Two Door Cinema Club no MITA Festival

Créditos da imagem: Ariel Martini

Música

Artigo

Two Door Cinema Club faz rock para se acabar de dançar no MITA Festival

Vocalista substituto não diminui potência do show climático dos norte-irlandeses

Omelete
3 min de leitura
Caio Coletti
15.05.2022, às 19H18
Alex Trimble, com seus cabelos ruivos e timbre aveludado, se tornou sinônimo do Two Door Cinema Club com o passar dos anos, mas a banda norte-irlandesa provou, em apresentação no segundo dia do MITA Festival, que é mais do que só seu frontman.

O Two Door anunciou na última quinta (12) que Alex não faria a viagem para o Brasil por ordens médicas. Embora o comunicado não oferecesse detalhes sobre o problema de saúde do cantor, já anunciava seu substituto na turnê: David Clements, um velho amigo da banda. Ele se provou, no palco do MITA, um nome à altura do desafio.

Clements entrou nervoso e calado, rígido diante do microfone enquanto esquentava o sua bela - e bem mais grave - voz pelas canções excêntricas e exposivas do catálogo do Two Door. Quando ele se soltou, no entanto, emergiu um frontman mais declamatório e teatral, expansivo nos gestos e caminhos pelo palco, quase evocativo durante os trechos mais baixos das músicas, e estratosférico nos agudos de "Bad Decisions", por exemplo. Enfim, um Brandon Flowers light (e isso é um elogio).

A virada mesmo veio em "Lavender", faixa do álbum Game Show (2016) para a qual Clements se livrou da guitarra e foi cantar ao fundo do palco, microfone fora do stand, recortado em silhueta contra as luzes coloridas do telão. Não é à toa que o público entoou forte o coro fácil do refrão ("Gravity is losing its hold/ Oh, oh, oh, oh") - o sentimento era o de estar vendo um espetáculo pop rock completo.

No entanto, além de Clements ter se provado uma escolha certeira na face desse desfalque, o Two Door Cinema Club triunfou no MITA simplesmente por ser uma banda excelente. O guitarrista Sam Halliday é mestre no tom recortado e agudo que virou assinatura dos norte-irlandeses, e claramente ama executar seus solos complicados ao vivo; o baixista Kevin Baird levou nas costas a sessão mais calma e climática do show, inserindo um ritmo potente até nas canções mais etéreas do Two Door (vide "Next Year").

O que os três músicos principais dividem com os outros dois instrumentistas de turnê que tocaram no show de hoje, e com o público que os assistiu, é uma coisa só: paixão pelo tipo de música que move - o corpo, sem dúvida, porque era difícil ver alguém parado no gramado do MITA, mas também a alma. O combo final de "Sun" e "What You Know", e as paredes de som que a banda cria para fazer cada uma de suas canções soar como um épico de arena, que o digam.

Passando o fim da tarde e o começo da noite com o Two Door Cinema Club, o mote que batiza o festival paulistano ("music is the answer", ou "música é a resposta") parece realmente bem certeiro.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.