Filmes

Notícia

Guardiões da Galáxia | Sean Gunn publica declaração em defesa de James Gunn

Ator é irmão do diretor e atua no filme

Julia Sabbaga
21.07.2018
20h41
Atualizada em
21.07.2018
21h02
Atualizada em 21.07.2018 às 21h02

Sean Gunn, irmão de James Gunn e ator de Guardiões da Galáxia, publicou uma declaração em defesa do diretor, demitido ontem, dia 20, após o resgate de polêmicos tweets - leia mais

Instagram/reprodução

Em seu Twitter, Sean escreveu:

"Eu espero que esteja entendido que eu amo e apoio o meu irmão James. Eu tenho muito orgulho de quão doce, generoso e compassivo ele é com as pessoas em sua vida, seja com amigos, família, colegas, fãs ou estranhos. 

Desde que ele era criança, era claro que ele tinha o desejo (talvez o destino) de ser um artista, contar histórias, achar a sua voz através de quadrinhos, filmes ou sua banda. A batalha para encontrar sua voz foi por vezes desajeitada, sem rumo, ou realmente estúpida, mas às vezes foi incrível, comovente e hilária. 

Desde que ele dedicou sua vida aos filmes de Guardiões e ao MCU, há seis anos, eu vi ele conseguir colocar sua voz nos filmes e ser transformado daquele cara que inventava coisas para chocar as pessoas. 

Eu testemunhei ele se preocupando sobre abrir mão de sua 'pegada afiada' para agradar um público maior e percebendo que a sua 'pegada afiada' não era uma ferramenta tão útil quanto ela achava. Que seu dom para contar histórias era algo melhor. 

Eu vi que ele tem um coração aberto e que não precisava fazer piadas ofensivas ou desagradáveis (como você quiser chamá-las - eu não acho que esse material era seu melhor, e nem nossa mãe acha). 

De muitos jeitos, eu senti que esta mudança no meu irmão se refletiu na mudança que os Guardiões passaram. Eu ouvi meu irmão dizer diversas vezes que quando Quill reúne o time com 'esta é a nossa chance de se importar', este era o discurso que ele mesmo precisava ouvir'

[Tudo isso] É parte do que fez trabalhar em Guardiões uma experiência tão recompensadora para o elenco, para mim, inclusive. Nós nos vimos em um filme de grande orçamento que, no fundo, era tremendamente pessoal. Isto é um dom. É por isso que é tão bom. 

Isto não é nada novo. São coisas que James explicou em entrevistas, em detalhes, eloquentemente. Não é uma nova maneira de ver as coisas. Sempre foi parte da história. 

Então minha esperança é que os fãs continuem assistindo e apreciando os filmes dos Guardiões, não apesar do diretor ter sido um babaca, mas por causa disto. Eles são, afinal, filmes sobre descobrir a melhor versão de si. 

It goes without saying that I love and support my brother James and I’m quite proud of how kind, generous, and compassionate he is with all the people in his life. Since he was a kid, it was clear he had a desire (maybe destiny) to be an artist, tell stories, find his voice through comics, films, his band. The struggle to find that voice was sometimes clunky, misguided, or downright stupid, and sometimes wonderful, moving, and hilarious. Since devoting his entire life to the Guardians movies and MCU six years ago, I’ve seen him channel that voice into his work and seen him transform from the guy who made up things to shock people. I saw firsthand as he went from worrying about “softening his edge” for a larger audience to realizing that this “edge” wasn’t as useful of a tool as he thought it was. That his gift for storytelling was something better. I saw that he was more open-hearted than the guy who thought he needed to get a rise out of people by making nasty or offensive jokes (or whatever you choose to call them—I don’t think his bluer material was ever his funniest and neither does Mom). And the best part is, this change in my brother was reflected in the change that the Guardians go through. I’ve heard my brother say many times that when Quill rallies the team with “this is our chance to give a shit”—to care—that it’s the pep talk he himself needed to hear. It’s part of what made working on the Guardians movies such a rewarding experience for the cast. We managed to find ourselves involved in a big-budget superhero movie that was, at its core, deeply personal. That’s a gift. And that’s why it’s good. This isn’t new information, by the way. It’s all stuff that James has explained many times in interviews, in more detail and more eloquently. It’s not some new spin. It’s always been part of this story. So I guess my hope is that fans continue to watch and appreciate the Guardians movies, not despite the fact that the filmmaker used to be kind of a jackass, but because of it. They are, after all, movies about discovering your best self. Working on those movies made my brother a better person, and they made me one too. I’ll always be proud of that. Peace.

Uma publicação compartilhada por Sean Gunn (@thejudgegunn) em

Trabalhar nestes filmes fez do meu irmão uma pessoa melhor, e me fez melhor também. Eu estou orgulhoso disso. Paz". 

Sean Gunn fez a captura de movimentos de Rocket e interpreta Kraglin em Guardiões da Galáxia Vol. 2.

James Gunn foi afastado da direção de Guardiões da Galáxia Vol. 3 após o resgate de antigos tweets, que faziam piadas com estupro e pedofilia (leia mais). O diretor já se pronunciou sobre a demissão, dizendo compreender as decisões do estúdio e pedindo desculpas por mensagens ofensivas - leia mais.

A Marvel Studios ainda não se pronunciou sobre as alterações na produção de Guardiões da Galáxia Vol. 3, que deveria iniciar filmagens no fim do ano. O longa tem previsão de lançamento em 2020.