Desventuras em Série - 3ª temporada

Créditos da imagem: Desventuras em Série/Netflix/Divulgação

Séries e TV

Crítica

Desventuras em Série - 3ª temporada

Chega ao fim o sofrimento dos órfãos Baudelaire e da bela jornada visual no literal terceiro ato da série

Aline Diniz
08.01.2019
18h01

Chegou ao fim a história dos órfãos Baudelaire. A adaptação televisiva dos 13 livros de Daniel Handler, escritos sob o pseudônimo Lemony Snicket, estreou seu derradeiro ano no primeiro dia de 2019 e finalmente encerrou o sofrimento de Violet (Malina Weissman), Klaus (Louis Hynes) e Sunny (Presley Smith) ao longo de sete episódios que adaptam os quatro últimos livros da série literária: O Escorregador de Gelo, A Gruta Gorgônea, O Penúltimo Perigo e O Fim.

Já estabelecida após seus dois primeiros anos, Desventuras em Série é uma produção única e segue exatamente as mesmas linhas desde o primeiro episódio. É como um longo (longo) filme com cerca de 25 horas de duração. São 25 episódios que contam uma história somente, com o mesmo ritmo, o mesmo visual, a mesma estrutura narrativa... existe uma preocupação grande em manter a homogeneidade da produção para criar essa sensação de continuidade em que o terceiro ato de cada episódio e temporada não seja necessariamente o fim da história como um todo. Mantém-se, inclusive, o discurso do narrador Lemony Snicket (Patrick Warburton), que segue nos explicando como aquela história é terrível e como aquelas crianças sofreram.

Como encerramento da jornada, o terceiro ano funciona muito bem. Todas as questões introduzidas são explicadas: a organização secreta, o açucareiro, Beatrice, entre outras. Nada fica pendente e por mais que o final da série seja diferente dos livros, na adaptação televisiva a conclusão da história acaba sendo muito mais definitiva do que o necessário. Diferente de outras séries repletas de mistério que necessitam de explicações, Desventuras em Série se beneficiaria se terminasse ao final de "Penultimate Peril: Part 2", deixando o desfecho de certos pontos da aventura inconclusivo. Tudo o que se passa após as crianças deixarem o Hotel Desenlace é descartável e, de certa forma, chega até a manchar os bons momentos que antecederam o último lugar seguro.

Desventuras em Série é, entretanto, categorizada como uma produção infantil. Sendo assim, é compreensível a necessidade de um final conclusivo e definitivo à narrativa, levando em consideração que os protagonistas são os jovens Baudelaire e seus amigos ao longo dos três anos, criando toda a cumplicidade necessária com a jovem audiência do programa. Ao longo das suas 25 horas, a série é cativante, intensa, repleta de easter eggs e referências aos mais velhos que decidirem se aventurar por ela. Vale a pena investir o tempo e curtir essa bela jornada visual com Snicket, Olaf (Neil Patrick Harris) e os Baudelaire.

Nota do Crítico
Ótimo