Música

Artigo

Metallica valoriza suas ações na pandemia com lançamento de disco ao vivo

Banda anunciou recentemente o S&M2

José Norberto Flesch
02.09.2020
16h15

Se tem alguém que tem atravessado a pandemia mantendo-se na mídia, mesmo sem novos shows ou necessidades de fazer live, é o Metallica. A banda norte-americana usa suas redes sociais para liberar shows inéditos no YouTube de várias turnês de sua carreira, e agora lança S&M2, álbum ao vivo que registra a apresentação realizada em setembro de 2019, no Chase Center, em San Francisco, com a orquestra sinfônica que leva o nome da cidade. 

O concerto celebrou os 20 anos da performance que gerou S&M1, trabalho na mesma linha, que mostrou o Metallica acompanhado por orquestra. Naquela ocasião, a sinfônica de San Francisco foi conduzida por Michael Kamen, que morreu quatro anos depois. Inicialmente, a impossibilidade de ter o mesmo maestro teria feito a banda não gostar da ideia de uma nova apresentação, segundo conta-se. Mas o quarteto encontrou um substituto em Michael Tilson Thomas, diretor da sinfônica de San Francisco. 

Com mais de 2h20 de duração, o resultado é bem satisfatório. Assim como no disco de 1999, o Metallica abre S&M2 com "The Ecstasy of Gold" (de Ennio Morricone) e "The Call of Ktulu", performance que, no disco de 1999, rendeu à banda o Grammy de melhor performance de rock instrumental. 

Daí vem "For Whom The Bell Tolls" em vez de "Master of Puppets", que surge bem mais adiante. Até pelo intervalo entre os dois discos, há muita diferença de repertório entre eles. O novo trabalho não tem "Sad But True", por exemplo. "The Day That Never Comes", uma que entra no S&M2", surge em versão vigorosa. "All Within Hands" funciona como um respiro acústico na sinfonia metálica. "Moth into Flames" é outro bom momento. 

Na intro de "Scythian Suite", é lembrada a presença de brasileiros no local do show, assim como de cidadãos de vários outros países. O Brasil, aliás, é um dos países que esperava a banda para uma turnê em 2020. Aqui, a previsão é que as apresentações, antes previstas para dezembro deste ano, sejam remarcadas para dezembro de 2021. Enquanto a banda não vem, esse S&M2 é bem mais que um passatempo de espera. Dá para apreciar bastante, mais uma vez, a (ainda) grande energia da banda.