Música

Artigo

Halsey conecta com fãs e prova talento em show sem grande produção

Lauren Jauregui abriu a noite e participou do show principal

Giovanna Parise
07.06.2018
08h10
Atualizada em
07.06.2018
13h02
Atualizada em 07.06.2018 às 13h02

O show de abertura da Halsey começou 15 minutos antes do previsto, quando Lauren Jauregui, da banda Fifth Harmony - que se separou no primeiro semestre de 2018 - entrou no palco para começar a noite. “Estou muito nervosa porque esse é meu primeiro show solo, estou muito feliz que vocês todos estão aqui.” declarou a cantora. Entre as músicas já lançadas com outros artistas, incluindo o dueto "In Your Phone" com seu namorado Ty Dolla $ign, Lauren também cantou 3 músicas inéditas: “eu escrevi essas músicas do início ao fim no estúdio”, comentou. O momento favorito da noite foi com o cover de "Imagine", de John Lennon, onde ela pediu para que todos prestassem muita atenção na letra pois mesmo sendo uma música antiga, ainda era muito importante. Lauren deixou o palco do Espaço das Americas cheia de sorrisos e aplausos, mas essa não seria a última vez que a cantora iria aparecer.

30 minutos após o show de abertura, o palco se escureceu ao som de "The Prologue", início do segundo álbum de estúdio de Halsey, Hopeless Fountain Kingdom, nome também dado para sua turnê mundial. Halsey finalmente surgiu com "Eyes Closed", como apenas uma silhueta nas cortinas, até que finalmente fosse revelada no topo das escadas ao som dos gritos dos fãs brasileiros. A cantora lembra que esse é seu primeiro show solo em São Paulo, já que sua primeira vinda foi em 2016 para o Lollapalooza, e com um palco composto por três pessoas da banda e apenas uma dançarina que aparecia em algumas músicas, o show foi um espetáculo de iluminação, que não sobrepôs em momento algum o talento da cantora. 

Com 2 discos de estúdio e um EP, Halsey agradou não só fãs novos como os antigos que a acompanham desde o começo, cantando suas músicas mais antigas como "Is There Somewhere", onde desceu do palco para o meio do público. Ela também não deixou de fora seus hits mais populares, como "Now or Never", "Alone", "Castle" e uma versão acústica de "Closer", sua parceria com The Chainsmokers. Mostrando-se bem-humorada, ela ainda fez piada: “Quando eu entrava em um restaurante essa música estava tocando e ouvia alguém falando ‘ugh eu odeio essa música’ e eu dizia ‘eu também’

Halsey sempre foi conhecida por falar abertamente sobre sua sexualidade. Em um dos maiores momentos do show, em "Strangers", a cantora chamou Lauren, também abertamente bissexual, ao palco, pedindo para que as pessoas levantassem suas bandeiras LGBTQ+. Mais tarde, a cantora introduziu uma sequência de músicas sobre amores falidos: “Vocês já estivaram apaixonados e sentiram que tudo estava dando errado e não importa o que você fazia, aquilo não funciona?” questionou antes "Bad at Love" e "Alone". Ao som dos milhares de gritos de “Halsey eu te amo”, ela emendou com a balada "Sorry": "eu já falei obrigada, tudo bem se agora eu pedir desculpa?”

Foram vários momentos entre músicas que Halsey parava para conversar com os fãs, lembrar de tempos antigos e contar histórias, e em todos os momentos ela expressava a gratidão por seus fãs por percorrerem o caminho junto com ela e ouvirem suas músicas; “a minha música tocou muitas pessoas que eu nunca imaginei. Eu não sei por que mas vocês me escolheram como o soundtrack de suas vidas” adicionou emocionada. Com o show chegando ao fim, Halsey não deixou de lado mais clássicos como "Colors", "Young God" e "Gasoline": “Essa música é um lembrete que você não pertence a ninguém além de si mesmo”, declarou antes de começar sua última música, "Hurricane". 

Foi assim que o primeiro show da sua turnê pela América do Sul se encerrou, Halsey mostrou que não precisa de uma super produção, nem um palco cheio de equipamentos e dançarinos. Sua voz e carisma foram o suficiente para fazer aquela noite inesquecível para seus fãs.