HQ/Livros

Artigo

Jarid Arraes transforma em cordel histórias de heroínas negras brasileiras

Livro reconta as lutas de Dandara, Carolina Maria de Jesus, Tereza de Benguela, entre outras

Milena Enevoada
20.11.2020
09h00
Atualizada em
19.11.2020
20h46
Atualizada em 19.11.2020 às 20h46

Na cultura pop estamos acostumados a ver heróis que nos inspiram e carregam um pouco da nossa realidade - mas a levam além. É inspirador ver a força da Mulher-Maravilha e o nosso senso de justiça se eleva quando acompanhamos o Capitão América. Mas, será que todos nós nos vemos nesses heróis convencionais? Será que eles representam todes?

Capa do livro Heroínas Negras Brasileira em 15 Cordéis, de Jarid Arraes
Companhia das Letras/Divulgação

É essa lacuna, que muitas vezes passa despercebida, que o livro Heroínas Negras Brasileira em 15 Cordéis, de Jarid Arraes, preenche. Relançada em nova edição pelo selo Seguinte da Editora Companhia das Letras, com ilustrações de Gabriela Pires, a obra é uma imersão incrível tanto na história do Brasil quanto nas trajetórias de mulheres incríveis que moldaram o país e lutaram para conquistar muitos direitos, que hoje nos garantem a liberdade de usar a maior arma de todas: nossa voz.

Com uma forma de narrativa a que muita gente não está acostumada, os 15 cordéis trazem a história de Dandara, Carolina Maria de Jesus, Tereza de Benguela, Maria Crioula, entre outras mulheres de força. Eu tenho certeza que, você leitor ou leitora, não conhece algumas - ou nenhuma dessas mulheres - e tudo bem, porque eu não também não conhecia muitas delas, não tive aulas sobre elas. E isso porque a história as invisibiliza e traz apenas a versão contada pelo ponto de vista do homem branco colonizador. Um destino tão injusto quanto o de muitos heróis que são tidos como vilões por uma sociedade que simplesmente não os aceita, na maioria das vezes por não seguir o padrão dominante e não seguir as regras que a sociedade dita.

Sendo assim, qual a diferença dessas heroínas para os heróis convencionais? Muitos vão dizer que elas não tinham super-poderes, alguns até vão dizer “poxa, mas que coisa chata”, mas, como eu disse no começo, existiram muitos heróis e heroínas que lutaram para que tivéssemos liberdade hoje, assim como os heróis dos quadrinhos. Seus super-poderes eram o conhecimento, manter-se de pé mesmo quando apanhavam, gritar quando eram injustiçadas, não se render a opressão...

Adoro a história de Dandara, lendária companheira de Zumbi e também associada ao Quilombo dos Palmares, pois não sabemos se ela é uma lenda ou se realmente existiu. Verdade ou mito, a história do seu sacrifício para salvar o povo negro e não se render a escravidão é muito inspiradora, apesar de triste (ela teria se matado depois de ser presa, para não voltar à condição de escrava). Mas costumo dizer que alguns sacrifícios precisam ser feitos para que as próximas gerações possam aproveitar as liberdades pelas quais lutamos - sem esquecer da história de quem permitiu que isso acontecesse. 

Heroínas Negras Brasileira em 15 Cordéis

Autora: Jarid Arraes

Ilustradora: Gabriela Pires

Páginas: 176

Preço: R$ 34,90

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.