Pokémon - Mewtwo Contra-Ataca: segredos e histórias não contadas do filme

Netflix

Artigo

Pokémon - Mewtwo Contra-Ataca: segredos e histórias não contadas do filme

Longa clássico ganhou nova versão pela Netflix

Fábio Garcia
29.02.2020
11h51
Atualizada em
27.03.2020
15h03
Atualizada em 27.03.2020 às 15h03

No comecinho dos anos 2000, o Brasil havia sido dominado por uma febre transmitida por um rato amarelo com poderes elétricos. A tal da mania por Pokémon estava no auge e a Warner Bros lançou nos cinemas do Brasil o filme Mewtwo Contra-Ataca, o primeiro longa-metragem de Pokémon. Milhares vibraram com Ash enfrentando o pokémon geneticamente modificado Mewtwo, seu maior adversário até então.

Pouco mais de 20 anos depois deste acontecimento, os brasileiros podem novamente reencontrar o filme do Mewtwo através de um remake produzido pela Pokémon Company e disponibilizado no mundo todo pela Netflix. Em Mewtwo Contra-Ataca - Evolução, o original é revisitado usando uma animação feita totalmente em computação gráfica na promessa de reviver todos aqueles sentimentos do passado. Porém, há muito mais coisa por trás disso tudo: a história por trás destas duas produções é tão interessante quanto o próprio filme.

Um filme "incompleto"

Mewtwo Contra-Ataca foi lançado no Japão em julho de 1998 em meio à exibição da fase clássica de Pokémon. O caso da epilepsia causado pelo episódio do Porygon já havia ficado para trás e a série voltou a dar lucro como nunca. Para estrear Pokémon com tudo no cinema, o roteirista Takeshi Shudou criou uma história que inovava ao se misturar com os episódios exibidos na televisão. Ou seja, no meio da série já havia cenas que seriam reapresentadas (e explicadas) no filme.

Nessa trama acompanhamos a criação de Mewtwo, um clone do lendário Pokémon Mew, e vemos como ele se rebela após ser usado por Giovanni para destruir tudo. Mewtwo passa a habitar uma ilha abandonada e atrai treinadores Pokémon (entre eles o nosso querido Ash Ketchum) para mostrar o poder de seus clones. Mewtwo Contra-Ataca tem uma história bem mais dramática do que o anime, tanto que muita gente se lembra de chorar no cinema na cena em que Ash é petrificado pelo antagonista. O que muitos desconhecem é que a história do filme exibido no Brasil está incompleta.

O filme apresentado na estreia japonesa não era o mesmo exibido nos cinemas ocidentais um ano depois. A primeira versão de Mewtwo Contra-Ataca trazia basicamente o mesmo filme, porém era feito com animação tradicional em todas as cenas. Algum tempo depois foi lançada uma versão "avançada" do filme em que substituíam algumas artes por animação computadorizada (como portas ou nuvens). Essa versão avançada também trouxe dez minutos a mais na introdução, contando a origem de Mewtwo.

Quando Mewtwo Contra-Ataca foi lançado no ocidente, a Warner usou essa versão com cenas retrabalhadas, mas tirou esse curta sobre a origem de Mewtwo. Diálogos foram modificados e até a personalidade do antagonista no ocidente, mais "dark", é diferente da versão oriental. Demorou muito tempo para que tivéssemos acesso a esse curta da origem de Mewtwo: alguns minutos foram colocados como extra no DVD e no VHS do filme original, e enfim ele foi lançado completo para "nós" no DVD de O Retorno de Mewtwo (filme produzido direto para home-video). O "nós" está entre aspas porque os brasileiros até hoje não puderam assistir a esse curta oficialmente, já que a versão em home-vídeo que chegou ao país não continha essa introdução. 

A história do curta perdido

Neste curta de 10 minutos conhecemos a pesquisa do Dr Fuji, o responsável por encontrar o fóssil do Mew na região amazônica do mundo de Pokémon. Ele foi financiado por Giovanni, o presidente da Equipe Rocket, com o objetivo de criar uma máquina de guerra, mas Dr Fuji queria apenas continuar com suas pesquisas de clonagem para trazer de volta sua filha Amber.

O experimento de Mewtwo dá certo e ele começa a interagir com clones do trio de Pokémon iniciais (Bulbasaur, Charmander e Squirtle), assim como o clone de Amber. Eles formam um laço de amizade forte e têm diversos papos filosóficos sobre criação, mas infelizmente os amigos de Mewtwo morrem devido às complicações da clonagem.

É aí que chegamos no filme exibido nos cinemas, em que Mewtwo se revolta e foge do laboratório do Dr Fuji e começa a trabalhar para Giovanni. Esse curta também explica os três Pokémon iniciais de Mewtwo no filme, que não foram clonados dos treinadores e são apenas clones dos antigos amigos do jovem Mewtwo.

O remake

Anunciado em dezembro de 2018 como uma comemoração aos 20 anos da exibição do original, Mewtwo Contra-Ataca - Evolução é o primeiro longa-metragem de Pokémon totalmente feito em computação gráfica. A nova versão pega basicamente o roteiro do filme de Takeshi Shudou e refaz o longa original com um novo visual, com leves alterações.

A história que assistimos no longa de 20 anos atrás está intacta: Ash, Misty e Brock (que já nem participam mais do anime atualmente) viajam até a ilha de Mewtwo para enfrentar o perturbado clone. Os momentos icônicos, como as lágrimas curando Ash ou então um Dragonite levando o convite para o duelo estão todos aqui, com uma animação tridimensional questionada por muitos fãs (às vezes parece que estamos vendo um filme computadorizado feito alguns anos atrás).

Muito se falou que Evolution poderia ser uma porta para mais remakes, mas ficou por isso mesmo: o longa-metragem seguinte de Pokémon não adapta O Poder de Um (o filme do Lugia) e sim uma história original de subtítulo "Coco", com animação tradicional. Ou seja, Evolution é somente uma celebração de um filme muito querido pelo público, e não um começo de retornos à franquia cinematográfica. Considerando que Pokémon tem muito filme de mediano para baixo, isso é até uma boa notícia.