sua conexão com o elemento é garantida pelos espíritos do Mar e da Lua, ambos representados no mundo físico por carpas.

Como já citamos, um dobrador de água pode controlá-la tanto no estado sólido quanto no gasoso e, claro, no líquido. Essa técnica, quando bem aplicada, pode, por exemplo, remover a água do ar ou de plantas para inúmeras finalidades. Outra variação é a dominação de sangue, na qual o dobrador pode escravizar e até matar um ser vivo controlando os fluidos de seu corpo, em geral, essa habilidade é melhor aplicada sob a luz da lua.

Terra

Divulgação

De acordo com a lenda de Avatar, os primeiros dominadores de terra humanos eram Oma e Shu, um casal cujas tribos viviam em guerra. Para se encontrar escondidos, eles usavam uma caverna feita por toupeiras-texugo, as dobradoras de terra originais. Aprendendo com os bichos, o casal criou um labirinto para garantir que jamais seria seguido em suas escapadas amorosas.
Apesar da rigidez associada ao elemento, a dobra de terra é uma das mais versáteis da franquia. Enquanto dobradores iniciantes podem facilmente desviar rios, salvar pessoas de desmoronamentos e causar um bom estrago em solos e calçadas de desavisados, dobradores mais experientes são capazes de dobras muito mais complicadas, aplicando-as para arte, construção, combate (esportivo ou não) e até recuperação ambiental.
A diversidade da dobra de terra também está associada ao amplo território do Reino da Terra. Com desertos, planícies, pântanos e florestas, o país obriga seus dominadores a se adaptarem aos seus ambientes, desenvolvendo dobras de areia e lama.
Toph, que entra para a Equipe Avatar na segunda temporada de Avatar: A Lenda de Aang, é o grande exemplo do quão longe a dobra de terra pode chegar. Cega desde o nascimento, ela fugiu de casa e se perdeu em uma caverna. Lá, a garota encontrou toupeiras-texugo, que também são cegas, e aprendeu a usar suas habilidades para sentir até os mínimos movimentos no solo. Com técnicas únicas, ela chegou a se tornar uma campeã de dominação de terra, sob o pseudônimo de Bandida Cega.
Entre o aprendizado com as toupeiras-texugo e sua experiência em combate, Toph rapidamente se tornou uma grande dominadora de terra. Ela inclusive criou a dominação de metal, algo que seria impossível sem o que seus pais taxavam como uma deficiência.
Outra dominação originada da dobra de terra é a de lava. Raríssima, essa habilidade permite ao dobrador criar e controlar a lava usando uma quantidade mínima de terra — algo que seria muito útil para o pobre do Avatar Roku.

Fogo

Divulgação

E falando em Roku, a última reencarnação do Avatar nascido como dominador de fogo, é importante lembrar o contexto dessa dobra para todo o universo — especialmente na era de Aang. A dominação de fogo pode ser considerada a mais violenta, já que o mero contato com as chamas pode ferir os demais dobradores. Sabendo disso, a Nação do Fogo se especializou em monopolizar a guerra. Com sua dominação, eles aprenderam a moldar e soldar o aço, criando armas, veículos de guerra e armaduras resistentes.
Insatisfeitos com todos os recursos que possuíam, os Senhores do Fogo decidiram tomar o controle de todo o mundo e iniciaram uma verdadeira guerra contra as outras nações. Para isso, eles cometeram um genocídio contra os Monges do Ar, para evitar o surgimento de um novo Avatar após a morte de Roku — Aang, porém, havia sobrevivido. Após isso, a Nação do Fogo fez uma investida contra os dominadores de água, seus principais adversários.
O Reino da Terra, que também possuía guerreiros poderosos e uma defesa perfeita, foi o único a não sucumbir durante a guerra, sendo derrotado anos depois com a estratégia militar de Azula, irmã mais nova do príncipe Zuko. A relação de eterno conflito dos irmãos trouxe uma questão interessante sobre a dominação do fogo para a obra. Azula era a única dobradora de fogo azul, enquanto Zuko dominava o fogo comum, como os demais de sua nação.
Assim como as dobras anteriores possuíram precursores, os dominadores originais do fogo foram os dragões. Mesmo com o Avatar Wan conseguindo sua dominação através das tartarugas-leões, ele precisou treinar com um dragão para alcançar o estado perfeito da sua dobra. Os dragões são os únicos a dominar os fogos de todas as cores, como o laranja, azul e verde.
Além das cores, a dominação do fogo permite ao dobrador alcançar duas outras técnicas, como a dominação do raio. Manipulando o calor na atmosfera, os dobradores mais experientes podem lançar descargas elétricas. Outra sub-dobra do fogo é justamente o calor, que pode ser manipulado para aquecer ou até derreter objetos. Os dobradores de fogo também desenvolveram a dobra da combustão: manipulando a temperatura ao nível atômico, eles podem explodir um ponto específico.

Ar

Divulgação

Os dobradores de ar originais foram os bisões voadores. Como o próprio nome já diz, essas criaturas enormes e peludas são capazes de voar por longas distâncias, além de criar cones e rajadas de vento. Os aprendizes humanos dos bisões (e seus amigos e protetores leais) eram os Monges do Ar, tribo nômade pacifista com diferentes templos espalhados pelo mundo.

Como os monges eram nômades e antimaterialistas, os dobradores de ar aprenderam a se locomover pelos céus. Seus templos tinham amplos espaços abertos criados para o treino de dominação. Os dobradores de ar também criaram jogos, transportes e trajes que otimizam suas habilidades.

Por causa de sua filosofia de vida, grande parte dos movimentos de dobra de ar têm como foco a esquiva e a agilidade, com golpes ofensivos sendo utilizados em batalhas mais violentas. Até por isso, a Nação do Fogo pareceu ter pouca dificuldade no genocídio dos Monges do Ar, primeiro com o ataque que deu origem à Guerra dos 100 Anos e depois com armadilhas espalhadas pelo mundo.

A filosofia dos Monges do Ar não impediu que o ar se tornasse uma forte arma nas mãos de guerreiros. A Avatar Kyoshi, por exemplo, complementava seus leques de batalha com a dobra de ar. Outros dobradores menos honrosos também já usaram suas habilidades para remover o oxigênio dos pulmões dos inimigos.

A franquia Avatar possui diversos títulos, incluindo três temporadas da animação Avatar: A Lenda de Aang, quatro temporadas de Avatar: A Lenda de Korra e um filme live-action escrito e dirigido por M. Night Shyamalan (Fragmentado). A série live-action Avatar: O Último Mestre do Ar chega ao catálogo da Netflix em 22 de fevereiro.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.