HQ/Livros

Artigo

A Origem de Wolverine

A Origem de Wolverine

Érico Borgo
12.04.2002
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h12
Atualizada em 21.09.2014 às 13h12
Há vinte e sete anos, o roteirista Len Wein apresentava aos leitores do gibi do incrível Hulk, um novo oponente para o gigante esmeralda.

Era um cara fortão, peludo, violento, extremamente ágil e dono de garras indestrutíveis. Num ridículo uniforme amarelão com bigodinhos felinos estilizados, cortesia do ilustrador Herb Trimpe, aparecia pela primeira vez aquele, que se tornaria, em breve, o MAIOR dos mutantes da Marvel Comics, o enigmático Wolverine.

Sua meteórica carreira foi catapultada quando passou a integrar os Novos X-Men, o grupo criado pelo Professor Charles Xavier para salvar seus pupilos originais. A partir daí, começou a crescer o fascínio por Wolverine e seu jeito animal.

Parte do apelo de Logan (seu suposto nome verdadeiro) junto ao público, foi obtido pela omissão de detalhes sobre o seu passado. Essa decisão inusitada ia contra tudo a que os leitores estavam acostumados nas HQs. Via de regra, não tardava nada e as editoras logo apresentavam as origens de seus protagonistas.

Território sagrado para a Marvel, o passado de Wolverine tornou-se um tabu, sendo apenas pincelado por diversos escritores ao longo dos anos. O quebra-cabeça que são suas raízes têm pedaços no Canadá, Japão, Europa e Estados Unidos, espalhando-se também no tempo, muito além da idade que o mutante aparenta ter.

Enfim, o maior mistério já criado pela Marvel Comics.

A revelação


Capa da primeira edição americana

Em meados do ano passado, foi divulgado que finalmente seria contada a história de Logan. A mini-série se chamaria Origin e teria como equipe criativa o premiado escritor Paul Jenkins (Inumanos), o ilustrador Andy Kubert (Ultimate X-Men) e o colorista Richard Isanove. As seis edições começariam a ser lançadas em setembro.

Imediatamente após o anúncio, começou o alarde dos fãs, certos de que se tratava de um caça-níqueis para alavancar vendas. As manifestações deixaram claro que o passado do mutante Wolverine não era tabu apenas para a Marvel, e que a dupla Joe Quesada (editor-chefe da Marvel) e Bill Jemas (presidente da empresa) estavam pisando em gelo fino.

Oportunismo ou não, as vendas da primeira edição ultrapassaram os 130 mil exemplares - o que corresponde a mais de 450 mil dólares - mantendo a Marvel no posto de maior editora de HQs no mercado norte-americano, mesmo com as excepcionais vendas de Cavaleiro das Trevas 2, da DC Comics!

Origem


Capa da edição nacional

Quando finalmente chegou às comic shops, Origin foi um baque. Nada de heróis grandiosos, complôs mirabolantes ou superseres. O texto primaz de Jenkins nos transporta ao final do século XIX, até uma fazenda em Alberta, no Canadá. Lá, somos apresentados a Rose, uma jovem orfã que chega à propriedade dos Howlett, uma abastada família local.

John Howlett, o chefe da família, acolhe Rose para trabalhar como tutora e servir como companhia para seu único herdeiro, o adoentado James. Até então, a única criança nas redondezas era Cão, o filho do capataz da fazenda, um homem violento e rancoroso chamado Thomas Logan. A decisão de Howlett visa abrandar a carga de tragédias em sua vida, marcada pela morte do seu primogênito, o que resultou na insanidade de sua esposa, e pelo repúdio de seu pai, o opressor patriarca da família.

Conforme os anos passam, Rose, James e o jovem Logan tornam-se amigos, partilhando as alegrias da infância. No entanto, à medida em que a adolescência se aproxima, seus problemas começam a surgir e desencadeiam uma seqüência de eventos que parecia iminente desde a primeira página...

A sagacidade com que a trama é contada, cheia de reviravoltas e armadilhas inteligentes, amarra o passado de Wolverine de uma maneira que eu julgava impossível - sem desconsiderar seu futuro, esse sim conhecido pelos leitores.

Veja também algumas imagens da alguns dos momentos mais marcantes da carreira do mutante. Clique aqui.