Beyoncé e Taylor Swift (Reprodução/Montagem)

Créditos da imagem: Beyoncé e Taylor Swift (Reprodução/Montagem)

Música

Lista

Beyoncé, Taylor Swift e mais! Os lançamentos musicais imperdíveis de junho

Novo clipe de Iza também é presença confirmada na lista

Omelete
1 min de leitura
A cozinha
02.07.2022, às 14H35

Julho já chegou, mas o mês que foi não passou despercebido – afinal, junho ficou marcado pelo retorno de Beyoncé, com uma música que promete se tornar hit das pistas de dança. Mas também tivemos outros grandes lançamentos na música. Confira os destaques:  

“Break My Soul” - Beyoncé

Seis anos depois de nos brindar com Lemonade, Beyoncé retornou às raízes com “Break My Soul”, primeira faixa de seu vindouro sétimo álbum de estúdio, o Renaissance. E a escolha não podia ser melhor: o hino dançante é uma ode à liberdade, um chamado para as pistas de danças que ficaram vazias durante dois anos da pandemia de covid-19. As batidas são irresistíveis, se mostrando um ótimo complemento para os vocais poderosos da cantora. Bem-vinda de volta, Bey.

“Fé” - IZA

O melhor videoclipe do ano é brasileiro. Delicadamente trabalhado em cores, iluminação e significado, traduzindo uma vida toda de luta em imagens, “Fé” afirma de vez a posição de IZA como uma das artistas mais importantes e criativas do cenário pop nacional. E não é só o vídeo: como música, “Fé” é uma sintetização de influências magistral, conjugando os corais do gospel, os sintetizadores da eletrônica, as percussões do samba e os trompetes do jazz em uma apoteose expressiva que brilha ainda mais intensamente com a coloquialidade da letra. Inconfundivelmente brasileira, pessoal e excelente.

“Hit Ya!” - Lapillus

Não há suco mais puro do k-pop do que o refrão não cantado de “Hit Ya!”, canção de estreia arrebatadora do Lapillus. Se jogando nos sintetizadores graves e na sessão de sopros retumbante que soa por cima de guitarras inspiradas pela música árabe, as meninas do grupo apresentam a coreografia viciante da canção enquanto fazem intervenções pontuais de vocal. A estrutura de “Hit Ya!”, com sua ponte longa e suas intervenções de rap, é algo que nenhuma popstar ocidental ousaria fazer, muito menos em um single de estreia. Ainda bem, portanto, que a Coreia do Sul ousa.

“Villain” - PIXY

Há um prazer visceral em certas partes de “Villain” que só música pop de primeira qualidade pode prover. Quando uma voz masculina sampleada pronuncia a palavra que batiza a canção, precedendo a entrada da batida no refrão, entoado de forma delicada e atrevida pelas meninas do PIXY, é difícil não abrir um sorriso. Encharcada de sintetizadores etéreos e com uma melodia quase robótica que poderia ter sido gravada por Sky Ferreira no começo da carreira, “Villain” sabe que não há segredo mirabolante em fazer música pop - é sobre tensão e liberação, e de volta outra vez.

“Carolina” - Taylor Swift

“Carolina” tem mais sabor de americana do que qualquer coisa que Taylor Swift tenha feito em seus dois álbuns supostamente dedicados ao subgênero (o Folklore e o Evermore). A melodia arrastada, que a cantora leva sem forçar os agudos, e o violão delicado colocado por cima de um pacote de cordas discretamente luxuoso, evoca as canções de Isobel Campbell & Mark Lanegan, clássicos como “House of the Rising Sun” e outras composições distintamente estadunidenses. É um feitiço muito particular que a cantora e seus produtores lançam excepcionalmente bem.

“Left and Right” - Charlie Puth & Jungkook

Pouco mais de 2 minutos e meio de puro deleite pop, “Left and Right” tem uma mixagem brilhante, um refrão viciante e aquela letra meio machucada, meio apaixonada com a qual é fácil se relacionar - todas marcas registradas, diga-se de passagem, de Charlie Puth. A participação de Jungkook, do BTS, traz um sabor a mais para a composição e para o clipe, que espertamente o esconde durante o primeiro verso para atingir-nos com o seu tom aveludado e seu carisma bem-ensaiado a partir do segundo. Difícil chegar ao final sem ter sido conquistado.

“on your sleeve” - Nightly

Após acenar para o rock alternativo sem sair do indie pop em “hate my favorite band”, o trio Nightly lança o pop chiclete “on your sleeve”, mostrando cada vez mais versatilidade para flutuar entre diversos gêneros musicais. Na canção, a banda fala sobre um amor inocente que surgiu de repente entre dois grandes amigos.

“Empty” - Boys of Fall

Após lançar um dos melhores discos de 2020 com Distance, o Boys of Fall liberou a inédita “Empty”, que traz tanto peso e modernidade quanto as faixas anteriores da banda, porém com um leve tom de novidade e frescor. A banda é um dos fortes nomes do easycore estrangeiro e promete muitas surpresas para 2022. Pois bem, se forem similares a “Empty”, não é equivocado dizer que será um ano e tanto para o grupo.

“Crosses” - Sleeping With Sirens

Um dos maiores nomes do post-hardcore e do emo norte-americano, o Sleeping With Sirens anunciou seu retorno da maneira mais ousada possível para 2022: “Crosses” une melodia, berros e ainda traz a ilustre presença de ninguém menos que Spencer Chamberlain, vocalista do Underoath, para uma participação especial. O single foi apenas um gostinho do mais novo disco da banda que está para sair em outubro, COMPLETE COLLAPSE

O Omelete agora tem um canal no Telegram! Participe para receber e debater as principais notícias da cultura pop (t.me/omelete).

Acompanhe a gente também no YouTube: no Omeleteve, com os principais assuntos da cultura pop; Hyperdrive, para as notícias mais quentes do universo geek; e Bentô Omelete, nosso canal de animes, mangás e cultura otaku.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.