Supergirl

Créditos da imagem: CW/Divulgação

Séries e TV

Crítica

Supergirl se despede da TV com temporada segura e emotiva

Sexto ano aposta na união e na humanidade de seus protagonistas

Nico Garófalo
18.11.2021
17h24
Atualizada em
18.11.2021
17h42
Atualizada em 18.11.2021 às 17h42

Supergirl pode ser facilmente resumida como a mais inocente entre as séries do Arrowverse. Desde que estreou na CBS em 2015, o programa se destacava das outras produções da franquia televisiva pela leitura otimista que tinha do mundo dos super-heróis e por aproveitar todas as oportunidades que teve para estreitar os laços de seus protagonistas. Ao mesmo tempo, a produção, feita e transmitida desde seu segundo ano pela CW, foi, junto de Raio Negro, a mais política do universo DC na emissora. Nos últimos seis anos, Kara (Melissa Benoist) e companhia lidaram com fake news, corrupção, jogos políticos, xenofobia, LGBTfobia e violência policial. Essas características-chave serviram como a principal base para o sexto e último ano da série, que se despediu de maneira emotiva dos fãs.

Os 20 últimos capítulos de Supergirl focam, desde seus primeiros segundos, em encerrar de maneira satisfatória os arcos de seus protagonistas. Em claro clima de despedida, a série retoma e amarra algumas pontas soltas, desenhando um felizes-para-sempre para cada um dos seus protagonistas, que constroem suas próprias famílias e exploram mais a fundo a vida além da luta contra o crime. Ao longo da temporada, Alex (Chyler Leigh), Nia (Nicole Maines), Lena (Katie McGrath), Brainy (Jesse Rath) e J’onn (David Harewood) estrelam episódios próprios e fecham seus arcos de forma emotiva, mas que não apela para o melodrama.

Ainda que encerre algumas tramas, Supergirl se recusa a estabelecer um final concreto para a trajetória de seus personagens. Pensando no apaixonado e criativo fandom que a série acumulou nos últimos seis anos, os roteiristas deixaram propositalmente em aberto o destino de Kara e seus amigos, praticamente convidando os fãs a imaginarem seus próprios futuros para os Superamigos.

O sexto ano tropeça feio, no entanto, no desenvolvimento de Nxyly (Peta Sergeant), a grande vilã da temporada. Embora o caos causado pela elfa da Quinta Dimensão e sua busca por poder absoluto estejam diretamente relacionados à evolução dos heróis, sua trama parece deslocada e vazia. Sem nenhum traço de personalidade marcante, a antagonista entra e sai de cena sem apresentar qualquer mudança ou crescimento relevante.

A temporada também peca feio ao sugerir repetidamente um romance que nunca se concretiza entre Kara e Lena. Apesar de já ter mostrado competência ao abordar a causa LGBTQIA+ no passado, Supergirl não conseguiu se desvencilhar do queer bait, deixando mais esse gosto amargo na boca dos fãs.

Jogando no seguro, Supergirl deixa a TV com uma sexta temporada sólida, mas cheia de potencial não realizado. Ainda que tenha escorregado em velhos obstáculos, os episódios finais solidificam de vez o lugar da série no coração dos fãs e na história do universo DC na televisão.

Supergirl
Encerrada (2015-2021)
Supergirl
Encerrada (2015-2021)

Criado por: Ali Adler, Greg Berlanti, Andrew Kreisberg

Duração: 6 temporadas

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.