Pôster de A Superfantástica História do Balão, série do Star+ obre o Balão Mágico

Créditos da imagem: Divulgação

Séries e TV

Artigo

Balão Mágico lava roupa suja em série biográfica

A Superfantástica História do Balão, do Star+, revela brigas de família e exploração infantil

Omelete
3 min de leitura
12.07.2023, às 06H00.
Atualizada em 12.07.2023, ÀS 16H12

Amigos do peito? Nem tanto assim. A Turma do Balão Mágico, sucesso dos anos 80, tem sua história desmistificada em série biográfica lançada nesta quarta-feira (12) pelo Star+. Quatro décadas após a explosão na música e na TV, o quarteto original se reúne para lavar a roupa suja e contar histórias inéditas do auge e do declínio do grupo infantil.

O documentário A Superfantástica História do Balão já começou polêmico com a reação negativa de Jair Oliveira e Simony ao trailer divulgado pelo Star+. O cantor, em sua rede social, corrigiu um trecho em que ele declarou não querer ser chamado de Jairzinho. A ex-colega o defendeu acusando a plataforma de "ferir a memória afetiva de tantas pessoas".

A animosidade ganha peso nos primeiros episódios da série, aos quais o Omelete assistiu antes da estreia. O reencontro dos quatro ex-artistas mirins (hoje à beira dos 50) escancara suas diferenças e os efeitos colaterais do sucesso em cada integrante.

A partir de agora, este artigo contém spoilers da série A Superfantástica História do Balão.

Tob e Mike rendem os melhores relatos do documentário. O primeiro, convidado para o Balão Mágico após a contratação de Simony, não esconde no olhar e no tom de voz os traumas do passado. No segundo episódio, ele chora ao recordar uma briga com Fofão (Orival Pessini):

"Não acertava o texto, e repete, repete. Ele estava de máscara, que esquentava, estava suando dentro. Chegou uma hora que ele pegou a máscara, jogou no chão e saiu andando. Aquele dia foi chato. Eu me senti mal", diz Tob.

Mike foi descoberto ao implorar na TV pela liberdade do pai, o ladrão britânico Ronald Biggs. O integrante mais excêntrico também guarda mágoas, mas transforma o ressentimento em sarcasmo. É o "Coringa" do Balão. "Houve uma época em que os shows eram caça-níquéis, de apenas 40 minutos. Trabalhávamos como burros de carga", revela.

Simony se mantém na defensiva, como se estivesse preocupada em preservar a "memória afetiva". A primeira componente estreitou seus laços com o Balão ao "empregar" a própria família. Maricleuza Benelli, mãe da cantora, aparece desmentindo as acusações de que teria abocanhado a maior parte dos lucros do conjunto musical.

"Não havia bilheteria, borderô, e meus irmãos sabiam disso porque nasceram no meio disso. Quase a família toda foi empregada. Ela conseguiu tirar todo mundo do circo. Ela mudou a vida de todo mundo", conta a mãe de Simony. "Simony não ganhava mais do que os outros. Todos ganhavam igual", pondera.

"Rolou muita grana, roubou-se muito dinheiro na mão de muita gente, e foi-se criando um clima, a coisa tomou uma dimensão assustadora", rebate Mike.

É de Maricleuza a ideia de alterar os negócios do Balão Mágico, e a série passa a focar na exploração infantil a partir da saída da produtora Mônica Neves para a entrada do empresário Paulo Ricardo, responsabilizado na série pelo declínio do grupo.

Na época, o Balão havia ganhado um programa na Globo e virado um quarteto com a entrada de Jairzinho, já conhecido por ser filho de Jair Rodrigues. Embora conhecesse a área musical, a família se impressionou com o excesso de trabalho imposto à criança.

"Hoje, como mãe e com consciência, penso como é cruel com essa criançada. É muito cruel!", avalia a cantora Luciana Mello, irmã de Jair.

Boni (ex-vice-presidente de Operações da Globo), Nilton Travesso (diretor do programa Balão Mágico), Marcos Maynard (chefão da gravadora CBS) e A Superfantástica História do Balão (compositor do repertório) surgem como coadjuvantes, todos se eximindo de culpa pelos traumas gerados no quarteto mirim.

A Superfantástica História do Balão cutuca feridas, mas também traz alívio nos depoimentos de fãs famosos, como Lázaro Ramos, Rodrigo Fagundes e Wendell Bendelack, provando aos mais novos por que o Balão Mágico é, até hoje, considerado um dos maiores fenômenos da cultura pop brasileira.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.