Nove Desconhecidos brilha quando cede ao ridículo - mas acaba logo depois

Créditos da imagem: Bobby Cannavale e Nicole Kidman em cena de Nove Desconhecidos (Reprodução)

Séries e TV

Crítica

Nove Desconhecidos brilha quando cede ao ridículo - mas acaba logo depois

Minissérie estrelada por Nicole Kidman custa demais a se entregar aos seus melhores instintos

Caio Coletti
28.09.2021
14h19

A última hora de Nove Desconhecidos é de uma loucura brilhante da qual vemos apenas flashes durante os sete capítulos anteriores da minissérie lançada no Brasil pelo Amazon Prime Video. É como se o roteirista David E. Kelley tivesse percebido, aos 45 do segundo tempo, que não tinha em mãos a sátira refinada ou o drama pungente que achou que tinha - e, ao jogar as mãos para o alto e decidir tomar cada decisão ridícula em que conseguiu pensar para os personagens, tivesse inadvertidamente encontrado a verdadeira vocação da história que estava escrevendo.

Parte dessas decisões vem do livro de Liane Moriarty, é claro, mas de uma forma ou de outra a mudança de tom do finale da minissérie é um choque agradável. O espectador afinado com a sensibilidade kitsch de Kelley, que é muito bom em realçar o absurdo de seus personagens quando quer (vide os momentos cômicos de Big Little Lies e Boston Legal), provavelmente vai se ver sorrindo involuntariamente com as reviravoltas do capítulo, com a forma como ele sabe muito bem quais personagens têm peso emocional, e quais não fazem a menor diferença, e como age com cada um deles de acordo.

O coração de Nove Desconhecidos está na família Marconi, formada pelo casal Napoleon (Michael Shannon, sempre excepcional) e Heather (Asher Keddie) e pela filha Zoe (Grace Van Patten). Os três vão ao spa Tranquillum, administrado pela misteriosa Masha (Nicole Kidman), em um momento delicado no qual ainda estão tentando lidar com o luto pelo suicídio do outro filho, Zach (Hal Cumpson). A série desenha um arco de verdade para esses personagens centrais, e tem até alguns insights interessantes sobre culpa e perdão para compartilhar com o espectador.

De resto, Nove Desconhecidos apresenta só rascunhos de personagens, pedindo que seus atores injetem carisma neles para que suas narrativas funcionem. Dá certo com o romance de Frances e Tony, graças à química absurda entre Melissa McCarthy e Bobby Cannavale (Hollywood, escale esses dois juntos sempre que possível!), mas nem tanto com os outros conflitos da série. Por mais que Regina Hall seja genial, por exemplo, é difícil dar mais do que uma dimensão para a sua raivosa Carmel, especialmente tendo em vista o papel que ela acaba tendo nas reviravoltas da narrativa.

À parte dessas construções está Kidman, que flutua pela série como a mentora Masha, desconstruindo habilmente, aos poucos, a sua presença de cena etérea para revelar uma mulher machucada, até desesperada, mas firme em suas convicções. Do sotaque russo flutuante (muito mais forçado quando Masha está falando com os convidados do que com outros funcionários) à linguagem corporal artificialmente aérea, que ao final se esfarela em costas arcadas e movimentos bruscos, Kidman reafirma em Nove Desconhecidos por que é considerada uma das melhores atrizes da sua geração.

Pena que ela, e outros talentos da minissérie, estejam presos em uma obra de ficção que não consegue aceitar o tipo de história que verdadeiramente é. Nove Desconhecidos poderia ser um clássico cult se quisesse, uma viagem curiosa e divertida pelos privilégios de seus personagens - e nem precisaria abrir mão de seus raros momentos de sinceridade emocional para isso. O segredo desse tipo de obra está em ser mais honesta consigo mesma e com o público, em mostrar desde o início como e quando devemos investir nossa atenção, o nosso envolvimento enquanto espectadores.

Quando finalmente se revela o que sempre foi, Nove Desconhecidos termina. São momentos preciosos de deleite, de puro entretenimento, que podem render algumas das melhores gargalhadas da sua semana, ou do seu mês, se você embarcar no clima do finale - mas talvez seja, para muita gente, recompensa de menos para investimento demais. 

Nove Desconhecidos
Encerrada (2021-2021)
Nove Desconhecidos
Encerrada (2021-2021)

Criado por: John-Henry Butterworth, David E. Kelley

Duração: 1 temporada

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.