Lily Allen faz show delicado e termina com protesto político em São Paulo

Créditos da imagem: Maria Tuca Fanchin / Camila Picolo

Música

Artigo

Lily Allen faz show delicado e termina com protesto político em São Paulo

Cantora dedica música escrita a George Bush, "Fuck You", a Jair Bolsonaro

Julia Sabbaga
09.06.2019
21h28
Atualizada em
11.06.2019
10h57
Atualizada em 11.06.2019 às 10h57

Já se passaram quase 10 anos desde a última visita de Lily Allen ao Brasil, e desde então muito já se passou. A cantora já lançou dois comebacks desde então, o divisor de opiniões, Sheezus, de 2014, e o melancólico e elogiado No Shame, de 2018. Por isso, antes de Lily subir ao palco do 23º Cultura Inglesa Festival, a antecipação era grande, e a curiosidade de qual seria a energia do show estava lá em cima.

A apresentação da inglesa aconteceu depois de uma bela abertura de Duda Beat, possivelmente a melhor opção brasileira para cantar antes de Lily. A sofrência reconhecível é o elemento mais imediato da sua música, mas as faixas cheias de independência e acidez combinam muito bem com o pop esperto de Lily Allen. A brasileira tem todo um calor tropical diferente do festival britânico, mas o setlist criou um clima apropriado, contando com covers de The Police e uma ótima versão de “Say You’ll be There”, das Spice Girls, em forró.

A atração principal da noite subiu ao palco pontualmente e começou o show com duas de seu novo álbum, "Come On Then" e "Trigger Bang", em um clima eletrônico e singelo. A plateia, saudosa da cantora, recebeu bem, mas foi em um dos primeiros hits de Lily, "LDN", que  o povou cantou mais e animou a presença da performer. Quando percebeu o entusiasmo do público brasileiro, Lily reconheceu o tempo ausente e confessou: “faz dez anos, Brasil! Eu estava muito nervosa pra voltar”. Com aplausos de apoio, a cantora já ficou mais a vontade para dançar, e passou a rebolar e até ajoelhar no chão.

O show de Lily Allen foi bem dividido entre a energia melancolica de No Shame e as dançantes faixas de seus primeiros discos, Alright, Still e It's Not Me, It's You. Apesar do público ter recebido muito bem as faixas do novo trabalho, foi quando a cantora retomou o início de carreira que a plateia saiu do chão. No Shame trouxe belos momentos, com destaque para "Three", "Apples" e "Family Man" - faixa que, em ótimo humor, Lily apresentou como “a faixa que escrevi sobre a deterioração do meu casamento!” - mas o eletrônico às vezes pesou a mão e prejudicou a voz da cantora. Em momentos mais acústicos, quando a distinta voz de Lily chama atenção, as novas faixas funcionaram bem e capturaram a multidão.

A simpatia de Lily foi se tornando mais visível a cada música, principalmente quando a cantora dançou mais e brincou com a plateia das primeiras fileiras. Já na terceira parte do show, mais recheada de músicas antigas, a cantora dançou para lá e para cá e conversou mais com o público, pedindo até desculpas para ajustar a calcinha. Um carisma genuíno transpareceu mais ao fim do show, quando "The Fear" a cantora apresentou com: "Essa música foi escrita antes das Kardashians, antes de Trump, antes de Bolsonaro". O povo respondeu com cantos críticos ao presidente, mas nada comparado ao que viria a encerrar a apresentação da britânica. 

Depois de dedicar "Not Fair" às mulheres da plateia e deixar claro que queria pedidos de bis, Lily Allen deixou o palco para retornar minutos depois, com outra roupa e outra energia. Sem precisar mais poupar a voz, a cantora falava mais alto e chamou o protesto político já esperado pelos fãs, que sabem que "Fuck You", do segundo álbum, foi escrita para George W. Bush: "Eu tenho cantado para Donald Trump, mas já que estou no Brasil... E este é o mês do orgulho LGBTQ, pensei em dedicar esta música para Bolsonaro". O públicou inteiro vibrou e pulou durante o encerramento da passagem de Lily Allen ao Brasil. 

Foi um show que flutuou em energias mais serenas e hits dançantes, com alguns momentos vacilantes de um setlist recheado de músicas menos conhecidas dos fãs das antigas. Mas Lily Allen passou mais uma vez pelo Brasil para lembrar que ainda é uma das cantoras mais genuínas de sua geração, com um carisma natural e um talento musical de poucas.