Foto de St. Vincent no Lollapalooza Brasil

Créditos da imagem: Lollapalooza Brasil/Camila Cara/Divulgação

Música

Artigo

Lollapalooza | Uma das poucas mulheres do line-up, St. Vincent faz show sólido

Americana pesou a mão na guitarra e ganhou o público gradualmente

Mariana Canhisares
05.04.2019
21h24

St. Vincent é uma artista completa e sua performance no Lollapalooza 2019 é prova disso. No seu retorno ao festival, quatro anos depois da sua última apresentação, a americana trouxe o elogiado álbum Masseduction em uma apresentação de rock performática, executada com precisão, mas que teve uma resposta mais tímida do público inicialmente.

Diferentemente de outros nomes que passaram pelo palco Adidas, como Troye Sivan e Fever 333, a cantora não correu de um lado para o outro ou declarou seu amor pelo Brasil a cada segundo e, por isso, pode ter causado esse estranhamento aos mais desavisados. Mas, convenhamos, isso sequer faz falta em uma apresentação tão sólida. St. Vincent pesou a mão na guitarra - nas muitas, no caso, porque a cada hora ela estava com um instrumento de uma cor - e a cada solo, mais gritos vinham da plateia.

Aos poucos, o público embarcou no clima criado por ela. Em "Fast Slow Disco", quando convidou todos os desajustados para dançar e garantiu que todos ali eram amados, as respostas vieram em alto e bom som: todo mundo batendo palma e dançando, cada um do seu jeito.

Mesmo sem uma participação mais ativa do público nas primeiras músicas, St. Vincent apresentou um show dinâmico desde o princípio. Ao final da apresentação é clara a preocupação estética e a atenção aos mínimos detalhes. Em "Pills", com o palco dominado pelo rosa, ela cantou, tocou e dançou como uma espécie de robô, enquanto o telão a mostrava em situações divertidas e inusitadas. Mas é inegável que um dos destaques do setlist foi a ótima "Masseduction". Vencedora do Grammy de melhor música de rock deste ano, a performance ao vivo só fez jus à bela faixa.

Como uma das poucas artistas femininas do line-up, a cantora se mostrou mais uma vez original e deixa a vontade de vê-la no Brasil de novo, em breve.