Adam by Eve - A Live in Animation (Netflix/Divulgação)

Créditos da imagem: Adam by Eve - A Live in Animation (Netflix/Divulgação)

Mangás e Animes

Crítica

Eve usa linguagem do pesadelo para fazer de Adam by Eve um álbum visual notável

Filme mescla live-action com anime em trama guiada pelas músicas do artista

Omelete
3 min de leitura
Pedro Henrique Ribeiro
16.03.2022, às 17H53

Em Adam by Eve - A Live in Animation, o cantor e compositor Eve apresenta uma das ideias mais geniais sobre produção de um álbum visual dos últimos tempos. Unindo elementos da animação e do cinema japonês à sua música, o artista narra uma breve história que mescla live-action e anime para divulgar seus trabalhos mais emblemáticos. Na produção, o universo dos pesadelos une esses diferentes elementos em uma história atraente e memorável.

Antes conhecido como Keitora ou Kurowa, Eve iniciou sua carreira musical com covers criados em programas de síntese de voz, que há uma década foram febre no Japão. Atualmente, ele faz sucesso colocando sua voz “verdadeira” em aberturas de anime, como “Kaikai Kitan”, a primeira de Jujutsu Kaisen. Em busca de expandir sua fama para além da bolha otaku, Eve investe em Adam by Eve, um álbum visual que conta a história de duas estudantes, Aki (Hanon) e Taki (Ano). Na trama, após ver a amiga sumir diante de seus olhos, Aki decide rodar a cidade de Tóquio à procura da jovem e descobre que todos estão tendo o mesmo pesadelo com um monstro de um olho só. Ela então decide encarar o inimigo para trazer Taki de volta.

Para contar essa história, o diretor Nobutaka Yoda (Hori-san to Miyamura-kun) e o produtor Genki Kawamura (Belle e O Tempo Com Você) transformam os prédios do popular distrito de Shibuya em grandes telas. Como uma pitada de horror e suspense, os olhos do monstro perseguem a jovem, imersa em um pesadelo, pelas ruas da cidade, enquanto Eve dita o ritmo das cenas com sua trilha sonora. O artista faz diversas entradas, como clipes visuais, com músicas e animações diferentes. Estúdios variados trabalham em Adam by Eve, trazendo vários estilos que casam perfeitamente com o clima das cenas que as precedem, bem como as músicas às quais a animação é dedicada.

A lógica do pesadelo surge em momentos como ferir-se ou saltar de um lugar alto para despertar de um sonho ruim. A tensão de se sentir perseguido ou observado, e os locais seguros onde não podem te achar também dão um sabor mais intimista à obra. A corrida aterrorizante da personagem para fugir do medo acontece entre um flashback e outro, e são essas lembranças que valorizam a parte narrativa, que, em geral, acaba diminuída diante das inúmeras apresentações de Eve.

Com menos tempo de tela, a história de Aki e Taki acaba ficando confusa em alguns momentos. Apesar de elas não serem o foco principal da produção, se houve a preocupação de incluí-las, é preciso tornar sua participação mais fluida. Ainda assim, não há nenhum grande desgaste para o espectador e o objetivo de Eve é alcançado com êxito através de uma experiência que tende a agradar tanto seus fãs quanto o público que ainda não o conhece.

Tendo a música e a animação como seu ponto mais forte, Adam by Eve: A Live in Animation surfa na linguagem do horror para acumular muito mais acertos do que falhas. Assim a obra conquista um expressivo resultado para a promissora carreira do artista. Além de ótima vitrine para Eve, a produção caminha para se tornar uma referência performática para outros artistas do Japão que queiram levar sua arte para o restante do mundo.

Adam by Eve - A Live in Animation
Adam by Eve: A live in Animation
Adam by Eve - A Live in Animation
Adam by Eve: A live in Animation

Ano: 2022

País: Japão

Classificação: 16 anos

Duração: 58 min

Direção: Nobutaka Yoda

Nota do Crítico
Ótimo

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.