Joe Exotic em foto antiga exibida em Máfia dos Tigres 2

Créditos da imagem: Divulgação

Séries e TV

Crítica

Máfia dos Tigres 2 perde peculiaridade e se aproxima de investigação criminal

Nova temporada explora a popularidade de seus “personagens”, mas consegue reviravoltas importantes no caso contra Joe Exotic.

Henrique Haddefinir
18.11.2021
09h42
Atualizada em
18.11.2021
10h01
Atualizada em 18.11.2021 às 10h01

Quando A Máfia dos Tigres estreou, em 2020, ela foi recebida como uma das coisas mais loucas e necessárias para um mundo vivendo o apogeu da pandemia. A série documental dirigida por Eric Goode e Rebecca Chaiklin acompanhou durante alguns anos a rotina de um zoológico particular dirigido por Joe Exotic, uma das figuras mais bizarras que o mundo contemporâneo ascendeu à fama. Além de criar dezenas de animais selvagens como se fossem domésticos, Joe era podcaster, compositor e cantor de músicas inacreditáveis, vivia um “trisal” com dois homens e sustentava um visual que era o apogeu dos anos 80 dos pés à cabeça.

A razão para o documentário era ainda mais intrigante: Joe tinha uma inimiga mortal que foi acusado de tentar matar, indo parar na cadeia. Carole Baskin não ficava atrás nas estranhezas. A dona de um outro zoológico que, supostamente, deveria salvar animais de instalações como as de Joe, acabava mantendo os animais tão presos como ele fazia e tinha em seu passado a sombra do desaparecimento de um ex-marido, que Joe tinha certeza que ela tinha assassinado. A rivalidade entre os dois é o foco da primeira temporada, que termina com Joe indo parar na cadeia sob a acusação de um plano para matar Carole.

Em grande parte, as acusações de que Joe tinha planejado matar a rival e que Carole tinha matado o marido pareciam uma parte pequena do que a primeira temporada de Máfia dos Tigres significou para sua imensa audiência. O mundo em que Joe Exotic vivia era tão cheio de bizarrices que foi por conta disso que o fenômeno se estabeleceu. Ainda preso, Joe cai na armadilha e acha que estão “rindo com ele” e não “rindo dele”. Nada a respeito do ex-proprietário do zoo é levado a sério por ninguém, nem mesmo pelas pessoas que estão à volta. A questão é que uma vez que os 15 minutos de fama chegam, isso muda tudo (mesmo que por apenas 15 minutos).

Máfia dos sem Tigres

Os cinco novos episódios da série documental são organizados de acordo com a repercussão da primeira temporada. É inevitável, já que Joe está preso e Carole não gravou novas entrevistas (o material que se tem dela nos episódios é todo do primeiro ano). Sem a presença peculiar e estranhamente carismática de Joe, os produtores tiveram que dar uma terceirizada no foco dos acontecimentos e foram explorar os campos investigativos do que cercava a “máfia dos tigres”. Assim, meio que de forma desajeitada, eles tentam manter a desconfiança e a descrença ligadas diretamente às ações de Joe e Carole. Mas, além de ser uma mulher e uma mulher mais velha, Carole continua soando como a megera que colocou o “heroi” na cadeia.

Os episódios não sabem exatamente se querem inocentar Carole do desaparecimento do marido para diminuir o hate ou se querem continuar reforçando que a morte do homem é a única explicação plausível. Contudo, com relação a Joe existe uma impressionante clareza de intenções: apesar das provas de misoginia, ameaça e maus tratos protagonizados por Exotic, os novos episódios estão determinados a provar que ele é inocente de uma coisa: ter planejado matar a inimiga.

A bomba acaba caindo nas mãos dos outros dois “membros da máfia”: Jeff Lowe, que literalmente enganou Joe para ficar com o negócio dele e Tim Stark, proprietário de vários animais e parceiro de “trocas” entre os “mafiosos”. Cada um tem seu próprio episódio de escrutínio e os frutos da fama que conquistaram (principalmente para Lowe) passam muito rápido. A edição é brutal com Lowe, que continua com seu número de vigarista injustiçado, enquanto Stark se queima sozinho, com o comportamento mais descontrolado e explosivo já demonstrado por qualquer participante do documentário. Aos poucos, vai ficando claro que o suposto plano para levar Joe para a cadeia foi o pior movimento para todos eles: os olhos da mídia fizeram com que governo e organizações não-governamentais fossem com tudo para cima do negócio que sustentava todos os envolvidos. Tim entra num colapso pessoal, mas Lowe faz o que fazem todos os malandros: se reinventa.

É aí que Máfia dos Tigres 2 responde aos fãs porque foi necessário voltar para mais algumas horas de deliberação. Os produtores realmente têm uma grande reviravolta nas mãos. Uma que não só muda toda a perspectiva do caso, como também coloca Joe numa posição muito mais confortável e passível de estrelar uma terceira temporada. Assim, eles acertam onde Making a Murderer falhou quando voltou para um segundo ano: há mudanças significativas que podem mudar o destino de muita gente. Sobretudo de Allen Glover, o homem que teria sido contratado para decapitar Baskins.

Enfim, aqueles que se deliciaram com a rotina louca e os personagens desdentados da primeira temporada, podem se frustrar com o tom investigativo da nova leva de episódios. Mas, quem procura por mais que peculiaridade, quem procura respostas, vai encontrar algumas. Joe Exotic parece arrependido de ter prendido tantos animais depois que ele mesmo acabou preso. Mas, é enervante pensar que foi apenas depois da série documental que se começou a pensar no que realmente importa: o bem-estar dos felinos.

A Máfia dos Tigres
Em andamento (2020- )
A Máfia dos Tigres
Em andamento (2020- )

Criado por: Tiger King: Murder, Mayhem and Madness

Duração: 1 temporada

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.