America/Doutor Estranho no Multiverso da Loucura

Créditos da imagem: Marvel Comics/Marvel Studios/Divulgação

HQ/Livros

Artigo

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura | Quem é América Chavez

Personagem criada por Joe Casey e Nick Dragotta chegou aos quadrinhos em 2011 e já integrou os Vingadores da Costa Oeste antes de estrear nas telonas

Omelete
5 min de leitura
Nico Garófalo
09.05.2022, às 16H54

Mais nova adição do MCU, América Chavez fez sua estreia na franquia em Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, vivida por Xochitl Gomez. Enquanto sua contraparte cinematográfica ainda está dando seus primeiros passos em sua caminhada heróica, a versão das páginas da jovem já passou por várias aventuras desde que apareceu pela primeira vez em Vingança, HQ de 2011 escrita por Joe Casey e ilustrada por Nick Dragotta.

Embora seja relativamente nova nos quadrinhos, América já teve sua história de origem alterada. A versão original de sua história mostrava a heroína como uma garota nativa do Paralelo Utópico, dimensão fora do espaço-tempo e separada do restante do multiverso. Habitada quase exclusivamente por mulheres, essa realidade a parte foi criada pelo Demiurgo, versão alternativa do Wiccano que também deu superpoderes às moradoras do Paralelo Utópico. Lá, ela vivia com suas mães, Amalia e Elena Chavez, que se sacrificam para impedir que sua dimensão natal seja destruída por rupturas na barreira que separavam o Paralelo Utópico do restante do multiverso.

Acontece que, em 2021, a Marvel Comics lançou a minissérie América Chavez: Made in America, escrita por Kalinda Vazquez e ilustrada por Carlos Gómez. Aqui, América descobre, através de sua irmã, Catalina, que o Paralelo Utópico era, na realidade, uma ilha privada onde o misterioso Sr. Gales permitiu que Amalia e Elena, que na verdade eram cientistas, pesquisassem uma cura contra uma doença que afetava qualquer criança com dois cromossomos X, como América. Quando começaram a tratar a filha, ela desenvolveu poderes e Gales tentou explorá-los. As duas cientistas tentaram fugir da ilha com as filhas, mas acabaram morrendo na fuga. América criou um portal para fugir com a irmã, mas o vilão agarrou Catalina antes que ela conseguisse escapar. Sozinha e traumatizada, América criaria a fantasia do Paralelo Utópico para se resguardar do trauma criado pela experiência.

Sofrendo de amnésia, América é adotada pelos Santana. Depois que redescobre seus poderes - e “cria” as memórias do Paralelo Utópico -, ela é alertada pelos pais adotivos a não usar suas habilidades, que incluem voo e superforça, pois eles podem colocá-la em perigo. Frustrada e inspirada pelos atos imaginários de suas mães, América usa seus poderes de viagem interrealidades para deixar os Santana e viajar pelo multiverso.

Depois de alguns anos vagando por várias realidades, América se estabeleceu de vez na Terra-616, realidade principal do cânone da Marvel, onde se uniu muito brevemente à Brigada Jovem, com quem enfrentou os Jovens Mestres, grupo que tentou assassinar vilões como Doutor Octopus e Mercenário.

Depois de deixar a Brigada e morar um tempo na Terra-212, uma versão da Terra que foi transformada em uma “Nova York Infinita", América retornou à Terra-616 e se uniu à nova versão dos Jovens Vingadores. Como membro do grupo, ela se aproximou de Kate Bishop, a Gaviã Arqueira, de quem se tornou melhor amiga. A equipe enfrentou uma entidade cósmica chamada Mãe, que queria possuir e consumir o Wiccano por causa de sua capacidade quase onipotente.

A Brigada não foi, obviamente, o único grupo pelo qual América lutou. A heroína ainda emprestaria seus poderes à Força-V, durante as Guerras Secretas, e aos Supremos, grupo criado por Carol Danvers, a Capitã Marvel, para avaliar e cuidar de possíveis ameaças cósmicas antes que elas chegassem à Terra. Ela, inclusive, chegou a liderar a equipe espacial, comandando heróis como Pantera Negra, Espectro e Marvel Azul. Embora sua estadia com essas equipes tenha sido relativamente curta, ela pôde criar laços com alguns dos maiores heróis do planeta, ao lado de quem lutou mais algumas vezes durante a Guerra Civil II e a Guerra dos Reinos.

Anos mais tarde, ela voltaria a se juntar a Kate como membro dos Vingadores da Costa Oeste, que contava também com heróis como Kid Ômega, Gwenpool, Fusão e Clint Barton, o Gavião Arqueiro original. Mais uma vez, seu tempo na equipe foi curto, já que os poderes da garota começaram a mostrar certa instabilidade.

Poderes

Além de alguns poderes clássicos, como invulnerabilidade, voo e supervelocidade, América também é capaz de transportar a si mesma e seus colegas através de portais em formato de estrela. Esses portais permitem que a heroína viaje tanto de um canto de seu universo a outro, quanto para outras realidades do multiverso. América também tem uma força sobre-humana invejável e já apareceu lutando de igual para igual contra a Capitã Marvel e algumas das criaturas místicas que ela já encontrou em suas aventuras.

A heroína também tem um sexto-sentido próprio, que a faz perceber quando algo está errado no multiverso. Esse poder também serve como uma bússola interdimensional e a ajuda a direcionar seus portais de forma exata.

Vez ou outra, América já manifestou a habilidade de viajar no tempo, mas esse é um poder sobre o qual ela tem pouquíssimo controle ou compreensão e que exige dela uma concentração extraordinária, além de gastar muito de sua energia.

No MCU - spoilers de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura à frente

Tentando evitar a grande confusão causada por Made in América, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura revela o mínimo possível das origens de América, dando a entender que a garota realmente vem da versão do MCU do Paralelo Utópico. Depois de ser caçada pela Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), a garota faz do universo principal da franquia seu novo lar e passa a estudar magia sob a tutela de Wong (Benedict Wong) e outros magos de Kamar-Taj.

O MCU já apresentou Kate Bishop (Hailee Steinfeld), Patriota (Elijah Richardson), versões de Wiccano (Julian Hilliard) e Célere (Jett Klyne) e a nova Viúva Negra Yelena (Florence Pugh) e prepara as chegadas de Estatura (Kathryn Newton), Ms. Marvel (Iman Vellani). Ao que tudo indica, o Marvel Studios prepara sua versão dos Jovens Vingadores ou dos Campeões, outra equipe formada pelos adolescentes da Casa das Ideias. Embora traga mudanças de sua contraparte das páginas, especialmente o aprendizado místico, é possível que a América das telonas se torne membro deste futuro grupo, muito provavelmente exercendo a mesma função que tem nos gibis: transporte e força bruta, além de ser segunda no comando, atrás apenas da Gaviã Arqueira.

O estúdio de Kevin Feige, no entanto, ainda não deu qualquer previsão de estreia de um grupo jovem no MCU e, por isso, é sempre bom lembrar que qualquer “previsão” nada mais é do que mera especulação baseada na trajetória de América e seus amigos nos quadrinhos.

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.