Cartaz de Insiders

Créditos da imagem: Netflix/Divulgação

Séries e TV

Crítica

Insiders tenta subverter códigos dos realities mas acaba em tédio

Esperado reality show espanhol da Netflix faz muitas promessas de revigorar o gênero, mas exercita só suas piores características

Henrique Haddefinir
25.10.2021
15h37

José Velasco, criador de Insiders, é um homem de produção. E produzir e contar histórias são coisas intrínsecas no showbizz. Quando a ideia do programa surgiu, surgiu principalmente como uma forma de usar pessoas reais para contar uma história fictícia, por mais que ele e sua equipe jamais fossem capazes de reconhecer isso. O marketing insiste na premissa de “e se você estivesse num reality show e não soubesse disso?”, mas nada em Insiders é minimamente realista ou humanizado. A única pessoa realmente enganada pelo gênero foi o Truman de Jim Carrey e ele nem era real, tampouco.

Mas, Velasco tinha essa “grande ideia” nas mãos e queria levá-la adiante mesmo que o mais importante num reality de sucesso não seja o formato e sim os participantes. Sendo assim, convenceu 12 pessoas a entrarem num processo seletivo para entrar no tal Insiders. Contudo, esse processo seletivo já acontece numa espécie de confinamento e a não ser que você viva numa caverna e nunca tenha visto TV na vida, já veria esse detalhe como uma mentira potencial. O resultado é inevitável: as “surpresas” não são surpreendentes nem para eles nem para a audiência.

Quando UnReal estreou em 2015, confirmou uma coisa que todo fã de reality show já sabia: os produtores manipulam o enredo dentro de uma margem, mas a vontade do participante e a sorte entram com força na equação. Ou seja, você pode colocar uma prova de força para tentar salvar um participante que tenha preparo físico, mas ele pode se enrolar e perder, o que obriga o jogo a se reconfigurar. A produção mexe nas provas e na edição, mas ela mantém certa distância, o que é a beleza da coisa. Por essa razão, inclusive, o Big Brother Brasil é um dos únicos realities que anuncia com uma semana de antecedência quais serão as regras da semana seguinte ou em qual horário o telefone do quintal irá tocar. Realities não precisam ser íntegros, mas eles podem ser.

Desregrados

Insiders não tem nenhuma clareza sobre nada. Não existe nenhuma regra, o que até poderia ser positivo, mas com um elenco tão ruim, ao invés do caos o resultado é o tédio. Quando a produção precisa que algo aconteça, ela chama os participantes e os obriga a fazer alguma coisa, dando o roteiro a ser seguido, de forma clara e direta mesmo, chamando o tal movimento de "missão". Os participantes, mesmo quando investem no programa que acreditam estar sendo exibido em streaming, 24 horas por dia, estão engessados nessa volatilidade do enredo.

Para piorar o quadro, em momentos específicos, eles têm trechos do tal processo seletivo exibidos para eles, para causar conflitos direcionados, mas deixando-os inseguros de que nada está verdadeiramente protegido na convivência. É mais fácil falar mal de alguém se você tem certeza que a pessoa só verá o que aconteceu quando sair. Se isso pode ser revelado a qualquer momento, como você pode desenvolver seu jogo? Em vários momentos é até mesmo difícil acreditar que alguma coisa é real. Até o último momento do último episódio, há uma certa expectativa de que uma mensagem nos informará que tudo era uma só uma série de TV mesmo. Ruim.

A insistência em roteirizar os acontecimentos está em tudo, inclusive na narração didática da atriz Najwa Nimri, que no seu visual clássico de Zulema, aparece a cada 10 minutos para explicar a regra que foi decidida do nada. A forma como a edição direciona os participantes escolhe Hugo e Nicole como vilões e passa o resto do tempo investindo em casais, como o Big Brother Brasil fazia há dez anos atrás. Um suposto software teria sido desenvolvido para coletar dados e escolher o participante ideal, mas eliminações são baseadas nessa mentira. Ou seja, ninguém entra ou sai porque isso faz parte das regras, mas porque os produtores querem. “Espera aí, mas não é assim que funciona sempre?”. Não. Se a produção de um reality sério alterasse resultados de eliminação ou burlasse regras para proteger participantes, eliminações como a de Karol Conká ou Gil do Vigor jamais teriam acontecido no BBB 21. Ou melhor: Taís jamais teria chegado tão longe.

Enfim, depois de muitas discussões sem sentido e reviravoltas nada surpreendentes, Insiders escolhe seu vencedor com o mínimo de dignidade: respeitando uma regra. Mas, não resistem a mais uma “subversãozinha” e isolam a vencedora dos outros assim que o anúncio é feito. Nada de comemorar com abraços e beijos. Contudo, a existência do programa em si está condenada ao limbo. Para que uma segunda temporada aconteça, eles teriam que tentar convencer mais pessoas a acreditarem novamente que estão confinadas sem serem filmadas, em plenos anos 2020. Como isso é impossível, eles teriam que dizer aos participantes que só eles saberiam disso; e tudo começaria de novo, ridiculamente; e sem nenhuma espontaneidade.  

Insiders
Encerrada (2021- )
Insiders
Encerrada (2021- )

Criado por: José Velasco

Duração: 1 temporada

Nota do Crítico
Ruim

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.