Mangás e Animes

Crítica

Star Wars: Visions traz novas perspectivas valorizando a essência da franquia

Curtas antológicos divertem fãs de qualquer geração sem abrir mão da nostalgia

Pedro Henrique Ribeiro
21.09.2021, às 16H57
ATUALIZADA EM 23.09.2021, ÀS 17H09
ATUALIZADA EM 23.09.2021, ÀS 17H09

A série animada Star Wars: Visions é composta por nove curtas de diferentes estúdios japoneses. A ideia é levar os fãs a um mergulho no universo da franquia através de diferentes “visões”, que não fazem parte do cânone oficial, mas sem abrir mão da essência da saga. Com contos emocionantes e diversificados, os curtas unem a melhor parte da obra de George Lucas e dos animes japoneses para criar aventuras rápidas e prazerosas.

O conceito de histórias em antologia contadas em tão pouco tempo — em episódios que variam entre 13 e 20 e poucos minutos — através de diferentes traços e estilos é similar ao que já foi visto em Animatrix (2003). Se uma produção serviu de inspiração para outra, pouco importa, pois a visível preocupação dos estúdios em manter o DNA da franquia Star Wars torna a obra única e memorável. Cada um desses episódios tem o poder de causar diferentes sensações nos fãs e até conversar com a criança interior de quem acompanhou a saga durante a infância, além de ter a habilidade de atrair novos fãs.

A série mostra de uma forma poética que as aparências enganam e que todos possuem luz e trevas dentro de si. Assim como um cavaleiro Jedi pode ser fraco e vacilante, um Sith também pode ser generoso e altruísta em determinadas situações. A liberdade criativa que os estúdios japoneses tiveram nos curtas é um elemento fundamental para que Visions entregue episódios mais reflexivos, com diversos caminhos possíveis para cada narrativa, mas sem perder o espírito da franquia.

De acordo com os produtores, a Lucasfilm encontrou muitos fãs da saga nos estúdios de animação. Essa relação de trabalho feito “de fã para fã” enriquece a obra em diversos níveis, especialmente na arte e nas músicas. A delicadeza como esses detalhes são trabalhados na obra faz com que seja indiferente se o personagem se apresenta como Jedi, Sith ou samurai. O som dos sabres de luz se chocando, dos droides e até do povo da areia explica para a nossa mente que o que estamos vendo é Star Wars. Cada episódio, com seu traço único e impecável, é como uma versão deluxe de um álbum da sua banda favorita.

Com isso, Visions completa um ciclo de trocas culturais iniciado por George Lucas em Star Wars: Uma Nova Esperança. O cineasta se inspirou no clássico A Fortaleza Escondida (1958), de Akira Kurosawa, para desenvolver uma das maiores franquias do Ocidente. E, agora, estúdios japoneses fazem o caminho inverso, se apoiando na obra de Lucas para criar esses curtas, que passeiam mais a fundo por referências da cultura japonesa, desde o primeiro episódio, que homenageia Kurosawa com sua fotografia quase em preto e branco, até um emocionante relato em homenagem a Astro Boy, de Osamu Tezuka, para contar a história de um droide que almeja se tornar Jedi.

Ao final do último episódio, o espectador é consumido por um franco desejo por mais. Após uma decepção generalizada com a trilogia O Despertar da Força, Star Wars: Visions chega como uma excelente redenção da Disney para com os fãs, sobretudo aqueles que anseiam por mais produções do universo.

Todos esses elementos resultam em uma coleção divertida, cativante e deliciosa de se assistir. O pouco tempo que cada história leva para ser contada torna cada um dos detalhes mais especial, resultando em nove pequenas e distintas tramas contadas com robustez e dignas de serem consideradas parte do gigantesco universo de Star Wars criado por George Lucas.

Star Wars: Visions
Em andamento (2021- )
Star Wars: Visions
Em andamento (2021- )

Duração: 1 temporada

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.