Netflix/Divulgação

Créditos da imagem: Netflix/Divulgação

Netflix

Artigo

Se Sexy Beasts queria causar, conseguiu — mas apenas tédio

Encontro às cegas com maquiagem extravagante estreou hoje (21) na plataforma

Flávio Pinto
21.07.2021
16h21
Atualizada em
21.07.2021
16h35
Atualizada em 21.07.2021 às 16h35

Um castor foi se encontrar com um diabo, um babuíno e uma lebre em um bar. Quem formou o casal perfeito? Parece uma piada daquelas dos livrinhos do comediante Ary Toledo, mas é assim que começa o primeiro episódio do reality show da Netflix, Sexy Beasts, que estreou hoje (21), procurando reinventar o gênero e formar novos pares. 

Quando a plataforma anunciou a compra de direitos do programa britânico, cuja premissa gira em torno de encontros às cegas com os participantes transformados em animais e criaturas místicas, parecia o chef's kiss para os amantes do camp e da galhofa. Mas nada disso, já que nos dois primeiros episódios a produção não mostra - em nada - a que veio.  

A estrutura é bem simples: somos apresentados a um solteiro misterioso e aos três partidos que buscam uma chance no amor, sendo que todos estão mascarados. No primeiro bloco, um solteiro conversa com cada um dos partidos, dispensando um deles durante o final da conversa. Já no bloco seguinte, o solteiro segue em encontros individuais com cada um dos pretendentes e faz a sua escolha final. 

Lembram do filme extremamente gordofóbico O Amor É Cego, no qual o Jack Black se apaixona pela personagem da Gwyneth Paltrow, sem saber que ela é uma mulher obesa, o que provoca reações inusitadas ao redor do casal? Sussurros, risadas, gritinhos e afins? É exatamente isso que acontece no reality show, já que os pares vão a encontros em público enquanto estão fantasiados de forma "extravagante" — maquiagem que nem é tão boa assim, já que os participantes só estão maquiados do pescoço para cima, e é possível ver muitas falhas.

O pior de tudo mesmo são os selecionados para participar do programa. Escolheram pessoas tão sem graça e tão desinteressantes, que nem se eles tivessem sido escaldados com litros de shoyu conseguiriam ter sal exalando por seus poros. São todos do mesmo tipo: modelos, lindos, altos, atléticos, "padrõezinhos", parecem participantes que ficaram na fila de reserva de Brincando com FogoCasamento às Cegas ou The Circle.

Até mesmo narração do talentosíssimo comediante Rob Delaney (Catastrophe) não consegue tirar a produção do marasmo. Uma pena.

Se a gigante do streaming esperava usar Sexy Beasts para gerar burbinho nas redes sociais, causar, ou até mesmo até criar um programa "tão ruim que é bom", é melhor irem atrás de maquiar outra coisa. 

Os seis episódios da primeira temporada já estão disponíveis na plataforma, confira o trailer da produção:

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.