Música

Lista

10 anos sem Rick Wright: melhores performances do tecladista do Pink Floyd

Suas performances e composições mais memoráveis

Julia Sabbaga
15.09.2018
08h30
Atualizada em
15.09.2018
11h48
Atualizada em 15.09.2018 às 11h48

"Sem 'Us and Them' e 'The Great Gig In The Sky', o que teria sido The Dark Side Of The Moon?". "Sem seu calmo toque , o álbum Wish You Were Here não teria funcionado". Estas foram algumas frases usadas por David Gilmour há 10 anos, para expressar a relevância de Rick Wright, tecladista do Pink Floyd, que faleceu em 15 de setembro de 2008, de câncer.

Wright não foi apenas o tecladista do Pink Floyd. Um dos fundadores da banda, junto com Roger Waters, Nick Mason e Syd Barrett, o músico serviu também como vocalista e um dos principais compositores em diversas canções do grupo, inclusive algumas de suas mais clássicas. Em 2008, quando o tecladista faleceu, a BBC escreveu em seu obituário que um capítulo da música britânica se encerrava. Sobre sua influência no Pink Floyd, o texto escrevia: "Seus órgãos atmosféricos e sintetizadores tomaram, diversas vezes, a frente das músicas do Pink Floyd. Em outras, eles serviram como um sonho ao fundo, sobre o qual a banda poderia navegar”.

Relembrando o legado de Rick Wright, reunimos abaixo algumas das composições e performances mais memoráveis do músico.

“Astronomy Domine"

O distinto toque de Richard Wright já estava presente na primeira faixa no primeiro álbum do Pink FloydThe Piper at the Gates of Dawn, de 67. Na composição psicodélica de Syd Barret, Wright criou uma base no orgão que se tornaria característico do space rock, por mais que a banda negasse o título. Ouça aqui. 

"Interstellar Overdrive"

Um pouco mais tarde, no mesmo disco, o Pink Floyd inovou gravando uma das primeiras peças instrumentais e psicodélicas improvisadas de uma banda de rock. "Interstellar Overdrive" dá crédito a todos os membros da banda e em seus quase 10 minutos, traz grandes destaques de Wright, tanto na linha do órgão quanto na viagem do teclado. Ouça aqui. 

"Summer of 68"

No álbum de 70, Atom Heart Mother, Rick Wright incluiu uma música instantaneamente cativante, uma balada com uma sonoridade claramente mais acessível que o resto do disco. "Summer of '68" foi gravada pelo músico no Abbey Road, e trazia um piano romântico e uma letra sobre os romances de turnê. Ouça aqui. 

"Echoes"

É difícil não citar "Echoes" quando se fala sobre o instrumental do Pink Floyd. Na faixa de 23 minutos que fecha o álbum Meddle, de 1971, cada um dos membros contribuiu com a sua composição instrumental. A música, considerada precursora para o Dark Side of the Moon, traz um longo solo de orgão de Wright, que também toca piano e cria a harmonia vocal com David Gilmour. Ouça aqui. 

"Time"

Em "Time", quarta faixa do The Dark Side Of The Moon, de 1973, Wright entregou uma de suas performances vocais mais marcantes. A faixa que traz composições de todos, e se tornaria uma das mais emblemáticas do Pink Floyd, marcou a última vez que o tecladista cantaria os vocais principais até o disco de 1994, The Division Bell. Ouça aqui. 

"The Great Gig In The Sky"

Harvest/Divulgação

"The Great Gig In The Sky" é geralmente a primeira mencionada quando se relembra o legado de Wright. Isto porque, uma das faixas mais clássicas do The Dark Side of the Moon, é uma composição apenas de Wright, que mais tarde compartilharia os créditos com a cantora por trás dos vocais improvisados da canção, Clare Torry. "The Great Gig In The Sky" traz uma performance intensa de Wright, que Roger Waters descreveu como uma das melhores coisas que Wright já fez. Ouça aqui. 

"Us and Them"

"Us and Them" foi uma composição originalmente solo de Rick Wright, feita para a trilha sonora do filme Zabriskie Point. Quando o diretor Michelangelo Antonioni recusou a composição, ela foi retrabalhada para o The Dark Side Of The Moon, e ganhou vocais de Roger Waters. Wright introduz a música com o orgão Hammond, mas também trabalha em pianos tanto no fundo quanto em um belo solo, na metade final da faixa. Ouça aqui.

"Shine On You Crazy Diamond"

Em termos de virtuosidade, "Shine On You Crazy Diamond", a homenagem da banda ao Syd Barret, é talvez o melhor exemplo dos talentos de Rick Wright. A faixa, dividida em 9 partes, traz diversos momentos marcantes do músico nos sintetizadores, principalmente nas últimas seções da música, e na última parte, uma composição solo de Wright. Ouça aqui. 

“Wearing the Inside Out"

Depois de algum tempo de fora das composições do Pink Floyd, Wright voltaria ao centro para o disco de 94, The Division Bell. A delicada e melancólica faixa “Wearing the Inside Out", creditada apenas a ele (com letras de Anthony Moore), é a única do disco que não traz créditos a David Gilmour, e marca a última performance vocal de Wright em um álbum do Pink Floyd. Ouça aqui. 

Menção honrosa: "Paint Box"

Sem grandes solos ou fritações, o Pink Floyd lançou o single "Paint Box" em 1967, como um lado B do single "Apples and Oranges".  Uma das primeiras composições de Wright, o tecladista aparece no vocal principal e tocando um característico piano, incluindo um curto solo ao fim. Memorável por representar o nascente talento dos músicos, "Paint Box" também trouxe a primeira aparição de David Gilmour na banda, em um vídeo gravado em 68. Veja aqui.