Victor Lamoglia, Júlia Rabello, Danilo de Moura e Kéfera Buchmann em Ninguém Tá Olhando

Créditos da imagem: Netflix/Divulgação

Netflix

Crítica

Ninguém Tá Olhando - 1ª Temporada

Comédia brasileira da Netflix usa humor caricato para fazer o público rir dos próprios dilemas e, por que não, pensar um pouco

Mariana Canhisares
20.11.2019
17h27

“A vida não é aleatória por acaso”. A curiosa frase do novato anjo - ou, melhor, Angelus - Uli (Victor Lamoglia) é uma boa maneira de definir a experiência humana diante de conceitos abstratos como propósito e destino. Afinal, quer questão mais primordial do que a dúvida se estamos seguindo um roteiro pré-determinado ou se realmente somos dotados de livre arbítrio? Por isso, a piada não poderia ser mais perfeita para descrever a nova série da Netflix, Ninguém Tá Olhando. A partir do olhar ainda inocente do seu protagonista, a comédia usa o humor para propor reflexões interessantes sobre a imprevisibilidade da existência e, por que não, rir do ridículo que se esconde em nossos tabus.

Usar a comédia para discutir temas existenciais não é exatamente uma novidade. Nos últimos anos, essa se tornou uma tendência bem-sucedida no gênero, basta observar o sucesso de The Good Place. Mas, enquanto a série do Michael Schur pena para dar prosseguimento à sua trama, a brasileira Ninguém Tá Olhando parte de uma mitologia particular e efetivamente demonstra fôlego para desenvolvê-la.

Aqui, criaturas como anjos da guarda são reais, mas talvez não como você as imaginaria. Esqueça os cachos loiros, olhos azuis e as imponentes asas. Aliás, abandone de vez o termo “anjo”. Os Angelus têm cabelos vermelhos e asas meramente decorativas e usam um uniforme padrão: uma gravata vermelha, uma camisa branca e calças pretas. Todos os dias, eles acompanham um humano selecionado pela misteriosa figura do Chefe e seguem quatro regras básicas que, se quebradas, podem levar à punição máxima. Quer dizer, ao menos era isso o que todos pensavam até a chegada de Uri.

Desde o princípio, o primeiro Angelus a ser gerado em 300 anos para o 5511º Distrito não concorda com os códigos, nem se adequa ao modelo repartição pública de trabalho. Logo, quebrar uma regra era apenas questão de tempo. Porém, a surpreendente ausência de punição leva o novato a descobrir que, talvez, ninguém esteja os observando de verdade. Sem supervisão do Chefe, Uli se aventura pelos dramas da humanidade e arrasta com ele dois veteranos, Greta (Júlia Rabello) e Chun (Danilo de Moura), para ajudar as pessoas à sua maneira.

O trio funciona muito bem na série tanto do ponto de vista da performance, quanto do roteiro. Além da clara química entre os atores, as diferentes reações dos seus personagens diante da liberdade trazem linhas narrativas bastante ricas. Greta mergulha em uma vida de excessos e, de repente, se vê enfrentando o inesperado medo da finitude. Uli, completamente entregue à uma paixão proibida, descobre do jeito mais difícil os limites da privacidade. Chun, o mais resistente de todos, se vê em um dilema tenso, isto é, romper com as normas e o que sempre disseram ser o certo ou se manter preso à uma ilusão. Em outras palavras, quanto mais convivem com as pessoas, mais os Angelus passam a se perceber também como humanos.

Essa proposta, aparentemente densa, toma ares leves através do humor bobo e cheio de trocadilhos dos diálogos. Embora as piadas não emplaquem de primeira, a comédia caricata e inocente se prova a porta de entrada ideal para temas como estes, tidos por vezes como “cabeçudos”. Não à toa, aos poucos o espectador se pega também refletindo sobre a própria existência - certamente, um dos grandes méritos da produção.

Ninguém Tá Olhando, porém, não é constante. O seriado sofre com um começo mais lento para estabelecer sua mitologia e seus personagens e, apesar de se recuperar nas aventuras do grupo, sofre uma nova queda quando as situações ficam mais dramáticas. Enquanto os percalços do romance entre Uli e Miriam (Kéfera Buchmann) ganham tempo de sobra, a eventual ruptura do trio é repentina e, portanto, desprovida do senso de urgência que seria pertinente.

Felizmente, a série sabe amarrar muito bem as pontas soltas e deixa não apenas uma ótima premissa para uma possível segunda temporada, como saudades dos atrapalhados personagens. Que venham novas aventuras dos Angelus.

Nota do Crítico
Bom