Netflix

Crítica

Crítica: Army of the Dead é um resgate dos blockbusters de zumbi

Primeiro filme de Zack Snyder pós-DC é sangrento, brega e divertido em doses iguais

Arthur Eloi
11.05.2021
11h00
Atualizada em
21.05.2021
14h05
Atualizada em 21.05.2021 às 14h05

Ouvir o nome de Zack Snyder automaticamente traz uma associação com quadrinhos. Não é sem motivo, considerando que o cineasta passou os últimos 15 anos envolvido com obras como 300, Watchmen e Liga da Justiça. Porém, antes de se tornar referência para adaptações de HQs, Snyder lançou sua carreira com o terror Madrugada dos Mortos (2004), remake do clássico de George A. Romero. É isso que torna tão interessante vê-lo retornando para o subgênero de zumbis com Army of the Dead: Invasão em Las Vegas, seu primeiro longa original desde Sucker Punch(2011).

A produção da Netflix é importante para o cineasta, que originalmente bolou a premissa ainda no começo dos anos 2000, mas que só agora tirou a ideia da gaveta. Na trama, a cidade de Las Vegas é tomada por uma infecção zumbi após a fuga de um experimento da Área 51. Os militares agem rápido para isolar o local, cercar com muros e manter todos os mortos-vivos do lado de dentro. Com a praga controlada, o resto do mundo atinge um grau de normalidade, e o governo decide exterminar os mortos-vivos com uma bomba nuclear. O problema surge quando o ex-soldado Scott (Dave Bautista) recebe a proposta de montar uma equipe e invadir a cidade em suas últimas horas para saquear o cofre de um cassino, que foi deixado para trás com US$200 milhões.

O filme pode não servir nada realmente inédito ao subgênero, tão explorado entre as décadas de 1980 e 2010, mas traz leves modificações que criam uma experiência única. O início da infecção ter uma aparente conexão alienígena, por exemplo, ou então o fato de não ser uma jornada pelo pós-apocalipse. O surto foi contido com sucesso, e o mundo mantém certa normalidade exceto pela região contaminada. Esses elementos são pequenos por si só, mas ajudam a remixar fórmulas conhecidas, e tiram da jogada noções como “a origem do surto viral” ou “a luta cotidiana pela sobrevivência”. Questões do tipo são a base de muitas obras e já foram discutidas à exaustão em todo tipo de mídia. Com isso fora do caminho, o longa pode focar na missão principal sem maiores preocupações.

Em Army of the Dead, Snyder reconhece o impacto que sua versão de Madrugada dos Mortos teve para os zumbis no começo dos anos 2000 - especialmente para os videogames, bebendo da estética saturada, equipamentos improvisados e inimigos variados -, mas também soa como uma obra perdida daquela época, com regras muito bem estabelecidas e personagens previsíveis. As prévias dão uma ideia de uma jornada mais absurda do que realmente entrega, mas isso não diminui seu peso. O lado blockbuster do subgênero, vivo por títulos esporádicos como um Guerra Mundial Z(2013) ou um Invasão Zumbi(2016), anda tão estagnado que ver algo básico, mas muito bem conduzido, caí como uma luva para os fãs sedentos por sangue, tripas e matanças criativas.

O que faz o filme funcionar tão bem é o carisma de seu elenco. Mesmo sem um pingo de desenvolvimento decente, cada membro da equipe traz algo marcante, e a química entre eles é um destaque por si só, como a parceria entre Scott (Bautista) e Cruz (Ana de la Reguera), ou a inusitada amizade entre o badass Van (Omari Hardwick) e Dieter (Matthias Schweighöfer), especialista em arrombar cofres. Até os mais secundários brilham, como a Coiote (Nora Arnezeder), que guia o grupo pelo mundo dos mortos, ou então a sarcástica Peters, pilota de helicóptero vivida por Tig Notaro - atriz que foi adição de última hora à produção, mas rouba a cena sempre que dá as caras.

O elenco merece o reconhecimento especialmente por conseguir criar personagens tão divertidos em cima de um roteiro bastante questionável. A trama é convincente, mas os diálogos são terríveis: excessivamente expositivos e bregas, porém não de um jeito irônico. Há muitos bons momentos de humor que surgem ao longo da obra, mas raramente os risos vêm das piadas intencionais. Os primeiros 40 minutos do longa, que servem apenas para preparar o terreno, são um verdadeiro teste de resistência. Felizmente, quando as coisas engatam, Army of the Dead conquista, e muito se dá pela ótima direção. O que Zack Snyder deixa a desejar como roteirista, ele compensa por trás das câmeras.

Em eventos de divulgação, o diretor enfatizou que o longa não se trata só de horror, mas sim uma mistura de gêneros. O filme segue essa ideia à risca, e mostra influência tanto de Romero, quanto Fuga de Nova York(1981), de John Carpenter. Transitar entre ação e terror não é tarefa fácil, mas o cineasta se mostra flexível. Um momento em que o grupo precisa passar uma cozinha infestada de mortos começa repleta de tensão, e é conduzida de forma sufocante e claustrofóbica quando os soldados tentam encontrar o caminho em meio à escuridão. Eventualmente, as coisas dão errado, e a cena vai do silêncio ao caos, com tiroteio, fuga e traição e boas coreografias de porradaria. É um pouco surpreendente que Snyder consiga alternar o tom de forma tão fluida, especialmente acumulando funções nos bastidores. Isso, porém, tem um preço.

Após anos de produções visualmente marcantes, é normal esperar um espetáculo do cineasta, mas esse é o seu trabalho mais esteticamente moderado até agora. Muitas de suas marcas registradas dão as caras, como as composições melancólicas, o apreço pela mitologia e religião e, claro, o uso sem ressalvas de slow motion. Ainda assim, a frequência e a escala dessas decisões estilísticas são muito mais comedidas do que o esperado, sem muita grandiosidade.

Muito disso vem do fato de que essa é sua primeira vez como diretor de fotografia, função que antes era de colaboradores como Larry Fong (300, Watchmen, Batman vs Superman). Sem o colega (que recebe um easter egg em forma de cartaz de show de mágica), Snyder dá uns passos para trás e tenta aprender a realizar seu ambicioso estilo autoral com as próprias mãos. O resultado é algo diluído, mas altamente digerível para quem não vai com a cara de seu trabalho. Já quem é fã pode ficar desapontado de vê-lo mais limitado. Em ambos os casos, porém, a assinatura do diretor é bastante visível.

Army of the Dead pode ter muitas ideias repetitivas e não impressionar na trama ou nos personagens, mas é autêntico em reconstruir a pegada dos filmes de zumbis dos anos 2000, focando na sanguinolência (muito bem feita, por sinal) e na ação. É especialmente interessante que esse tenha sido o primeiro projeto de Zack Snyder após anos dedicado à DC Comics. Para quem construiu uma fama de fazer obras sombrias e realistas, aqui é muito visível que o objetivo foi se divertir. Isso também se estende ao elenco, que eventualmente contorna o roteiro lamentável e abraça a breguice, visando o puro entretenimento. O resultado é altamente satisfatório: um filme que segura o espectador pela ação, pela tensão e também, claro, pela tosqueira. Tudo sem medo de ser feliz.

Army of the Dead: Invasão em Las Vegas
Army of the Dead
Army of the Dead: Invasão em Las Vegas
Army of the Dead

Ano: 2021

País: EUA

Duração: 2h28 min

Direção: Zack Snyder

Roteiro: Joby Harold, Zack Snyder, Shay Hatten

Elenco: Ella Purnell, Dave Bautista, Michael Cassidy

Nota do Crítico
Ótimo

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.