Elenco de One Píece no Tudum (Netflix/Divulgação)

Créditos da imagem: Elenco de One Píece no Tudum (Netflix/Divulgação)

Mangás e Animes

Artigo

Um café com Luffy: batemos um papo com os atores do live action de One Piece

Elenco veio a São Paulo para participar do Tudum 2023

Omelete
5 min de leitura
21.06.2023, às 18H21
ATUALIZADA EM 21.06.2023, ÀS 20H38
ATUALIZADA EM 21.06.2023, ÀS 20H38

O que você estava fazendo durante a madrugada mais fria do ano? Eu estava acordando para não perder meu navio, ou melhor… táxi, e chegar no horário em um compromisso importante. No último sábado (17), fui convidado para tomar um café com Iñaki Godoy, Emily Rudd, Mackenyu Arata, Jacob Romero Gibson e Taz Kylar, estrelas da série live action de One Piece, da Netflix. Bom, eu não tomei o café literalmente, já que não me ofereceram nada para beber, mas o elenco, sim, e eles pareciam felizes por isso.

Quando cheguei, ainda bem cedo, no hotel chique na região da Avenida Paulista, área nobre da cidade de São Paulo, me senti em na Ilha Drum, cidade natal de Tony Tony Chopper. Os 9 °C com sensação térmica glacial daquela manhã só não estavam mais gelados que a minha barriga pela expectativa de falar com eles cara a cara. Eu até tentei me autocensurar pensando: “poxa, você já entrevistou gente mais famosa”, mas minha ansiedade para conhecer as pessoas que estão dando vida a um dos meus animes favoritos falou mais alto, então eu me permiti.

Minha pontualidade exagerada me fez passar frio por mais tempo que os demais colegas da imprensa. Porém, fui recompensado com uma primeira espiadinha neles todos logo que chegaram ao hotel. Sim, isso mesmo. Eu cheguei antes deles porque eles não estavam hospedados no mesmo hotel da entrevista. Acredito que para a informação da estadia deles não vazar. Eles estavam bem animados para aquele horário e temperatura. Mackenyu, que encarou mais de 30 horas de voo, estava um pouco menos serelepe.

A dinâmica da conversa foi interessante. Todo o elenco sentou-se à mesa com os jornalistas e cada um pôde fazer uma pergunta. A primeira foi sobre a preparação para viver esses personagens tão marcantes. Iñaki, carinhosamente chamado de Kiki por seus colegas de elenco, disse que para viver o protagonista Monkey D. Luffy fez “algumas pesquisas tanto no mangá quanto no anime para entender o personagem”. Ele continuou: “também me inspirei muito em mim mesmo, especialmente na época em que eu era criança, porque o Luffy é uma bola de energia muito otimista e eu tenho muito disso dentro de mim”.

Já Taz Kylar fez um treinamento diferente para interpretar o chef brigão Sanji. “Diferentemente dos outros [do elenco], acho que levei um tempo para me sentir merecedor. E a minha maneira de lidar com isso foi me dedicar intensamente a isso”, explica ele. “Treinei de dez a 12 horas por dia durante seis meses. Eu fazia treinos de duas horas, tomava uma vitamina de banana a cada duas horas. Depois, eu ia cozinhar com um chef que trouxeram para me treinar. Dava os pratos para quem quisesse comê-los e voltava a treinar por mais duas horas”.

A pergunta seguinte foi a minha, e fiquei com medo de usar o tom errado e acabar com o clima do bate-papo. Lembrei que One Piece é uma obra realmente grande e perguntei se todos eles estavam em dia com os capítulos ou episódios. No momento seguinte à pergunta, eu revelei que não eu estava, para que eles não se sentissem julgados por não terem feito a lição de casa completa. Deu certo. Todo mundo riu muito e as respostas começaram a fluir menos engessadas.

Iñaki acompanhou tudo até a saga de Marineford. Emily Rudd, a nossa Nami, disse que está “atualizada no mangá, mas para o anime vai levar um pouco mais de tempo”

Jacob Romero Gibson foi na contramão de Usopp, seu personagem mentiroso e falastrão, e disse: “definitivamente não estou atualizado. Mas estou curtindo, realmente estou curtindo. Quero dizer, obviamente, One Piece representa algo diferente para cada um de nós”.

Mackenyu, que já fez mais live actions de anime do que podemos contar, disse que não é do tipo leitor de mangá e que prefere animes — o que atrasa sua atualização na obra. Ele, que interpreta o Zoro, viu o anime até o início da saga da Grand Line, mas voltou a companhar para estudar o papel. “Eu voltei [os episódios] e estudei de verdade, olhando para trás”, explicou. “E para a segunda temporada, ninguém sabe até onde chegaremos, mas se me disserem, eu voltarei novamente”.

Já Kylar preferiu não revelar onde estava na obra para evitar ser bombardeado de perguntas dos “fiscais de fã”. Ele diz: “assisti absolutamente tudo que era relevante para a série, e estou seguindo no meu próprio ritmo. Não quero ser específico sobre isso porque não quero ter que responder perguntas triviais para provar [que sei] algo [específico relacionado à série]”.

Quem é muito fã de One Piece deve conhecer a história de quando perguntaram para o autor Eiichiro Oda de quais países seriam os personagens principais se o mundo do mangá fosse igual o nosso. Usopp seria sul-africano, Zoro japonês, Sanji francês, Nami sueca e Luffy brasileiro. Com exceção de Mackenyu, nenhum dos demais atores seguiu a lista de Oda, mas para alguns fãs brasileiros, Luffy deveria ser um ator brazuca. 

Iñaki Godoy não nasceu no país, mas como mexicano, é latino como nós. Um hermano, por assim dizer. Durante o papo, ele falou sobre a importância de levar a cultura latina para um personagem como Luffy. “Sinto que no México e em toda a América Latina, incluindo o Brasil, valorizamos a família e a amizade. Amamos celebrar, celebramos com muita intensidade. E o Luffy realmente incorpora esses valores. Crescer como um fã na América Latina me fez entender isso muito rapidamente”.

O papo acabou e o elenco agradeceu pelo papo. Inãki e Emily elogiaram meu moletom do Law — um personagem que está longe de aparecer na série, e Jacob fez questão de se despedir com um soquinho. Na saída, o frio ainda não havia ido embora, mas meu coração estava quentinho — porém, senti falta do café.

Além do jovem elenco, a série live action contará ainda com Morgan Davies (The End), Ilia Isorelýs (A Vida Sexual das Universitárias), Aidan Scott (A Barraca do Beijo 2), Jeff Ward (Agents of SHIELD), McKinley Belcher (História de um Casamento) e Vincent Regan (300), que foram escalados respectivamente como Koby, Alvida, Helmeppo, Buggy, Arlong e Garp.

One Piece estreia na Netflix em 31 de agosto e terá oito episódios na primeira temporada.

 

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.