HQ/Livros

Artigo

Superman 80 Anos | Como o herói mudou os quadrinhos para sempre

Estreia em Action Comics #1 transformou a história de super-heróis

Fábio de Souza Gomes
18.04.2018
18h13
Atualizada em
18.04.2018
19h00
Atualizada em 18.04.2018 às 19h00

Há exatamente 80 anos, a primeira edição de Action Comics chegava às bancas dos EUA. Na capa, um herói vestido em um uniforme azul com uma capa vermelha destruía um carro em uma rocha e mostrava que não era um ser humano comum. A estreia do Superman mudaria pra sempre a história dos quadrinhos, influenciaria milhares de heróis e transformaria as HQs em um fenômeno cultural mundial.

Reprodução/Alex Ross

No início da década de 30, Jerry Siegel e Joe Shuster se conheceram em Cleveland, Ohio. A amizade logo floresceu pois ambos eram ávidos fãs de ficção e compartilhavam a leitura de antigas publicações como Amazing Stories, assistiam filmes como Zorro e Robin Hood, além de acompanharem tirinhas de jornais. “Quando Joe e eu nos conhecesmo, foi como os elementos químicos certos se misturassem”, afirmou Siegel segundo o livro A Identidade Secreta dos Super-Heróis, de Brian J. Robb.

A dupla deu seus primeiros passos no jornal do colégio e a cada trabalho evoluíam mais, mas não conseguiram vender nenhuma história para as publicações que admiravam. Com isso, acabaram publicando de maneira independente uma HQ chamada Science Fiction – onde nasceu o nome do futuro herói. O personagem da época era um vilão careca e telepático, mas conceitos como interferência interespacial e a ideia de superpoderes começaram ali.

Em 1933 eles tentaram vender o personagem para uma revista chamada Detective Dan. Repaginado como um herói, ele ainda não tinha seu famoso traje e apesar do editor da época ter gostado da ideia inicialmente, a HQ acabou cancelada e o personagem ficou jogado ao limbo - deixando os criadores desanimados com sua nova criação.

Contudo, a ideia desse herói não abandonva a dupla. Um dia, Siegel passou uma noite criando um novo visual e decidiu que ele deveria ter super-força – o que o faria ser mais imponente. Além disso, se tivesse uma capa ele poderia mostrar movimento em seu desenho e pensou em cores primárias para que ele se destacasse entre as pessoas comuns. Junto com Shuster, eles decidiram que o herói deveria ter um “S” no peito e o uniforme acabou sendo inspirado nos collants utilizados por artistas circenses.

Reprodução/DC Comics

Depois disso, começaram a criar uma origem e a principal definição foi: ele não seria humano. Utilizando como inspiração arquétipos místicos – o mais claro sendo o de Jesus – esse seria um herói que veio de outro lugar para salvar a Terra. Para lhe dar uma cara mais humana, ele seria um jornalista tímido e excluído, assim como seus criadores eram na vida real. O visual de Clark Kent tomou como inspiração o comediante Harry Lloyd, um dos maiores nomes do cinema mudo da história, e seu nome seria uma homenagem ao astro Clark Gable (de ...E O Vento Levou).

Apesar do sucesso do heróide parecer óbvio, ainda demoraria alguns anos para que ele tivesse espaço em uma HQ. Foi somente em 1938 que um dos editores de uma nova HQ chamada Action Comics viu o potencial do herói e ofereceu 13 páginas aos quadrinistas, abrindo aquela que é conhecida como “Era de Ouro” dos super-heróis.

Os quadrinhos passaram a ser um dos veículos de entretenimento mais importantes dos EUA e o Superman virou a base para a grande maioria dos heróis. Além de diversas paródias e inspirações claras, diversos conceitos do personagem aparecem em outros clássicos das HQs, do Capitão América e o Homem-Aranha até a Mulher-Maravilha.

Hoje, o Superman virou um símbolo dos heróis. Uma sombra de um homem de capa voando remete imediatamente ao personagem. O Homem de Aço mudou definitivamente os quadrinhos e é inegável a importância do Homem de Aço para os heróis como conhecemos hoje.