Castello Branco - Castello Dança - Sintoma

Créditos da imagem: Castello Branco/Reprodução

Música

Crítica

Castello Branco - Castello Dança - Sintoma

Músico brasileiro cria mágica sonora ao temperar suas músicas com elementos eletrônicos

Jacídio Junior
24.09.2018
14h17

Castello Branco, desde seu primeiro disco solo (Serviço, 2013), trabalha com nuances que constroem atmosferas que não podem ser compreendidas somente como música brasileira. Sua voz e seus arranjos costumam criar espaços que reverberam de forma ampla nos ouvidos, nos corpos e nos corações. E agora com Castello Dança - Sintoma, álbum que apresenta versões com elementos eletrônicos de seu disco mais recente (Sintoma, 2017), todo esse apelo alcança um novo patamar.

A proposta do projeto, graças a delicadeza dos novos sons e repetições que lembram - em diversos momentos - mantras ou faixas meditativas, faz a mágica de Castello se multiplicar e entrega uma mistura acertada entre voz e as novas nuances sonoras que colocam as faixas para reverberar não só na mente, mas também no corpo.

Músicas que já vinham carregadas de sentimento, surgem com uma proposta capaz de aproximar ainda mais o ouvinte da mensagem do artista carioca. Elas vêm prontas para nos conduzir para um ponto diferente dentro da obra de Castello, tudo sem que elementos sonoros importantes, explorados anteriormente, fiquem para trás.

Exemplos disso ficam explícitos em faixas como "Providência" (Nu Remix), "Meu Reino" (Holger Hecler Remix) e "O Peso do Meu Coração" (Thomash Remix) que criam uma nova experiência musical para dançar, apostam nas repetições e dinâmicas da música minimalista, mas sem desconfigurar os elementos que fazem das faixas de Castello Branco o que são, mensagens musicadas.

As novas ideias e arranjos entregam o clima de pista calma - daquele final de tarde -, mas sem que as palavras do músico percam relevância dentro do contexto. Sem dúvida, essa mescla equilibrada é um dos pontos altos do conceito por trás do projeto.

E claro, mesmo com a proposta de manter elementos originais preservados e com relevância, os temperos eletrônicos possibilitam reconstruir algumas faixas com tonalidades que permeiam a versão original, mas que seguem por caminhos mais rápidos ou até mesmo mais sombrios como em “Nascer do Sômm (Spaniol Remix)”.

No fim das contas, a aposta de Castello amplia ainda mais seu repertório sonoro, algo que deve agradar o público que já o conhece e também alcançar pessoas que, em um primeiro momento, poderiam não se interessar por uma proposta que dialoga de forma mais purista com voz e violão.

Depois de uma hora com Castello Dança - Sintoma, só resta concluir que ele acrescentou mais um bom elemento à sua mágica cantada e isso deve render bons momentos para quem gosta de evoluções sonoras. Ouça o disco completo abaixo.

 

Nota do Crítico
Ótimo