Hayley Williams em show do Paramore (via Alberto E. Rodriguez/AFP)

Créditos da imagem: Alberto E. Rodriguez/AFP

Música

Lista

8 hits que seus músicos pararam de tocar ao vivo

De Nirvana à Paramore, veja bandas que aposentaram algumas de suas canções mais populares

Arthur Eloi
27.04.2020
18h07

Ir à um show é uma experiência mágica que fica ainda melhor quando a banda toca a sua música favorita. Mas e se, por algum motivo, os músicos tiverem algo contra o hit e deixarem de fora da setlist? Pode acontecer - e já aconteceu algumas vezes. Abaixo, listamos 8 canções populares que os artistas pararam de tocar ao vivo.

“Misery Business” - Paramore

Por mais que tenha sido o hit que colocou a banda no mapa, o Paramore afirmou que não tocaria mais “Misery Business” em seus shows a partir de 2018. Segundo a vocalista Hayley Williams, o motivo se dá pelos versos que dizem (em tradução livre): “Segundas chances não importam, as pessoas nunca mudam / Uma vez uma v*dia, você não é mais nada, me desculpe mas isso nunca vai mudar

Como uma mulher de 26 anos, não consigo me relacionar com a letra de ‘Misery Business’”, afirmou Williams em seu Tumblr em 2015. “Há muito tempo eu não me relaciono com elas. Essas palavras foram escritas quando eu tinha 17 anos - e, admito, uma cabeça bem fechada. Não era para ser entendida como uma grande afirmação filosófica sobre nada. Foi literalmente uma página do meu diário sobre um momento que vivenciei no ensino médio.

“Pumped Up Kicks” - Foster the People

O maior sucesso do Foster the People é conhecido por seu ritmo dançante e descolado, mas a letra sempre foi bastante sombria. Pode não parecer, mas a canção é narrada da perspectiva de um garoto perturbado, vítima de bullying, que decide invadir sua escola armado e atirar nos seus colegas. Por mais que tenha gerado um burburinho nos Estados Unidos em 2010, sendo banida de algumas rádios na época, isso não afetou o sucesso mundial da canção, mas sempre incomodou os integrantes da banda.

Em 2019, a temática voltou aos debates por conta da onda de tiroteios escolares nos EUA. Para piorar a sensação de desgosto no vocalista e compositor Mark Foster, alguns atiradores de massacres recentes começaram a usar “Pumped Up Kicks” como uma espécie de hino de seus crimes, como Nikolas Cruz, autor de um atentado na Flórida, e até a dupla por trás do massacre numa escola em Suzano, São Paulo, em março daquele ano. Em dezembro, o músico reconheceu o papel da canção nos crimes dos EUA e do Brasil e afirmou à à Billboard que chegou a hora aposentá-la: “10 anos depois, a percepção dessa música mudou porque agora é um lembrete desse momento doloroso na história”.

“Anna Júlia” - Los Hermanos

É impossível pensar em Los Hermanos sem lembrar de “Anna Júlia” - e é justamente essa conexão instantânea que fez a banda parar de tocar o hit nos shows. Em diversas entrevistas, os integrantes reforçam que o clássico é uma balada de rádio, mas que não representa o estilo da banda. Isso porém não significa que eles tem uma relação ruim com o clássico, só não querem ser conhecidos apenas por ele. Na verdade, durante a turnê de reunião dos Los Hermanos em 2019, "Anna Júlia" esteve presente ao lado de outros sucessos da banda.

“Wonderwall” - Oasis

Lançada em 1995, “Wonderwall” é o hit mais reconhecível do Oasis e também faz a felicidade de muitos músicos amadores por ai. Acontece que o vocalista Liam Gallagher simplesmente odeia a canção, como reforçou em uma entrevista de 2008 com a MTV: “Eu não aguento aquela m**da de música! Toda vez que eu tenho que cantá-la, tenho vontade de me sufocar. O problema é que foi um grande sucesso para a gente. Você vai para os Estados Unidos e as pessoas te perguntam ‘Você é o Sr. Wonderwall?’. Dá vontade de socar alguém no queixo”, falou.

“The Conjuring” - Megadeth

A segunda faixa do álbum Peace Sells (1986) deixou de ser tocada há anos pelo Megadeth. Isso porque Dave Mustaine afirma que inspiração da letra foi rituais de magia negra que o vocalista praticou quando era mais jovem, e que a letra tinha “instruções” de como replicar esses encantamentos.

Como o cantor se tornou religioso e se afastou desse passado, a canção ficou para trás: “Quando comecei a praticar magia negra quando eu era adolescente, coloquei alguns feitiços em pessoas e isso me assombrou para sempre, tive muito tormento”, falou ao programa de rádio The Morning Blaze With Gus & Izzy [via Blabbermouth]. Assim a banda ficou 17 anos sem tocar “The Conjuring” ao vivo, até que em 2018 decidiu tocá-la durante um show na República Tcheca.

“Smells Like Teen Spirit” - Nirvana

Kurt Cobain detestava “Smells Like Teen Spirit”, por mais que fosse um dos maiores hits do Nirvana. A banda se recusava a tocar em shows. “Eu mal aguento tocar ‘Teen Spirit’, especialmente em uma noite ruim como essa”, falou à Rolling Stone em 1994, depois de ter sido vaiado pela ausência da música em um concerto. “Tenho vontade de jogar minha guitarra no chão e sair. Não consigo fingir que estou me divertindo enquanto toco ela”.

Uma das únicas vezes que Cobain “atendeu” os pedidos do público foi durante um show de 1992 em Buenos Aires, na Argentina, quando os fãs vaiaram Calamity Jane, banda punk só de mulheres que abriu o show. Para retrucar, o Nirvana começou todas as músicas com o riff de abertura de “Smells Like Teen Spirit”, mas sempre seguindo com uma faixa completamente obscura. O show inteiro não teve nenhum hit conhecido, mas divertiu bastante Cobain, que depois disse: “Aquele set inteiro foi uma das melhores experiências que eu já tive”.

“Angels” - Robbie Williams

A canção de Robbie Williams é pesada e emocional. Não à toa ela se tornou muito especial para celebrar aqueles que se foram, chegando até a ser eleita em 2005 a música favorita para ser tocada em funerais no Reino Unido. Essa relação dos fãs com “Angels” afeta o cantor, que parou de tocá-la por ficar emotivo ao ouvir as histórias do público: "Eu tenho que me segurar, senão eu choro e pareço patético. As pessoas ficam levantando cartazes antes de Angels falando sobre suas mães e pais que morreram e eu penso 'meu deus, eu vou chorar'. Sempre me afetou".

“Creep” - Radiohead

Assim como muitos outros grupos, o Radiohead não é tão chegado em “Creep” pela canção ter praticamente ganho vida própria. O hit é conhecido de cor até por quem nunca ouviu nada mais do grupo. Por conta disso, o vocalista Thom Yorke decidiu colocar a música em hiato por muitos anos. Entre 2009 e 2016, a banda sequer a tocou uma vez em suas turnês. De lá para cá, porém, eles parecem ter feito as pazes com o sucesso, ocasionalmente colocando-a em suas setlists.