Netflix

Artigo

Por que Queer Eye é a série perfeita para assistir neste momento

Reality da Netflix fala sobre mudança e reinvenção, pontos importantes em um momento de incerteza

Camila Sousa
03.08.2020
16h44

Programas de makeover/transformações são comuns na televisão há várias décadas. No Brasil, por exemplo, o formato ficou famoso nos anos 1990/2000, com programas dominicais promovendo transformações e mudando a vida de várias pessoas. O que torna Queer Eye, reality da Netflix, diferente é sua forma de abordar a transformação para além de aspectos físicos e materiais, respeitando sempre a cultura e o jeito de ser de cada indivíduo.

O programa é uma releitura de Queer Eye for the Straight Guy, reality do começo dos anos 2000 em que homens gays davam conselhos em diversas frentes para homens héteros. A versão da Netflix é uma evolução disso: homens héteros, gays, mulheres, não-binaries e todos os tipos de pessoas podem participar do novo Queer Eye, o que torna o programa ainda mais enriquecedor.

Um dos temas tratados na produção é a moda, comandado por Tan France. Mas ao invés de fazer uma garota que gosta de tênis usar um salto 15, ou colocar um terno em um dono de academia, Tan busca entender qual é o estilo de cada um e aprimorar o que já existe ali. Ele faz a consultoria e acompanha o participante durante as compras, mas tudo isso é feito com estudo e cuidado para que a pessoa se sinta confiante, feliz e autêntica com a roupa que está vestindo.

Esse é o mesmo caminho seguido por Jonathan Van Ness, que toma conta da parte de autocuidado. Na maior parte das vezes, os participantes do programa deixaram de cuidar de si próprios como o reflexo de algum outro problema. Em vários casos, a pessoa se deixa de lado por conta de outros, ou entende que não merece cuidar de si mesma. Além de dicas de cremes para o rosto e cuidados com o cabelo, Jonathan faz a pessoa entender que o autocuidado é um ato de amor e algo prazeroso. Não é para ser uma obrigação, e sim um momento de renovar as energias e se sentir bem consigo mesmo.

Há vários memes na internet sobre o trabalho de Bobby Berk, que cuida da parte de design. Para muitos, ele é o membro do Fab 5 que mais trabalha em cada caso, já que muitas vezes precisa mudar totalmente a casa ou o local de trabalho de algum participante. Curiosamente, o oposto é dito de Antoni Porowski, que cuida da parte de gastronomia e vinhos e, supostamente, tem menos trabalho do que os outros. Brincadeiras à parte, ambos continuam seguindo a cartela dita acima: cada mudança feita na vida dos participantes leva em consideração seu histórico, seus sonhos e para onde eles desejam ir de agora em diante. Não é raro, por exemplo, Antoni resgatar uma receita que foi importante na infância da pessoa, para que ela se conecte com suas raízes e goste de cozinhar.

E é esse ponto que nos leva a Karamo Brown, talvez o membro da Fab 5 com uma das maiores responsabilidades. Karamo é responsável pela cultura. Ou seja, enquanto todos os outros estão cuidando das consequências na vida de uma pessoa que não cuida mais de si mesma, Karamo vai fundo na origem disso, conversando e entendendo de onde surgiu o sentimento de se deixar de lado. Nesse caminho, ele ouve familiares, faz exercícios para que a pessoa coloque para fora o que está sentindo e várias vezes toca em feridas difíceis que o participante está escondendo de si mesmo. 

Ao final dessa mistura, que muda 5 aspectos diferentes da vida dos participantes, Queer Eye entrega uma mensagem importante sobre mudança, reinvenção e esperança, algo realmente importante em um momento de incertezas como a pandemia do coronavírus. A cada episódio, o seriado mostra que todos nós já temos o que é necessário para sermos bem-sucedidos e felizes. O que acontece é que muitas vezes isso fica pelo caminho diante das dificuldades da vida. Queer Eye está há 5 temporadas provando que ninguém precisa se encaixar em um padrão para ser feliz. Cada pessoa é única, cada vivência importa e cada um de nós pode se levantar para uma vida melhor, ainda que a queda tenha sido muito grande.

Ver Queer Eye em um momento em que o mundo passa por tanta incerteza traz um alívio para o coração. Ninguém sabe ainda como será o mundo após a pandemia do coronavírus, mas se cada um de nós puder levar os conselhos de Bobby, Tan, Karamo, Antoni e Jonathan à diante, com certeza vamos encontrar uma solução.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.