Imagem de Carole & Tuesday

Créditos da imagem: Carole & Tuesday/Netflix/Divulgação

Netflix

Notícia

Conheça Carole & Tuesday, novo anime musical do criador de Cowboy Bebop

Primeira parte da série animada já está disponível na Netflix

Oferecimento
Fábio Garcia
06.09.2019
15h08
Atualizada em
06.09.2019
15h23
Atualizada em 06.09.2019 às 15h23

Quando puxamos o currículo do diretor japonês Shinichiro Watanabe, logo nos vemos diante de nomes de animes muito influentes como Cowboy Bebop e Samurai Champloo. Só por ter esses dois "itens" em seu histórico, já é quase uma obrigação acompanhar a história de Carole & Tuesday, o mais novo anime do diretor, que ganhou distribuição mundial pela Netflix. Porém, o mais impressionante é como esse novo anime tem tudo a ver com Watanabe, mas ao mesmo tempo vai por uma linha totalmente diferente.

Em Carole & Tuesday, acompanhamos a vida de duas adolescentes cujos nomes formam o título da série. Tuesday é o famoso arquétipo da "pobre menina rica", criada em meio a muito luxo por sua família abastada e sem muitas preocupações na vida. Já Carole é o completo oposto, sofrendo diariamente com bicos de baixo salário e grande humilhação na cidade grande. O inevitável encontro das duas acontece após Tuesday fugir de casa. Elas percebem que são unidas pelo amor à música e, a partir daí, uma amizade nasce e a dupla passa viver com o objetivo de lutar para serem artistas conhecidas. 

Pode não parecer, mas Carole & Tuesday é uma trama ambientada num cenário futurista. Só que, dessa vez, o diretor fugiu um pouco da premissa de seus animes mais famosos e se aventurou em uma narrativa mais intimista. O anime se passa na cidade de Alba, construída em Marte 50 anos após um acidente que tornou a Terra inabitável, e 99% da produção musical deste mundo é produzida por inteligência artificial.

Como o foco é o artístico, o objetivo da série parece ser criticar a música produzida em escala industrial e mostrar a importância do coração humano numa composição. A alfinetada à dependência da tecnologia se estende também a outros lados: é bem comum encontrarmos robôs substituindo humanos e até mesmo animais de estimação. Tuesday, por exemplo, parece tão dependente de tecnologia que chegou a buscar na internet como fugir de casa.

Em meio à trajetória de Carole e Tuesday para encantar o público com suas músicas (todas belíssimas e disponibilizadas em plataformas digitais), vemos muitos personagens que parecem paródias de artistas e pessoas do meio musical. Existe a cantora que sonha em ser popular usando uma composição feita por computador após analisar o gosto musical do ser humano; tem o DJ pirotécnico que privilegia o espetáculo em vez da canção e muitos outros personagens compondo esse mundinho pantanoso que as protagonistas precisam ultrapassar. 

Nos animes mais conhecidos do diretor, como Cowboy Bebop ou seu último trabalho, Terror in Ressonance (disponível também na Netflix), o foco sempre é na ação. Seja com caçadores de recompensa espaciais, samurais ou jovens terroristas, sempre veremos momentos de ação, algumas explosões e cenas de combate de tirar o fôlego... mas isso está não acontece em Carole & Tuesday. Embora seja ambientada na mesma cidade do filme de Cowboy Bebop, um ano após a passagem de Spike e seus amigos por lá, não vemos combates e naves espaciais cruzando o cenário ao som de jazz. Em Carole & Tuesday, a narrativa é feita quase num estilo slice of life, com direito a cenas musicais no meio da história sem qualquer objetivo na narrativa a não ser dar um quentinho no coração. E é nesse quesito mais emocional que o anime brilha.

Shinichiro Watanabe sempre teve um carinho grande pela música em suas séries, tanto que elementos musicais estão presentes nos títulos de algumas de suas produções ("bebop" em Cowboy Bebop ou "sampling" em Samurai Champloo). Em Carole & Tuesday, o diretor tirou a música da função de complemento e elevou à estrela principal na narrativa. As músicas originais do anime são lindas, os momentos em que os personagens tocam são de uma graciosidade encantadora e é impossível não torcer pela dupla de musicistas depois de ver o primeiro episódio.

A série ainda está em andamento no Japão, com previsão para 24 episódios, e a Netflix optou por dividir a série em duas "partes" de 12 episódios cada, disponibilizando essa primeira metade até o momento. Caso seja fã do diretor Shinichiro Watanabe, pare o que estiver fazendo e corra para assistir. Se nunca viu uma produção dele, é uma ótima oportunidade para conhecer um dos mais importantes diretores de animes da atualidade.