Anitta, Harry Styles e mais: Os lançamentos musicais imperdíveis de abril

Créditos da imagem: Harry Styles no clipe de "As it Was" (Reprodução/YouTube)

Música

Lista

Anitta, Harry Styles e mais: Os lançamentos musicais imperdíveis de abril

Lizzo e Camila Cabello também lançaram hits durante o mês

Omelete
1 min de leitura
A cozinha
30.04.2022, às 19H21

Chegamos ao fim do quarto mês de 2022, e abril foi recheado de lançamentos musicais para absolutamente todos os gostos. A brasileira Anitta fez sua jogada mais ambiciosa no mercado global, o mais recente lançamento alto-astral da Lizzo nos fez levantar para dançar, o retorno de Harry Styles veio cheio de sentimentalismo e um clipe maravilhoso, e por aí vai. 

Confira abaixo os lançamentos musicais de abril que você não pode deixar de ouvir:

“About Damn Time” - Lizzo

Antes de qualquer coisa: onde fica esse tal grupo de suporte para indivíduos “estressados e sexy”, Lizzo? Estou perguntando para um amigo… A nova canção da americana é um flashback disco completo, com o baixo, o teclado, o refrão apoteótico e - é claro - o solo de flauta para provar. Parte da melodia lembra o megahit “Lose Yourself to Dance”, do Daft Punk, e a confiança regozijante de Lizzo nunca foi tão necessária, ou tão deliciosamente dançante, quanto é aqui. O álbum, Special, sai em 15 de julho.

“Love Dive” - IVE

Após o sucesso meteórico do single de estreia, “Eleven”, o IVE retornou mostrando que a aura de fenômeno da nova geração do k-pop não é despropositada. Há algo de Britney Spears e algo de Sky Ferreira em “Love Dive”, com seu refrão carregado de sintetizadores graves e seus filtros de voz densos, mas o que encanta é mesmo a progressão da música - mesmo que em menos de 3 minutos, ela é uma refeição pop completa, com explosões e recolhimentos pontuais, e uma dance break de matar. Como diriam os fãs: k-pop perfection.

“As It Was” - Harry Styles

Trapaceamos um pouquinho aqui, porque o novo single do ex-One Direction saiu no último dia de março, mas era impossível não destacá-lo - com seu instrumental de indie rock anos 2000 e sua letra sentida sobre como as coisas nunca ficam do mesmo jeito por muito tempo, “As It Was” morou na nossa cabeça sem pagar aluguel durante todo o mês de abril. E o clipe também é lindo, inclusive! Agora resta esperar o álbum Harry’s House, que sai em 20 de maio.

“Dice” - ONEW

É impossível não cair de amores por “Dice” no instante em que Onew pronuncia o “tasty” alongado e expressivo do primeiro verso - e daí para frente só vai ficando melhor. A canção de amor otimista do integrante do SHINee usa com inteligência ímpar o timbre embriagante dele, sobrepondo a voz a sintetizadores graves e etéreos saídos direto de um disco do The Human League ou do Spandau Ballett. O álbum de onde saiu o single, também intitulado Dice, ainda guarda outras pérolas que vão iluminar seu dia, especialmente a brilhante (e apropriadamente intitulada) “Sunshine”.

“psychofreak” - Camila Cabello ft. Willow

Com um gancho melódico viciante e uma Camila Cabello que mostra suas inesperadas habilidades de (quase-)rapper, “psychofreak” se destaca tranquilamente dentro do álbum Familia, que a ex-Fifth Harmony lançou no comecinho de abril. A presença de Willow, desfilando o mesmo tom roqueiro gritado que pautou seu último disco, completa a receita de forma engenhosa.

“Hurdle” - Suho

Guitarras distorcidas por cima de uma linha de baixo possante, um pacote de cordas delicadamente incluído no instrumental para elevar o refrão e a voz estratosférica de Suho fazendo o clímax da canção voar alto - também no ao vivo. Essa é a receita simples e brutalmente eficiente de “Hurdle”, b-side do álbum solo mais recente do integrante do EXO. Se você é fã do rock dançante da fase inicial do The Killers ou costumava curtir muito aquela música do Black Kids, apostamos que essa aqui vai acertar o alvo em cheio.

“Versions of Me” - Anitta

Dentro de um álbum absurdamente eclético, que passeia do funk “raiz” até o pop punk, a canção título do Versions of Me parece o hit mais natural. Com seus sintetizadores oitentistas e seu refrão propulsivo, ele poderia muito bem estar nos últimos discos mega bem-sucedidos de Dua Lipa ou Miley Cyrus - inclusive, não são poucos os fãs que sugeriram um feat. com uma das duas na canção. Adoraríamos também!

“Love” - Monsta X

Para mim é sobre o saxofone, sabe? Em meio ao balanço noventista e ao romantismo sexy de “Love”, que poderia muito bem estar em um disco do *NSYNC na era de ouro da boy band de Justin Timberlake, o Monsta X mostra porque o k-pop é o refúgio de quem ama música pop verdadeiramente inventiva na atualidade. Você nunca sabe o que vem a seguir, quais tons eles vão encontrar na voz e na produção para te fazer entrar no groove (vide o tal saxofone, por baixo do rap rasgado de um dos integrantes). E cada surpresa que eles atiram na sua direção é um deleite.

“zeven” - iamamiwhoami

Os suecos Jonna Lee e Claes Björklund estão criando música eletrônica alternativa há mais de 10 anos. O iamamiwhoami, projeto dos dois, começou em 2010 com a postagem de vídeos misteriosos no YouTube, como o viral “y”, que construíam uma mitologia complexa através de música e visuais e mais tarde seriam compilados no álbum Bounty. Esse se tornou o modus operandi do iam, mesmo enquanto o público conhecia cada vez mais sobre as pessoas por trás do projeto (Jonna e Claes já lançaram álbuns solo) - de quando em quando, eles sumiam do mapa só para reaparecer anos depois, sem aviso prévio, com uma ideia totalmente nova. “zeven”, com seu balanço hipnotizante e sua virada de ritmo na marca dos 2:30, é o melhor dos feitiços mais recentes do iam, e deixa nossos ouvidos coçando pelo disco Be Here Soon, que sai em 3 de junho.

“hate my favorite band” - Nightly

Uma das joias raras dentro do indie pop, o Nightly liberou no mês de abril a sua nova faixa “hate my favorite band”, que deveria ter saído no mês passado, mas acabou sendo adiada com o objetivo de dar espaço para a parceria com o NOTD em março. A canção fala sobre um término traumatizante que fez com que o eu lírico passasse a odiar tudo o que lhe faz lembrar da amada - inclusive a sua banda favorita. A faixa, apesar da letra, não é nada triste; o trio traz um ritmo alegre e refrão cativante, ideal para cantarolar distraído.

“Growing Up” - The Linda Lindas

As meninas do The Linda Lindas estão conquistando o mundo desde 2021 (merecidamente!) com o objetivo de resgatar o punk rock que muitos juram ter morrido nos anos 1990, só que dessa vez por quatro garotas não-brancas menores de idade. Ganhando notoriedade inicialmente pela faixa “Racist, Sexist Boy”, que viralizou no YouTube e depois passou a integrar a trilha sonora de Moxie, na Netflix, a banda lançou seu álbum de estreia no início do mês, repleto de manifestações sociopolíticas, maturidade e, é claro, sem tirar o pé do que é de fato ser uma pré-adolescente.

“That’s Hilarious” - Charlie Puth

Após oficializar não só seu retorno como também o início de uma era completamente nova com “Light Switch”, Charlie Puth liberou no mês de abril seu mais novo single, “That’s Hilarious”, que vai totalmente contra a batida dançante e refrão chiclete do antecessor. Na nova faixa, o cantor “ri por último” de uma situação em que a garota que o rejeitou anteriormente agora o quer de volta. O clipe deve ser lançado no próximo mês, mas Puth chegou a liberar um visual mostrando alguns vídeos e fotos presentes em seu celular.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.