Música

Crítica

Radiohead - The King of Limbs | Crítica

Novo álbum aprofunda recursos explorados pela banda em outras fases

Pedro Keiner
07.03.2011
19h04
Atualizada em
21.09.2014
14h17
Atualizada em 21.09.2014 às 14h17

Uma longa inspiração, foi o que me veio à cabeça depois que The King of Limbs, álbum novo do Radiohead, chegou ao fim. Cada faixa pede atenção e cumplicidade. Você não vai entender nada se ouvir o disco enquanto pega um ônibus ou lê um livro - o “Radiohead Experience” exige exclusividade.

Falar do álbum música a música não faria tanto sentido, já que a obra tem uma característica tão linear. Os sons sintetizados sobrepõem-se a tudo, em oposição às guitarras e timbres mais "vintage" do álbum anterior, In Rainbows (2007). Em The King of Limbs há muitas dobras de voz com guitarra e sinths, harmonias quase estáticas e pouquíssimos acordes. Quando as guitarras e a bateria aparecem mais nitidamente é quase como se reproduzissem a função dos samplers (a exemplo da faixa "Morning Mr. Magpie"), coisa de quem sabe muito bem como usar a música eletrônica a seu favor.

O interessante é que, apesar de o ritmo ser um dos elementos essenciais do disco, ele nunca funcionaria numa pista. Isso provavelmente acontece porque os loops de bateria (eletrônica ou não), apesar de estarem por todo o canto, não chegam a ser tão consistentes ao ponto de serem “dançáveis”. Mesmo o primeiro single, "Lotus Flower", em que o vocalista Thom Yorke aparece dançando descontroladamente no clipe, não mostra tanto potencial para pistas quanto teve, por exemplo, "15 steps", de In Rainbows.

O álbum soa como um aprofundamento de recursos técnico-criativos explorados pela banda em muitas outras fases e discos, uma progressão natural do trabalho do Radiohead. As canções sem refrão, os timbres sintéticos e a sobreposição de “camadas musicais” sempre existiram no grupo britânico, afinal, em maior ou menor grau. A maneira como a banda manipula esses recursos também sempre foi surpreendente e sempre esteve lá (basta escutar o álbum Amnesiac, de 2001). Essa característica também aparece em algumas faixas de Kid A (2000) e até mesmo em OK Computer (1997) - a faixa "Climbing Up the Walls" já apresentava isso, de leve.

The King of Limbs é, sim, um disco difícil, mas importante nesses tempos em que a arte tornou-se um bem de consumo quase descartável. O Radiohead preza por uma percepção mais aguçada daquilo que estamos vendo, ouvindo e sentindo, e é justamente essa autoconsciência que faz falta em outros trabalhos que estão sendo lançados atualmente.

Assista ao novo clipe do Radiohead, "Lotus Flower"

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.