Foto de Back to Black

Créditos da imagem: Divulgação

Música

Lista

11 curiosidades sobre o disco Back to Black, de Amy Winehouse

CD de cantora morta em 2011 se transformou em um dos grandes clássicos do século XXI

Caio Soares
14.09.2020
12h16
Atualizada em
14.09.2020
12h32
Atualizada em 14.09.2020 às 12h32

No dia 27 de outubro de 2006, Amy Winehouse, na época uma jovem cantora que estava começando a ficar famosa após seu CD de estreia Frank, lançava seu novo trabalho de estúdio, Back to Black.

Recheado de referências à Motown e à música norte-americana dos anos 60, o disco foi um sucesso desde o primeiro single escolhido, Rehab, vendeu mais de 12 milhões de cópias no mundo, e transformou Amy em uma das maiores cantoras do século XXI. No dia em que a cantora completaria 37 anos, separamos curiosidades sobre as 11 músicas deste verdadeiro clássico de nossa geração.

Rehab

Principal single do CD e responsável por catapultar a fama da cantora a um nível mundial. O refrão de Rehab foi criado durante uma conversa de Amy e o produtor Mark Ronson em uma loja. "Amy estava me contando sobre a conversa que teve com seu pai sobre entrar em reabilitação e ela disse 'ele tentou me mandar para a reabilitação, mas eu disse 'pfft, não, não, não'. Na hora falei, vamos agora para o estúdio".

You Know I'm No Good

Segundo single do CD, a música traz uma referência ao ator Roger Moore, que interpretou James Bond. Em entrevista concedida em 2008, Moore comentou sobre a homenagem: "Nunca entendi isso. "I probably just rhymed with door. Or she couldn't find anything to rhyme with Connery." Agora que é uma boa rima com door (porta em inglês). Ou então ela não encontrou nenhuma palavra para rimar com (Sean) Connery. 

Me & Mr Jones

Pouco após a morte de Amy, o rapper Nas revelou que a cantora se inspirou nele para fazer "Me & Mr Jones". O nome real do cantor é  Nasir Jones; ele nasceu no mesmo dia que Amy (14 de setembro), e tem uma filha chamada Destiny. Uma olhada na letra da música confirma as referências — "Side from Sammy you're my best black Jew ... / Mr. Destiny 9 and 14 / Nobody stands in between me and my man / 'Cause it's Me and Mr. Jones."

Just Friends

A letra de "Just Friends" mostra toda a complexidade do relacionamento da cantora com Blake Fielder-Civil, envolvido com outra mulher durante boa parte do tempo em que estava com Amy. Nela, Amy canta "A culpa irá te matar, se ela não te matar primeiro".  Sarah Aspin, uma ex-namorada da época. Sarah disse a tabloides ingleses que sabia do caso com a Amy, e que deixava ele se encontrar com ela porque tinha pena.

Back to Black

Uma das músicas com atmosfera mais pesada do CD, a canção expõe a luta de Amy contra a heroína. Foi a primeira música que a cantora escreveu com o produtor Mark Ransom. "Nunca vou me esquecer o dia em que conheci Amy - tudo mudou para mim", disse Ranson à revista Mojo em 2010. O documentário Amy mostra o processo de criação da música, onde Mark cria a clássica introdução da música.

Love is a Losing Game

Último single do CD, “Love is a losing game” foi a primeira finalizada por Mark Ronson. Em entrevista ao jornal The Sun, ele se recordou do processo de gravação "Não sabia como ela iria reagir ao que fiz, mas ela ficou muito feliz e pediu apenas para tirar a harpa após o segundo verso, pois estava parecendo uma música ruim de Mariah Carey"

Tears Dry on Their Own

Uma das principais influências na formação musical de Amy Winehouse é a música da Motown, e essa influência é marcante em "Tears Dry on Their Own", que usa a base melódica de "Ain't No Mountain High Enough", clássico de 1967 interpretado por Marvin Gaye e Tammi Terrell. A ideia foi do produtor Salaam Remi.

Wake Up Alone

Esta foi a primeira música gravada por Amy no começo das sessões de gravações do CD. A gravação original de "Wake Up Alone", disponível no CD póstumo Hidden Treasures, foi entregue para o produtor Paul O'Duffy em março de 2006, um ano e meio antes do lançamento de Back to Black.

Some Unholy War

Em show em 2008 no festival de Glastonbury, Amy revela que essa música foi a primeira música que escreveu sobre Blake. "Ainda não sabia sobre o que estava falando, e ainda não sei, todo esse relacionamento é uma obra em execução", conta a cantora.

He Can Only Hold Her

Uma das músicas mais animadas do CD, é uma junção de influências clássicas e modernas na música de Amy Winehouse. Em algumas apresentações ao vivo, Amy mesclou a canção com "Doo Wop (That Thing)", música que ficou famosa na voz de Lauryn Hill.

Addicted

Na música, Amy reclama do namorado que pega seus cigarros. O acusado era o namorado de Juliette Ashby, que dividia um apartamento com Amy na época da gravação do CD. Juliette e Amy eram amigas desde os 15 anos, e seguiram próximas até o fim. No documentário Amy, Juliette revela que a cantora ligou para ela na noite em que morreu.