San Diego Comic-Con 2020

Artigo

O que esperar da 2ª temporada de The Boys

Origens, novos personagens e velhos traumas terão papel importante no novo ano

Gabriel Avila e Julia Sabbaga
24.07.2020
14h00
Atualizada em
31.07.2020
14h56
Atualizada em 31.07.2020 às 14h56

Após chegar ao Amazon Prime Video com um sucesso estrondoso, The Boys ganhou uma legião de fãs graças à sua abordagem violenta e pessimista sobre os super-heróis que se tornaram tão populares na última década. A adaptação da polêmica HQ de Garth Ennis e Darrick Robertson deixou uma série de questões para resolver em sua 2ª temporada, que foi tema de um painel especial durante a versão virtual da San Diego Comic Con. Com aproximadamente uma hora de duração, o bate-papo revelou algumas pistas sobre o que vem por aí na série.

Ao lembrar sobre o final do primeiro ano da série, é quase natural pensar em Billy Butcher. O líder da equipe teve seu sonhado confronto contra o Homelander, mas as coisas desandaram e ele acabou raptado pelo falso herói, descobrindo que sua esposa Becca (Shantel VanSanten) não apenas está viva como está criando o filho que teve com o líder dos Sete. Para Karl Urban, o grande conflito de seu personagem no novo ano será interno. “Se a primeira temporada era Butcher buscando vingança pela sua esposa, agora é sobre salvá-la, resgatá-la, e quão longe ele pode ir para fazer isso”, disse o ator.

É curioso que essa reflexão fará Billy tomar uma atitude realmente inesperada: pedir ajuda à um dos supers. Urban revelou que o carniceiro precisará unir forças com Starlight, heroínas dos Sete vivida por Erin Moriarty. “Eu realmente gostei de trabalhar com Erin, Starlight, no segundo ano, que é uma dupla muito improvável. Acho que isso a segunda temporada faz muito bem, ela joga personagens improváveis juntos e você vê como isso funciona".

Não é exagero dizer que Starlight é uma das personagens que mais se desiludiu com os eventos da primeira temporada. Para Moriarty, a conturbada trajetória de sua personagem a mudou profundamente no segundo ano, mas a vontade de fazer o bem permanece. "Seu objetivo é o mesmo, sua moral, mas ela é forçada a se adaptar ao mundo que ela se inseriu e seus meios para chegar nesses objetivos mudaram completamente”. Uma das novidades está em sua dinâmica com Hughie, que se torna um aliado necessário, mesmo tendo partido seu coração. “O único modo que os dois conseguem atingir seus objetivos é superar isso e trabalhar pelos seus objetivos juntos”, afirma.

Por falar em Hughie, é justo dizer que a segunda temporada marca seu momento de emancipação - mesmo que forçada. Para o intérprete Jack Quaid, esse momento de independência cai como uma luva para a evolução interna do garoto. "Na primeira temporada ele meio que se prende a muitas pessoas que o dizem o que fazer. Na segunda temporada ele está começando perceber como ele consegue fazer isso sozinho, quem ele realmente é por dentro, o que ele quer fazer, independentemente do Butcher, do Boys ou até de Starlight".

Encontrando um lugar no mundo

Do lado dos vilões - que ironicamente se disfarçam como heróis -, um tema muito forte para o novo ano é a busca por um lugar no mundo. Para Anthony Starr, esse será um momento de transição para o seu personagem, Homelander, que precisará enfrentar o mundo sem Stillwell (vivida na primeira temporada por Elizabeth Shue). Aparentemente matá-la será motivo de arrependimento para ele, já que o herói buscará formas pouco ortodóxas de se reconectar com ela. "A segunda temporada é mais interna, e não há nada mais interno do que leite, como um jeito de conectar os pontos da sua vida", comentou sobre a cena que aparece no trailer em que Homelander é visto bebendo leite materno. "Ele encontra traços da Stillwell, e se reconecta deste modo. Este é um modo de conexão pura entre Stillwell e Homelander na segunda temporada".

O que esperar da 2ª temporada de The Boys
Divulgação/Amazon Prime Video

Além de Homelander, que nas palavras de seu intérprete é “o homem mais forte, fisicamente, mas é o mais fraco internamente”, outro falso herói em busca de se entender é o Deep. Segundo Chance Crawford, seu personagem “ainda quer fazer parte dos Sete", mas essa busca o leva a experiências inesperadas: “Ele sai em algumas jornadas para encontrar amor e conexão, com algum humor espalhado por aí".

Os fantasmas do passado

Mais do que colocar seus personagens de volta ao jogo após os eventos do primeiro ano, a nova temporada de The Boys vai dedicar um tempo especial para estudar seus traumas passados. É o caso de A-Train, velocista dos Sete, que será obrigado a confrontar seus demônios já que não pode mais correr por conta dos efeitos colaterais do uso do Composto V, revela o ator Jesse T. Usher. "Tem tantas coisas das quais ele está fugindo, que chegou o momento em que ele precisa encará-las. (...) Todo lugar para onde olha ele se sente traído, ou odiado". Para o ator, a motivação para estar sempre a frente de tudo será ponto fundamental da jornada do herói no novo ano. "Ele tem muito medo das coisas que poderiam acontecer, de seus próprios pesadelos, eles o assombram e o levam a fazer coisas realmente loucas".

Se do lado dos falsos heróis o passado vai se fazer importante, o mesmo pode ser dito do lado dos Boys. Tomer Capon afirmou que seu personagem, Frenchie, será devidamente apresentado nessa nova temporada. "Veremos um pouco de sua história de origem. Eu amo essas coisas, a chance de conhecer um personagem. Você verá como Frenchie entrou no The Boys, e como outros entraram, e vamos revelar até o nome dele!"

Tiro, porrada e… Tripas de baleia?

Além de toda a evolução dos personagens, o painel deixou bem claro que os fãs podem esperar muita ação no próximo ano. Uma cena inédita foi mostrada no início da apresentação e ela simplesmente mostra o grupo explodindo uma baleia após uma perseguição marítima. Em meio a gargalhadas, o elenco relembrou os bastidores dessa cena, em que Karl Urban realmente teve a honra de pilotar o barco e que acabou com uma leve lesão para Jack Quaid. “Todo o elenco ria de mim por reclamar sobre ficar coberto de sangue na primeira temporada… Ninguém está rindo mais disso. Todos entendem”.

Além de toda a ação, o novo ano de The Boys vai tocar em questões sociais. O criador Erick Kripke relembrou que assim como a primeira temporada abordou o Me Too e a indústria armamentista, a segunda temporada tocará em temas como supremacia branca e racismo sistêmico. “Continuaremos fazendo isso, provavelmente ficando ainda mais afiados”. Essa abordagem pode ter relação com a apresentação de Stormfront, heroína vivida por Aya Cash, que nas HQs é um personagem abertamente nazista. Para a atriz estreante, debater problemas sociais é um dos pontos mais importantes da ficção. “Nos permite ver problemas atuais com maior distância, então podemos ouvir e aprender coisas novas”.

Depois de todas as declarações do elenco, o painel na San Diego Comic-Con introduziu a presença dos produtores Seth Rogen e Evan Goldberg, que apareceram para confirmar a renovação da série já para sua 3ª temporada. Com muito a ser revelado, e uma nova temporada já garantida, agora é só esperar para ver de que novas maneiras The Boys pode nos surpreender nos novos episódios.