Aves de Rapina/Capitã Marvel/Black Cloak

Créditos da imagem: DC Comics/Marvel Comics/Image Comics/Divulgação

HQ/Livros

Entrevista

Kelly Thompson fala sobre deixar Capitã Marvel e nova fase das Aves de Rapina

Quadrinista ficou no comando do principal título de Carol Danvers por 50 edições

Omelete
10 min de leitura
29.01.2024, às 18H00
ATUALIZADA EM 29.01.2024, ÀS 18H42
ATUALIZADA EM 29.01.2024, ÀS 18H42

Publicada recentemente no Brasil em Capitã Marvel – Vol. 9: A Vingança da Ninhada, a 50ª edição do volume mais recente de Carol Danvers marca a despedida de Kelly Thompson, premiada roteirista dos quadrinhos que já comandou histórias de Gaviã Arqueira, Jessica Jones e X-Men. Desde 2019 à frente do título, a quadrinista deu à heroína sua meia-irmã, uma própria ajudante e a jogou em um vai-e-vem temporal causado por forças místicas.

Deixando a Casa das Ideias, a roteirista assume Aves de Rapina, na DC, apresentando uma nova formação da equipe liderada por Canário Negro. Para a seleção, Thompson escolheu uma mistura pouco comum, incluindo membros como Grande Barda e Devota. “Em títulos de equipe de super-heróis, grande parte da alegria está na química da equipe”, disse ela em entrevista ao Omelete. “Essa química precisa estalar, então nem sempre estou em busca de cinco melhores amigos.

Thompson também falou sobre seus trabalhos originais mais recentes, Black Cloak, cujo conceito inicial era uma mistura de True Detective e Game of Thrones, e The Cull, que usa do terror para abordar temas como luto e depressão. “Muitas vezes é difícil olhar diretamente para nossos horrores cotidianos “chatos” – até mesmo entendê-los – e passá-los através de lentes para que possamos processar a metáfora às vezes pode ser útil e curativo.”

Confira abaixo nossa entrevista com Kelly Thompson:

Omelete: Vamos começar com seus trabalhos originais mais recentes, temos uma história policial de fantasia com Black Cloak e um livro de suspense/terror/ficção científica, The Cull. Quão importante é para um escritor – e para os leitores, aliás – trabalhar com uma variedade de gêneros?

Kelly Thompson: Na verdade, não acho que seja nada importante. Algumas pessoas realmente se destacam em uma coisa específica e são magistrais nisso e, embora isso às vezes possa limitá-lo como criador, também pode ajudá-lo a construir um ambiente realmente ótimo e um público fiel que sabe te procurar naquele gênero, que vai te seguir. Mas você também pode fazer do meu jeito – onde você tenta um pouco de quase tudo. Acho que talvez seja um pouco mais arriscado, mas é a única maneira que sei fazer isso. [Risos]

Eu adoro uma boa história de detetive, então Black Cloak imediatamente me prendeu. Qual você acredita ser o elemento mais importante na elaboração de um mistério de assassinato como este?

Ah, provavelmente um ótimo começo e fim. Com qualquer tipo de história de mistério, você precisa daquele excelente gancho de abertura e também precisa ter um final matador. Sinto que os leitores perdoam pequenos “erros” ao longo da sua história, desde que você termine forte.

Você se inspirou em alguma obra específica quando criou o conceito do livro?

Quando pensei pela primeira vez em Black Cloak, duas das referências de alto conceito eram True Detective e Game of Thrones, então essas certamente foram influências de certa forma. Mas onde terminamos foi bem diferente de onde comecei – como deveria ser! Direi que depois que a história de Black Cloak foi desenhada e a construção de mundo foi bem estruturada, por acaso vi a série Arcane e simplesmente adorei. É muito diferente de Black Cloak em muitos aspectos, mas vejo semelhanças na construção do mundo e nos arcos dos personagens e isso me enche de alegria.

Black Cloak
Black Cloak/Image Comics/Divulgação

As primeiras páginas de The Cull já nos jogam em uma jornada que certamente discutirá trauma e luto. Por que você acha que o terror é um gênero tão bom para falar sobre esses assuntos com os quais a maioria de nós só consegue lidar na terapia?

Acho que o terror é uma ótima metáfora para as coisas que nos afligem. É flexível porque você pode aplicá-lo a quase tudo. Muitas vezes é difícil olhar diretamente para nossos horrores cotidianos “chatos” – até mesmo entendê-los – e passá-los através de lentes para que possamos processar a metáfora às vezes pode ser útil e curativo... Ou até mesmo apenas nos alertar sobre algo que está errado em primeiro lugar.

Como alguém que lida com depressão e ansiedade, a edição 2 de The Cull me pegou como poucos quadrinhos fizeram recentemente. Você acha difícil escrever sobre um assunto tão delicado e ao mesmo tempo elaborar uma história que seja divertida?

Bem, estou feliz que você tenha se conectado emocionalmente com isso, esse é sempre o objetivo. E The Cull é um livro muito emocionante. Acho complicado escrevê-lo, mas é literalmente um quadrinho projetado para processar luto e trauma. Então, eu sabia que estava entrando em águas escuras e turbulentas. Mas também sabia que tinha um copiloto incrível, o artista Mattia De Iulis. Isso torna tudo possível.

The Cull
The Cull/Image Comics/Kelly Thompson/Substack/Divulgação

Entrando na sua fase de Capitã Marvel agora: comandar 50 edições de uma grande história em quadrinhos de super-heróis não é uma tarefa fácil, especialmente uma tão elogiada por fãs e críticos. Por que você acredita que suas histórias em particular se conectaram a tantos leitores?

Sinceramente, não tenho ideia. Eu me esforço muito em cada livro que faço e é um mistério total para mim por que algumas coisas chegam a 50 edições e outras são canceladas em 10. Eu realmente acho que o grande fator X que nenhum de nós quer admitir é esse personagem. E o tempo e a pressão do seu editor fazem uma enorme diferença. Pegar a Capitã Marvel ao mesmo tempo em que ela estava prestes a se tornar uma personagem de um bilhão de dólares graças ao filme nos deu uma vantagem e um motivo para a Marvel nos promover fortemente. Alguns movimentos inteligentes que fizemos (e alguns acidentes!) ajudaram a nos dar uma vantagem em um momento perigoso para o título. Mas com tempo suficiente, trabalho de qualidade e incentivo suficiente da Marvel, a base de fãs realmente nos encontrou e nos sustentou. A Carol Corps é um negócio sério!

Você também teve a tarefa pouco invejável de seguir duas interpretações icônicas do personagem, substituindo escritores que redefiniram Carol Danvers. Qual foi o seu processo para construir a partir dessas histórias e ao mesmo tempo colocar sua própria voz nelas?

Isso é sempre difícil – Kelly Sue DeConnick lança uma grande sombra durona! Mas, honestamente, quanto mais livros eu escrevo, mais vezes isso acontece - foi difícil enfrentar Hawkeye depois daquela temporada de [Matt] Fraction/ [David] Aja/ [Annie] Wu, foi difícil escrever Jessica Jones depois de Brian Michael Bendis, e agora, claro, Aves de Rapina – que virou um título completamente icônico nas mãos de Gail Simone. Então, isso vai acontecer muito com você se tiver algum sucesso neste negócio. Tento o meu melhor para não ser arrogante com o que estou herdando. Ser respeitosa e tentar construir em vez de destruir. Nem sempre funciona perfeitamente, mas é sempre meu objetivo.

Capitã Marvel
Capitã Marvel/Marvel Comics/Divulgação

Carol passou por dificuldades durante a sua fase, questionando a si mesma e seu lugar como a verdadeira heroína mais poderosa da Terra e seu papel em manter a paz no universo, mas há alguma história em particular que você não conseguiu fazer e gostaria que fosse para as bancas?

Bem, estava tentando chegar àquela história de Ninhada/X-Men [publicada no Brasil pela Panini] durante toda a minha fase! Então, até esse final, teria respondido essa história. Mas finalmente [a publicamos]. Tenho algumas outras histórias guardadas para Carol e talvez algum dia eu possa contá-las, mas elas não pareciam certas para onde estávamos na época – e terminar em 50 edições parecia certo, parecia que era hora de passar o bastão para alguém.

A edição 50 se concentra muito menos na ação e mais nos relacionamentos de Carol com seus amigos e familiares, muitos dos quais você explorou em sua fase. Por que você acha que essa abordagem parece um final tão perfeito mesmo depois de uma fase cheia de ação?


Bem, obrigado por dizer isso. Eu realmente briguei com isso, na verdade. Acho que sou bastante conhecida pela ação em meus livros e continuei tentando fazer da edição 50 uma grande peça de ação, mas simplesmente não funcionou, especialmente depois de sair do arco anterior cheio de emoção. Todas as coisas importantes, e as coisas que eu pensei que os fãs de longa data realmente desejariam, eram mais emocionais. Mais acerto de contas. Então foi isso que fizemos. Fiquei muito feliz com o resultado geral – especialmente com toda a arte linda de Javier Pina e David Lopez.

O livro está em boas mãos com Alyssa Wong chegando a bordo. Elu pediu algum conselho sobre como assumir o título de Capitã Marvel?

Aves de Rapina
Aves de Rapina/DC Comics/Reprodução

Não, mas isso é bastante normal, pela minha experiência. Você está tentando traçar seu próprio caminho e é difícil, então às vezes você não quer estar na cabeça de outra pessoa. Além disso, alguns criadores [tosse] eu [tosse] podem ser superprotetores, especialmente, após uma fase longa. Desejei boa sorte para Alyssa e tentei apoiá-le publicamente, mas, para mim, tendo a me afastar um pouco de meus projetos depois que eles terminam... Apenas para ajudar a me desconectar e seguir em frente.

Vamos falar de Aves de Rapina agora, porque você escolheu uma escalação, digamos, pouco ortodoxa para o time. O que te atraiu a reunir essas personagens específicas?

Adoro colocar personagens estranhos uns com os outros e ver o que acontece. Em títulos de equipe de super-heróis, grande parte da alegria está na química da equipe. E essa química precisa estalar, então nem sempre estou em busca de cinco melhores amigas, sabe? Parte do meu sentimento sobre AdR era que você não pode tentar superar o que Gail Simone fez e, portanto, distanciar-me desses personagens e dinâmicas exatas foi uma maneira de darmos um passo – esperançosamente interessante – em uma nova direção. Até agora parece que está funcionando muito bem! [Risos]

A arte de Leo Romero e Jordie Bellaire neste livro realmente me lembrou o trabalho clássico de Jack Kirby. Como foi a discussão para trazer esse “classicismo” para um livro moderno?


Bem, eu sempre soube que conseguiríamos algo espetacular dos dois, pois eles são uma equipe incrível. Leo falou um pouco sobre como ele queria abordar cada personagem de uma forma que deixasse a arte ser influenciada por suas origens – então sim, você tem muitas vibrações de Kirby em todas as coisas de Barda, enquanto as coisas de Dinah parecem um pouco mais [Alex] Toth talvez, e o material da Devota tem toda a vibe dos anos 1990, se você olhar as poses e até mesmo os layouts de página e bordas dos painéis. É realmente outro nível de raciocínio [dos artistas] e espero que, com o tempo, as pessoas realmente examinem mais profundamente o quão cuidadosa foi a abordagem do Leo neste livro. Ao mesmo tempo, Jordie nos deu essas paletas e texturas incrivelmente selvagens de quadrinhos populares que são diferentes de tudo nas prateleiras atualmente.

Aves de Rapina sempre foi um livro mais urbano, mas com Barda e Zannah na equipe, podemos esperar mais aventuras extraterrestres da equipe?

Aves de Rapina tem sido tradicionalmente uma equipe de rua e uma espécie de espionagem, talvez? Mas foram tantas coisas em sua longa vida que realmente não sinto que o que estamos fazendo seja um desvio. Mas, sim, para essas primeiras edições não estamos fazendo muita coisa de espionagem e precisávamos de algumas “grandes armas” para este arco de Themyscira. Isso continuará a ser verdade para o terceiro arco, embora o segundo seja comparativamente mais ao nível da rua.

Ambas as edições um e dois têm páginas incríveis do Efeito De Luca [o popular “plano sequência” aplicado aos quadrinhos], que se tornaram sua marca registrada nos últimos anos graças a Gavião Arqueiro e Viúva Negra. Qual você acredita ser o segredo para criar a cena de ação “de tomada única” perfeita, além de ter grandes artistas colocando essas cenas no papel?

Aves de Rapina
Aves de Rapina/DC Comics/Reprodução

Sim, sou um grande fã do Efeito De Luca e incluo-o em todas as edições onde faz sentido. Todos os artistas com quem trabalhei fizeram coisas realmente interessantes com ele – que é um dos meus aspectos favoritos de usá-lo – para ver como diferentes artistas abordam a ideia. Mas Elena Casagrande (Viúva Negra) e Leo (Aves de Rapina, Gavião Arqueiro) realmente se destacam como os artistas que gostam tanto de De Luca quanto eu, ou apenas querem me fazer feliz. [Risos] Cada vez que eu escrevia um spread de De Luca para eles, eles subiam cada vez mais o nível. Realmente não achei que Leo conseguiria superar o que fez em Aves de Rapina #1, mas na quarta edição ele nos deu uma ainda melhor? Talvez? Incrível!

Ainda estamos nas primeiras edições do livro, mas há algo que você está particularmente animada para os fãs verem?

Bem, se eu não tivesse demorado tanto para responder, teria dito Aves de Rapina #4, que além da edição #1 era provavelmente minha edição favorita – já que a equipe enfrenta a Mulher-Maravilha em vários graus. É também a edição em que o tamanho da ameaça de Megaera realmente fica clara. Essa última página da quarta edição arrasa muito.

Agora, você trabalhou com os maiores e mais famosos personagens dos quadrinhos ao longo dos anos. Há algum em particular que você ainda não escreveu e deseja riscar da sua lista de desejos? E tem algum personagem que você gostaria de voltar a escrever um dia?

Alguém aqui já ouviu falar daquele cara, o Batman?

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.