Patrulha do Destino - 1ª Temporada

Séries e TV

Crítica

Patrulha do Destino - 1ª Temporada

Discutindo temas importantes, série dá vida ao lado bizarro do Universo DC tendo o caos como principal aliado

Gabriel Avila
19.03.2020
10h00
Atualizada em
19.03.2020
15h41
Atualizada em 19.03.2020 às 15h41

Quando o assunto é histórias em quadrinhos, não é preciso procurar muito para se deparar com obras classificadas como “inadaptáveis”. Esse rótulo, que é dado a títulos com tramas mirabolantes demais para funcionar fora das revistas, se tornou aos poucos uma espécie de desafio para realizadores que cada vez levam tais histórias para cinema e TV. Esse é o caso da Patrulha do Destino, obscuro grupo da DC Comics que teve uma trajetória curiosa nas HQs, brilhando justamente quando deixou de lado o clássico embate entre “bem contra o mal” em favor da bizarrice. Com uma essência extravagante e pouca popularidade, era pouco provável que o time saísse das páginas dos quadrinhos, até a DC investir em um serviço de streaming próprio e apostar em algumas de suas propriedades para aumentar o catálogo. A série, que chegou ao Brasil através do canal Cinemax, trata com grande fidelidade o caótico material base, mas desliza ao deixar a anarquia tomar conta da narrativa.

A versão live-action da Patrulha fez sua estreia em um episódio de Titãs, quando Mutano (Ryan Potter) busca ajuda para sua amiga Ravena (Teagan Croft) na mansão de Niles Caulder (Bruno Bichir). Lá, tanto a garota quanto o público são apresentados aos desajustados Homem-Robô (Cliff Steele), Mulher-Elástica (April Bowlby) e Homem-Negativo (Matt Boomer), uma espécie de família disfuncional que existe mais como uma reabilitação para seres exóticos, do que um local para combatentes do crime. Meses depois, a equipe ganhou uma produção própria que substituiu Bichir por Timothy Dalton no papel de Caulder e adicionou ao time Crazy Jane (Diane Guerrero), uma garota que sofre de transtorno de personalidade múltipla e por isso luta equilibrar 64 super poderosas versões de si mesma. Mesmo rejeitando uma vida heróica, o quinteto precisa se unir para deter o engenhoso plano de vingança do Sr. Ninguém (Alan Tudyk), um antigo inimigo de seu mentor.

O que começa como uma clássica trama de aceitação e união de talentos para vencer o mal vira o ponto de partida para uma bizarra jornada que busca desafiar - e rir - dos clichês dos filmes e séries de super heróis. Essa escolha é fortemente inspirada pela fase em que a esquisitice se tornou o carro chefe da Patrulha do Destino nos quadrinhos. No final da década de 1980, o roteirista Grant Morrison assumiu o título e iniciou um grande arco em que a equipe deixou de lado qualquer comparação com os X-Men e desenvolveu uma identidade própria com foco na excentricidade. Foi nesse período em que o time se tornou amigo de uma rua senciente chamada Danny, combateu o vilão Caçador de Barbas e até mesmo resgatou Flex Mentallo, clássico herói da Era de Ouro dos quadrinhos que não existiu na vida real, mas se tornou parte do grupo a partir dali. É clara a intenção da produção em retomar a anarquia dessa fase para se destacar em um gênero que se tornou tão saturado na última década.

Muito do que tornou icônica a passagem de Morrison pela HQ da Patrulha é incorporado pela série. Ao longo de 15 episódios, a equipe precisa se unir para dar conta do Sr. Ninguém, que originalmente tinha como motivação desafiar não as autoridades, mas o conceito de realidade. Ainda que na série suas motivações estejam mais ligadas à retaliação, seu modus operandi se mantém o mesmo, apresentando desafios mirabolantes que ultrapassam a simplicidade dos embates físicos. Logo no piloto, o time precisa lidar com um vortex capaz de engolir uma cidade inteira gerado a partir da flatulência de um burro, um problema que não é possível resolver na porrada. Esse tipo de conflito faz com que a trama evolua equilibrando a curiosidade de como resolver um problema de natureza abstrata com um humor non-sense pouco abordado em produções similares, que caem no erro de se levar a sério demais.

Nesse sentido, Patrulha do Destino traz um texto carregado de metalinguagens. Se apropriando de recursos apresentados nos filmes do Deadpool, a produção constantemente subverte os clichês de seu próprio gênero através da paródia. Ainda que os personagens vivam suas trajetórias de forma séria, não faltam comentários a respeito da indústria dos quadrinhos, da popularização dos heróis e até mesmo do inexistente impacto que a equipe tem na cultura pop. A participação do Sr. Ninguém de Alan Tudyk se destaca justamente nesse momento, ao quebrar a quarta parede e desabafar diretamente ao público sobre a previsibilidade do enredo. Há espaço para rir até mesmo da aura “sombria e realista” construída pela DC Comics, em momentos que orgulhosamente tomam a direção oposta.

Seguindo essa direção, Patrulha do Destino usa até mesmo suas limitações técnicas como arma. É nítida a deficiência da produção em relação a efeitos visuais, que muitas vezes se tornam destoantes a ponto de se destacar. Porém, ao invés de tentar esconder ou até mesmo ignorar, a série torna o CGI ruim uma ferramenta narrativa que condiz esteticamente com sua temática. Ainda que pequena, essa é uma forma de se distanciar de produções como Titãs, que lidam com o mesmo problema de forma cínica, o que apenas realça o aspecto desagradável.

Venha pela bizarrice, fique pela comoção

Com grande vocação para a paródia, Patrulha do Destino tem momentos de seriedade que trazem um equilíbrio bem-vindo. Além das esquisitas ameaças externas, cada membro do time precisa enfrentar também demônios internos, o que rende interessantes estudos de personagem e realça o bom trabalho de seu elenco. Ainda que redenção seja um lugar-comum à essa altura do campeonato, o seriado aumenta as apostas ao apresentar pessoas genuinamente falhas. A série se empenha em dar camadas a seus personagens a ponto de torná-los mais do que meros resultados de acidentes, característica que sempre os uniu.

É o caso de Cliff Steele, o ex-piloto da NASCAR que viria a se tornar o Homem-Robô, e Rita Farr, a decadente estrela de Hollywood que se transforma em uma criatura disforme que eventualmente se tornará a Mulher-Elástica. A dupla está sempre numa corda bamba entre o imperdoável e a vontade de se redimir, o que confere a Brendan Fraser e April Bowlby, respectivamente, a responsabilidade de transitar entre a comédia e o drama sem cair na caricatura. Por outro lado, a produção também aborda o quanto a tragédia e o medo podem se tornar inimigos mortais. Enquanto Larry Trainor renunciou à uma vida ao lado do homem que ama por meio de preconceitos, Crazy Jane precisa lidar com 64 personalidades diferentes que lutam para assumir o controle em uma espécie de auto-defesa que pode torná-la a agressiva, manipuladora ou até mesmo infantil. Diane Guerrero brilha ao dar vida a tantas personagens diferentes ao mesmo tempo - ainda que por vezes a transição seja brusca e soe forçada. Já Matt Bomer fica um tanto apagado por estar quase sempre por baixo das bandagens do Homem-Negativo, ganhando espaço apenas nos flashbacks em que aparece como piloto.

Esse estudo é auxiliado por alguns dos caminhos que o grupo precisa percorrer. Temas como autoaceitação, representatividade, saúde mental e busca pela fama são adicionados à mistura, fazendo com que a série se destaque também por ter algo a dizer sobre a sociedade atual. Não é preciso se esforçar para perceber a influência de movimentos como Me Too e o crescimento da intolerância surtiram na produção, que aproveita seu espaço e classificação indicativa para discutir tais assuntos de forma madura.

Do caos à lama

Ainda que busque autenticidade a cada passo, Patrulha do Destino derrapa ao mergulhar tão profundamente na bizarrice. Com tantos inimigos, aliados e cenários excêntricos para abordar, a trama por vezes parece inchada, com inúmeras camadas envolvendo um enredo simples. Muitas vezes o que parece ser a próxima etapa da jornada se mostra meramente uma homenagem com duração estendida, o que dispersa o foco da produção.

O mesmo pode-se dizer sobre o ritmo da série, que constantemente engasga com a ânsia em se desenrolar. Por se passar em vários períodos de tempo distintos, há uso excessivo flashbacks que não só quebram o ritmo como soam uma conveniência narrativa para inserir um fato desconhecido poucos minutos antes de o mesmo se tornar relevante. Essa inconsistência prejudica o tom da temporada como um todo, já que há episódios inteiros que parecem um mero prólogo para um evento realmente importante que só acontecerá no futuro.

Com uma segunda temporada já confirmada, Patrulha do Destino tem a seu favor a coragem para ousar e desafiar as convenções de um gênero cada vez mais saturado. Porém, é preciso mais do que subversão para contar uma boa história, especialmente se tratando de uma produção com episódios de aproximadamente 50 minutos de duração. Se valendo das infinitas possibilidades do multiverso da DC Comics, não seria estranho que sua produção mais bizarra se tornasse também a mais querida. Mas para isso é preciso mais do que cinco desajustados e uma trama maluca.

Nota do Crítico
Bom