Netflix

Artigo

Grite, Você Está Sendo Filmado é só encenação?

Programa de pegadinhas com Gaten Matarazzo, de Stranger Things, está no catálogo da Netflix

André Zuliani
20.11.2019
11h14
Atualizada em
20.11.2019
11h38
Atualizada em 20.11.2019 às 11h38

Programas de pegadinhas não são mais novidades no mundo do entretenimento. Diversos países produziram esquetes com a chamada “câmera escondida” para pregar peças em pessoas aleatórias nas ruas ou até mesmo celebridades em cenas do cotidiano. Na década passada, a MTV americana apresentou Punk’d, produção co-criada e apresentada por Ashton Kutcher, ídolo teen na época. O programa mostrava o ator perseguindo outros famosos para armar as mais inusitadas situações de desconforto, tudo muito bem combinado com algum familiar ou amigo. No Brasil, Sergio Mallandro e Ivo Holanda chegavam a apanhar com algumas das brincadeiras que faziam com populares; o termo “pegadinha do Mallandro” virou até bordão em conversas de mesa de bar. O formato fez tanto sucesso que até Betty White, uma das grandes estrelas do cinema e TV estadunidense, se arriscou com o seu Betty White’s Off Their Rockets (Só Rindo com Betty White).

No final de outubro, a Netflix estreou Grite, Você Está Sendo Filmado (Prank Encounters), apresentado por Gaten Matarazzo, o Dustin de Stranger Things e uma das grandes estrelas da plataforma. A premissa é simples: a produção do programa seleciona duas pessoas que não se conhecem para trabalhar por um dia. Os serviços vão de monitor de acampamento a atendente de hospital. Durante o trabalho, Gaten e sua equipe de atores inventam algum plano mirabolante para os selecionados acreditarem que estão passando por uma experiência surreal, seja com espíritos, monstros ou até mesmo alienígenas. 

Com oito episódios, a produção chama a atenção pela naturalidade com que as “vítimas” reagem aos sustos conquistados pela equipe. De fato, alguns dos cenários escolhidos podem ser chamados de macabros por qualquer cidadão que já tenha assistido a um filme de terror na vida. Andar por uma estrada escura denominada de “Curva do Homem Morto” certamente causaria calafrios, assim como trabalhar em um acampamento onde ocorreu uma tragédia há pouco tempo e possui um espantalho bizarro bem no meio do local. O ponto negativo a se destacar seriam algumas das fantasias usadas pelos atores. A de alienígena, por exemplo, parece ter sido tirada de algum filme escrachado como Todo Mundo Em Pânico. A veracidade é a chave para o sucesso e cada detalhe é importante.

Apesar de todo o esforço da produção - e Gaten parece realmente empolgado observando as pessoas se aterrorizarem com as pegadinhas - alguns fãs não se convenceram de que Grite se trata mesmo de um programa honesto. Mesmo os mais famosos do gênero enfrentaram críticas do público por não apresentarem provas suficientes de que a peça não foi combinada com as vítimas e que tudo não passava de encenação. Outros ainda reclamam da exposição ao ridículo pela qual as pessoas são colocadas. Afinal, como explicado em quase todos os episódios pelo apresentador, os selecionados se apresentavam achando que estavam indo para um trabalho comum, com um pagamento a ser feito no final. 

Para acalmar os ânimos, Kevin Healey, produtor-executivo da série, revelou em entrevista à EW que os escolhidos sempre estavam cientes de que o trabalho seria por apenas uma noite. Segundo Healey, a produção fez contato com amigos e familiares para garantir que eram as pessoas certas para o programa, e todos foram devidamente pagos ao final de tudo.

Polêmicas à parte, o certo é que uma pegadinha bem feita sempre foi um bom entretenimento. Ivo Holanda fez carreira pregando peças nas pessoas e Punk’d foi um dos grandes sucessos da MTV por alguns anos, inclusive no Brasil. Com a experiência de Healey, que trabalhou em Scare Tatics, outro programa do gênero e também disponível no serviço de streaming, um bom investimento para inovar nos sustos e o carisma de Gaten, é bem provável que a Netflix tenha em mãos algo que causará risadas em diversos países.